Nome do Projeto
Programa de Terapia Ocupacional em Gerontologia (PRO-GERONTO)
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
16/03/2020 - 22/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Educação
Linha de Extensão
Terceira Idade
Resumo
Esse programa visa beneficiar idosos residentes na comunidade por meio de ações e intervenções terapêutico ocupacionais que visem a prevenção do declínio cognitivo, demências e demais processos patológicos (ou situacionais) que possivelmente podem acometê-los, além de promover a esta população um envelhecimento mais ativo tendo como norteadores as políticas públicas específicas e as bases teóricas da Terapia Ocupacional. OBSERVAÇÃO: o presente projeto fará parceria com o projeto de extensão do curso de Enfermagem da UFPel (descrição nas ações) e tentará parceria com outros serviços em ações que serão posteriormente cadastradas quando da sua oficialização.

Objetivo Geral

Proporcionar aos idosos da comunidade pelotense atendimento terapêutico ocupacional (em diferentes modalidades e formatos) e a participação em ações de promoção de saúde, possibilitando ao aluno o conhecimento e a vivência das contribuições da Terapia Ocupacional na Gerontologia.

Justificativa

A Gerontologia é uma das áreas que mais vem crescendo no mercado brasileiro. Isso é reflexo do fenômeno do envelhecimento populacional que já é realidade no país. Muitos profissionais da saúde têm se dedicado na atuação com idosos e contribuindo para que estes se tornem cada vez mais longevos. A Terapia Ocupacional com enfoque gerontológico atende (i) idosos que vivenciam a velhice sem apresentar alterações que interfiram em
sua autonomia e independência (neste caso, o enfoque profissional se dá sob os aspectos preventivos) e (ii) idosos cuja autonomia e independência foram alterados por processos patológicos (demências, declínio cognitivo, AVC, transtornos mentais, depressão, doenças reumatológicas, entre outras) ou situacionais (como quedas, por exemplo). Sendo assim, a reabilitação realizada pelo terapeuta ocupacional buscará o máximo desempenho ocupacional do idoso para que este possa realizar suas atividades diárias. Portanto, estimular os alunos da graduação para esta área de atuação da Terapia Ocupacional permitirá, além do aprendizado, amadurecimento na formação profissional e estímulo de atuação em geriatria e gerontologia, uma vez que ainda são considerados poucos os terapeutas ocupacionais, com formação gerontológica e/ou que atuem nessa área, embora este número já esteja em processo mais acelerado de crescimento. Cabe salientar que mesmo que hoje já existam
terapeutas ocupacionais na rede de saúde da cidade de Pelotas, a população idosa permanece desassistida (no que tange à proposta do presente projeto) já que esses profissionais vêm atuando basicamente com a clientela infantil e usuários de saúde mental. Portanto, a presença do PRO-GERONTO na comunidade poderá contribuir positivamente para que essa realidade possa ser modificada e os espaços de atuação do terapeuta ocupacional na rede municipal possam ser ampliados, além de garantir o direito ao idoso de ter acesso ao profissional terapeuta ocupacional.

Metodologia

O Programa de Terapia Ocupacional em Gerontologia (PRO-GERONTO) envolverá cinco linhas de atuação que nortearão as atividades a serem desenvolvidas. Através da atuação direta com a comunidade (extensão), os alunos poderão ainda estar inseridos em ações de ensino e pesquisa. As linhas de atuação são:
1- Síndrome da Fragilidade em Idosos: concentrará ações que visam intervir e conhecer todos os aspectos relacionados à referida síndrome.
2- Cognição e Envelhecimento: concentrará ações que visam intervir e conhecer os aspectos cognitivos que influenciam no processo de envelhecimento e processos patológicos.
3- Envelhecimento Ativo: concentrará ações que visem a prática de hábitos saudáveis de vida, a proposição do envelhecimento saudável e da qualidade de vida.
4- Saúde Mental e Envelhecimento: concentrará ações que visam intervir e conhecer ações que promovam a saúde mental de idosos, aspectos psiquiátricos relacionados aos processos demenciais e transtornos psiquiátricos que acometem o idoso.
5- Tecnologia e Envelhecimento: concentrará ações que visam investigar, intervir e conhecer tecnologias assistivas e de realidade virtual direcionadas para o idoso.
Segundo dados do IBGE (2009), a expectativa de vida ao nascer no Brasil entre os anos de 1930 e 1940 era de 41,5 anos. Em 2005 esse número já havia aumentado para 71 anos. Os dados mais recentes do IBGE apontam que em 2016 a expectativa de vida passou para 75,8 anos. Isso é fruto do já conhecido fenômeno do envelhecimento da população que ocorre em nível mundial. Esse processo trouxe diversas consequências para
a população brasileira dentre as quais se destacam algumas (BALDONI; PEREREIRA, 2011): aumento de doenças crônicas não transmissíveis; necessidade de maior cuidado na atenção primária de saúde; necessidade de melhor implementação de ações, promoção, prevenção e assistência de saúde pelo SUS e, por último, o aumento no número de atendimento aos idosos (gerando aumento do ônus). Com isso cada vez mais a rede de
atenção à saúde precisa adequar-se para garantir ao idoso o acesso aos serviços e ações de saúde, bem como aos profissionais. O próprio conceito cronológico sobre o idoso já sofreu alterações e merece ser discutido em todos os âmbitos, mesmo porque o envelhecimento é um processo multidimensional e, portanto, o idoso não pode ser visto fora desse parâmetro.
A Política Nacional do Idoso (Lei nº 8.842, de janeiro de 1994), a Política Nacional de Saúde do Idoso, as Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso (Portaria GM/MS nº 702/2002), o Estatuto do Idoso e o Pacto pela Saúde (Portaria GM Nº 399) são políticas fundamentais que precisam ser seguidas quando se pensa no atendimento às necessidades desta clientela pois visam recuperar, manter e promover a autonomia e a
independência dos indivíduos idosos, direcionando medidas coletivas e individuais de saúde para esse fim; sem deixar de lado os princípios do SUS. Adicionalmente, convém destacar que tanto a saúde é contemplada nessas políticas, como também as informações pertinentes no âmbito da educação e campo social (Política Nacional do Idoso e o Estatuto do Idoso). O município de Pelotas ainda carece de uma rede articulada direcionada à população idosa. Não se tem conhecimento até o presente momento da atuação direcionada de terapeutas ocupacionais, por exemplo, na rede municipal com prática especificamente voltada para o idoso e os serviços
ofertados ainda apresentam carências e fragilidades que precisam de melhor planejamento para futuras melhorias. É por esta razão que as linhas de atuação do PRO-GERONTO anteriormente citadas foram pensadas. Acredita-se que as mesmas possam gerar demandas e intervenções/ações que visem a qualidade de vida do idoso.
Os cenários a serem utilizados como espaços de atuação irão variar de acordo com as demandas de cada linha. As atividades de extensão poderão ser desenvolvidas nos equipamentos sociais pertencentes às comunidades, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou demais espaços/instituições de saúde que demandarem ao projeto.
As atividades do PRO-GERONTO serão desenvolvidas em todos os níveis de atenção à saúde, no âmbito social e educação. Outros projetos de extensão do Curso de Terapia Ocupacional da UFPEL e projetos oriundos dos demais cursos de graduação (tanto da UFPEL quanto de outras IES) poderão ser incluídos como parceiros nas atividades do PRO-GERONTO. Além disso, poderão ser realizadas parcerias com Programas de Pós-graduação da UFPEL ou de outras IES.
O PRO-GERONTO buscará, ainda, parcerias junto a órgãos públicos como Secretarias de Saúde e de Assistência Social para prática das ações extensionistas. Adicionalmente, Conselhos de Saúde e do Idoso também poderão ser acionados como parceiros em algumas atividades. O programa, mediante possibilidade, poderá concorrer a editais de fomento. Tendo sido contemplado, poderá desenvolver suas ações extensionistas utilizando esse financiamento, bem como ampliar suas atividades, facilitando o acesso a um maior número de idosos à terapia
ocupacional. Ressalta-se que essa ampliação poderá trazer retorno para o aluno, para a UFPEL e para a população pelotense. O programa pleiteará bolsas para os alunos inseridos no mesmo. Mas também aceitará alunos voluntários tanto do curso de Terapia Ocupacional quanto de outros cursos de graduação da UFPEL. As atividades extensionistas serão elaboradas de modo que possam facilitar a participação de alunos de outros cursos de graduação da universidade. As atividades realizadas pelo PRO-GERONTO estarão sempre em consonância com as políticas de atenção e proteção ao idoso.
Ações extensionistas:
Os alunos serão inseridos nas seguintes ações:
Avaliação do idoso: os idosos ingressantes no PRO-GERONTO passarão por avaliações com instrumentos padronizados e/ou de elaboração específica conforme necessidade. Também serão realizadas reavaliações para acompanhamento terapêutico ocupacional do atendimento ao idoso.
Oficina de memória: Acontecerão duas vezes por semana, com uma hora de duração, inicialmente na UBS FRAGET, podendo ser estendida para outras UBS e/ou espaços voltados para essa população. Atenderão cerca de 100 idosos da comunidade, durante o período total de vigência do programa. Ao ingressar na oficina, o idoso passará por uma avaliação cognitiva (feita pelos alunos), que será periodicamente aplicada para fins de
acompanhamento do desempenho do mesmo. Os alunos participantes serão responsáveis pelo preparo de uma atividade (uma por dia de grupo) voltada a prevenção de declínio cognitivo. A cada dia, um dos componentes do grupo de aluno será responsável pela aplicação da atividade e coordenação do grupo; os demais darão suporte na realização das atividades aos idosos participantes.
Atendimentos individuais: Acontecerão conforme a demanda da UBS FRAGET e agendamento prévio. Os atendimentos ocorrerão nas dependências da UBS ou nos domicílios dos idosos conforme a necessidade. Atenderão cerca de 50 idosos, durante o período total de vigência do programa. Os alunos avaliarão os idosos participantes a fim de estabelecer um diagnóstico terapêutico ocupacional para que assim seja possível
atendê-los em suas necessidades. Os atendimentos ocorrerão de acordo com a conduta terapêutica ocupacional prevista e programada pelo aluno e poderão acontecer uma ou até duas vezes por semana.
Ações de promoção de saúde (de acordo com as políticas públicas de saúde): Tendo em vista que as políticas públicas de saúde preconizam ações
que promovam a saúde da população idosa, poderão ser realizadas ações como palestras informativas sobre envelhecimento ativo, prevenção e
doenças que afetam mais frequentemente a população idosa; organização de evento científico para troca de conhecimento com a comunidade;
elaboração de materiais informativos referentes ao processo de envelhecimento, cuidados com a saúde, cuidados com a memória, dentre outros
pertinentes à prática do terapeuta ocupacional; participação em eventos científicos com divulgação das ações e seus resultados que possam ser
convertidos em novos benefícios para a comunidade.
A fim de promover a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão (art. 2º da Resolução n. 10/2015 do COCEPE da UFPel), dentro do programa PRO-GERONTO também serão realizadas ações de ensino. As ações também visam maior envolvimento do aluno com o programa, além de preparo dos mesmos para as atividades extensionistas.
Ação de ensino:
A ação de ensino será caracterizada pela realização de um grupo de estudo que tem como objetivo ampliar a fundamentação teórica do aluno em temas pertinentes ao envelhecimento e à terapia ocupacional.

Indicadores, Metas e Resultados

Indicadores:
O expressivo envelhecimento populacional também acontece na cidade de Pelotas, onde, segundo o censo do IBGE de 2010, mais de 34.000
pessoas tinham mais de 65 anos. Além disso, na cidade, a expectativa de vida ao nascer está acima da média de 75,4 anos do estado. Diante
dessa realidade, é necessário trabalhar-se na perspectiva do envelhecimento ativo, buscando a manutenção da autonomia e independência dessa
população pelo maior tempo e da melhor forma possível.
Metas:
Considerando que idosos ativos podem ter impacto positivo na sua capacidade funcional (biopsicossocial), pretende-se contribuir para que osmesmos tenham/mantenham maior autonomia, independência e qualidade de vida. Espera-se também que os alunos envolvidos nas ações propostas possam construir um perfil profissional crítico, interessado e atuante na comunidade e em suas problemáticas.
Resultados esperados:
No que se refere ao público alvo (idosos), espera-se contemplar os atendimentos aos 100 idosos previstos e outros mais decorrentes das ações de promoção de saúde, já que estas têm maior abrangência. No que se refere aos alunos espera-se que os mesmos tenham maior engajamento com essa população e estejam mais preparados para o atendimento terapêutico ocupacional dessa clientela. Considerando que o aluno é um dos
principais elos entre a universidade e a comunidade,

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE GOMES KRÜGER
AMANDA DA SILVEIRA RIBEIRO
ANDRESSA DALLE NOGARE PIRES
ARIADNE FERNANDES
DANIELE PEREIRA FERREIRA
DANIELE SAYURI WARICODA HORAGUTI
FABIANE DOS SANTOS SILVEIRA
FRANCIELE COSTA BERNÍ7
JESSICA ROSARIO ROSA GONÇALVES
LARYSSA MATOS DANTAS
LAURA DA SILVA STOCKER
LAUREN ALVES DA CUNHA
LEONICE DIAS MACHADO
MAITÊ PERES DE CARVALHO
MARIA ROSELENE DA ROCHA FONSECA
MICHELE NUNES DA CRUZ
NATANE MADRUGA LEITE DE OLIVEIRA
RAILLANE DE OLIVEIRA MARQUES
RENATA CRISTINA ROCHA DA SILVA
ROBERTA BORGES SOARES
STEFANIE GRIEBELER OLIVEIRA2
TAIANE DA SILVA ROSA
TALITA SILVEIRA ESCOUTO CUNHA
VITORIA DA SILVA JESKE
ZAYANNA CHRISTINE LOPES LINDOSO12

Página gerada em 23/01/2021 21:41:36 (consulta levou 0.111000s)