Nome do Projeto
Políticas de memória em perspectiva comparada
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
15/07/2020 - 15/09/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
Vinculado ao Núcleo de Pesquisa sobre Políticas de Memória - NUPPOME, o presente projeto de pesquisa tem como foco central a análise sobre as políticas de memória que foram e vêm sendo criadas e implementadas em países que tenham passado por regimes autoritários ou vivenciado conflitos políticos responsáveis por uma massiva violação aos direitos humanos. Na Europa, em países que vivenciaram as ditaduras de inspiração nazi-fascistas, no Brasil e em seus vizinhos do Cone Sul, que passaram pelas ditaduras de Segurança Nacional instauradas no contexto da Guerra Fria, assim como em outros contextos pós-conflito, como é o caso da África do Sul pós-apartheid e da Colômbia pós-conflito armado, encontra-se uma série de medidas que, implementadas nas últimas décadas, tentam lidar com as diferentes demandas por memória, verdade e justiça formuladas por vítimas diretas e indiretas de regimes de exceção e/ou de conflitos políticos em larga escala. Buscando identificar padrões, comparar as diferentes experiências existentes, bem como explicar por qual razão alguns países possuem maiores dificuldades de enfrentar seu passado autoritário, o projeto trabalha, do ponto de vista teórico, com conceitos e debates realizados em estudos sobre transições políticas, justiça de transição, legados autoritários e qualidade da democracia. O objetivo geral da pesquisa, portanto, é identificar e analisar as principais medidas implementadas (as políticas de memória) existentes em diferentes países, criando um banco de dados que permita a comparação das experiências identificadas.

Objetivo Geral

Projeto que tem por objetivo identificar e analisar, com base numa perspectiva comparada, as principais políticas públicas que foram formuladas e implementadas em países que passaram por períodos autoritários e/ou de violência para lidar, com o retorno à democracia, com o saldo da repressão praticada.

Justificativa

A compreensão dos processos de transição e, conjuntamente, a análise das políticas de memória implementadas em cada país que tenha passado por um regime autoritário e/ou enfrentado um conflito político de larga escala ajudam, em última análise, a entender os limites e potencialidades da nova democracia. Em outros termos, a pesquisa se justifica pela necessidade de se verificar, na atualidade, os motivos pelos quais alguns países se distanciaram de práticas autoritárias de forma mais evidente do que outros, observando-se, caso a caso, pontos de conexão entre as políticas de memória, os legados autoritários e os tipos de transição realizados.

Metodologia

Trata-se de pesquisa realizada com metodologia de análise essencialmente qualitativa. Numa primeira etapa, realiza-se leituras sobre teorias e conceitos básicos da pesquisa. Na etapa seguinte, identifica-se países que tenham passado por experiências autoritárias e/ou por períodos de conflito, analisando-se a forma como os mesmos chegaram ao fim. Feito isto, identifica-se as medidas implementadas em cada caso para lidar com o saldo da repressão política e para lidar com demandas formuladas pelas vítimas. Com a base de dados construída, é realizada a comparação dos casos.

Indicadores, Metas e Resultados

A pesquisa tem como metas: 1) contrução de um banco de dados com o maior número possível de países; 2) a realização de estudos parciais e/ou conclusivos sobre os casos mapeados; 3) a apresentação de estudos em eventos acadêmicos; 4) a publicação dos resultados da pesquisa.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CARLOS ARTUR GALLO CABRERA11
HELENA KLEIN SCHENATTO
ISABELA RODRIGUES DO NASCIMENTO
ISADORA THOMAZI MENDES
ISADORA VIEIRA CHAGAS
JOAO YERAB MOURA CARNEIRO
JORDANA FERREIRA RIBEIRO
LAURA FEIJÓ DE SOUZA
MARIANA DE LARA BUENO
PEDRO HENRIQUE CORREIA DE ANDRADE

Página gerada em 12/04/2024 19:12:17 (consulta levou 0.133055s)