Nome do Projeto
Associação entre Condições Meteorológicas e Níveis de Atividade Física em Crianças e Adultos
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/08/2020 - 01/08/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Exatas e da Terra
Resumo
As mudanças e variabilidade meteorológicas e climáticas têm sido descritas como uma das maiores ameaças para o meio ambiente e a saúde humana, com consequências em curto e longo prazo sobre a carga de morbidade e mortalidade da população. Embora o problema para a saúde humana tenha sido reconhecido há muito tempo, o impacto das mudanças meteorológicas e climáticas nos estilos de vida saudáveis e nos comportamentos em saúde, como por exemplo, a prática regular de atividade física ainda precisa ser estimada no nível populacional. Estima-se que o impacto será maior naquelas regiões geográficas onde condições meteorológicas mais extremas potencialmente possam ser uma barreira para a prática de atividade física. É bem conhecido que a inatividade física é um fator de risco modificável para doenças crônicas não transmissíveis e na série de artigos publicada no periódico The Lancet em 2012, estimou-se que a inatividade física foi responsável por 5.3 milhões de mortes prematuras em 2008, similar às mortes causadas pelo tabagismo. Mesmo assim, 1/3 da população adulta, alarmantes 80% da população adolescente e uma porcentagem crescente de aproximadamente 50% da população de préescolares não atingem as recomendações globais de atividade física para a saúde. Tendo em vista sua alta prevalência e seus alarmantes efeitos deletérios sobre a saúde, o ambiente, a economia e a sociedade, a inatividade física foi classificada como uma pandemia. A literatura da área destaca a falta de estudos prospectivos com ênfase nos determinantes da saúde ambientais e suas consequências na prática de atividade física no nível populacional. Além disso, há uma carência de estudos com grande rigor metodológico conduzidos em países de renda média e baixa utilizando uma abordagem de ciclo vital. Com a intenção de preencher essas lacunas do conhecimento e em vista da oportunidade única de avaliar a população de crianças e adultos, todos os participantes da coorte de nascimentos de Pelotas no ano 2015 serão acompanhados ao fazer 2 anos de idade. Dados detalhados sobre a prática de atividade física das crianças e das mães serão coletados por meio de questionários e uso de acelerômetros. Adicionalmente serão coletados dados sobre as condições meteorológicas e climáticas a que crianças e mães estarão expostas. O objetivo central do projeto é avaliar a associação entre as variáveis meteorológicas e climáticas e a prática de atividade física em crianças e suas mães.

Objetivo Geral

Objetivo geral Avaliar a associação entre as variáveis meteorológicas e os níveis de atividade física em crianças de 2 anos e suas mães. Objetivos específicos 1. Mensurar o nível de atividade física, por meio de acelerometria e questionário, em crianças de 2 anos e suas mães na cidade de Pelotas, RS; 2. Comparar as medidas de atividade física auto-relatadas e objetivas coletadas em crianças de 2 anos e suas mães; 3. Avaliar a associação entre prática de atividade física em crianças de 2 anos e suas mães e variáveis meteorológicas (pressão atmosférica, temperatura e umidade relativa do ar, velocidade e direção do vento); 4. Através de medidas de Temperatura e Umidade (interna e externa às residências), calcular o Conforto Térmico Humano (CTH) nas residências, a fim de estimar o grau de conforto/desconforto sentido (dentro e fora destes ambientes), bem como, verificar a existência de relação entre estresse térmico (por frio ou calor) e a prática de atividade física em crianças de 2 anos e suas mães.

Justificativa

A literatura da área destaca a falta de estudos prospectivos com ênfase nos determinantes da saúde ambientais e suas consequências na prática de atividade física no nível populacional. Além disso, há uma carência de estudos com grande rigor metodológico conduzidos em países de renda média e baixa utilizando uma abordagem de ciclo vital. Com a intenção de preencher essas lacunas do conhecimento e em vista da oportunidade única de avaliar a população de crianças e adultos, todos os participantes da coorte de nascimentos de Pelotas no ano 2015 serão acompanhados ao fazer 2 anos de idade. Dados detalhados sobre a prática de atividade física das crianças e das mães serão coletados por meio de questionários e uso de acelerômetros. Adicionalmente serão coletados dados sobre as condições meteorológicas e climáticas a que crianças e mães estarão expostas.

Metodologia

Esse estudo será realizado na cidade de Pelotas, localizada na região sul do Rio Grande do Sul (RS), extremo sul do país. Trata-se de um estudo de coorte de nascimentos, prospectivo, para o qual se propõe um acompanhamento no ano de 2017, esse estudo vem sendo desenvolvido pelo Centro de Estudos Epidemiológicos da Universidade Federal de Pelotas desde 2015. Os dados utilizados consistirão das variáveis meteorológicas obtidas através das estações meteorológicas (manual/automática) do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET/EMBRAPA) e do Ministério da Aeronáutica (Aeroporto da cidade), bem como, a partir de Data Logeer (medidas de Temperatura e Umidade), marca Hobo, modelo U23-001, instalados no exterior e interior de residências (a serem amostradas) na cidade de Pelotas. A mensuração objetiva de atividade física durante o estudo será realizada por meio da utilização de acelerômetros, os quais são equipamentos que através da captação de movimentos corporais estimam tempo gasto em atividades físicas moderadas e vigorosas.

Indicadores, Metas e Resultados

Considerando a abordagem de Ciclo Vital que norteia o estudo, em longo prazo espera-se que os resultados possam fornecer informações para publicações nas áreas de:
• Impacto das variáveis meteorológicas (conforto térmico humano) sobre a prática de atividade física e sedentarismo em crianças de 2 anos e suas mães, e encontrar padrões sinóticos (frentes frias e massas de ar).
• Impacto dos fatores meteorológicos sobre a saúde de crianças de 2 anos e suas mães;
• Analisar o conforto térmico humano, interno e externo às residências, e verificar sua contribuição (ou não) para a ocorrência de problemas de saúde em crianças de 2 anos e mães que vivem nesses ambientes.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDERSON SPOHR NEDEL
EMANOELA DE BORTOLLI
FRANCIELE DA COSTA TRASSANTE
HENRIQUE NORNBERG DA SILVA
JOAO CARLOS TORRES VIANNA2
MARCELO FELIX ALONSO4
MARCO ANTONIO FLORES DE MEDEIROS
ROSE ANE PEREIRA DE FREITAS4

Página gerada em 30/11/2020 20:50:24 (consulta levou 0.102873s)