Nome do Projeto
Mulheres candidatas ao cargo de Vereadora em tempos de pandemia - Eleições Municipais 2020 - Pelotas (RS)
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/09/2020 - 31/07/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O projeto propõe a análise das candidaturas de mulheres à vereança nas Eleições 2020 nos municípios Pelotas (RS), com objetivo de investigar as estratégias políticas e eleitorais adotadas pelas candidatas para a construção de suas campanhas eleitorais diante de um cenário de pandemia. A metodologia de trabalho está dividida em dois momentos: a) mapear as mulheres candidatas ao cargo de Vereadora no município de Pelotas; b) realizar entrevistas semiestruturadas com as candidatas de diferentes partidos que aceitarem o convite para participar da pesquisa. Os dados e narrativas das candidatas serão analisados à luz da literatura que debate a complexa relação gênero e política.

Objetivo Geral

o objetivo geral deste projeto consiste em analisar as estratégias políticas e eleitorais adotadas pelas candidatas à vereança no município de Pelotas para o enfrentamento de obstáculos na elaboração e divulgação de suas campanhas eleitorais às/aos eleitoras/es diante de um cenário de pandemia.

Justificativa

A subrepresentação das mulheres na política é uma realidade nacional. O Município de Pelotas (RS) reproduz este panorama, somente 12 mulheres ocuparam cadeiras na Câmara de Vereadores em 15 mandados dispostos em mais de meio século. A literatura que trata da subrepresentação das mulheres no campo político eleitoral aponta uma série de obstáculos institucionais, socioeconômicos e culturais que dificultam às mulheres construírem carreiras políticas nos partidos que possibilitem que seus nomes sejam indicados para a lista de candidaturas com reais chances de sucesso eleitoral, e não apenas indicações com objetivo de cumprir o percentual mínimo imposto pela Lei de Cotas. Se estas dificuldades fazem parte do processo político em períodos de normalidade, questiona-se então: como as mulheres impulsionam candidaturas em meio a uma pandemia, quando há uma situação de completa incerteza?
A primeira incerteza é se as eleições municipais de 2020 irão de fato acontecer em um contexto pandêmico, já que trata-se de eleição presencial que exige o deslocamento dos eleitores até as urnas. O Congresso adiou as eleições para 15 de novembro (1º turno). Se a incerteza de realização do pleito em 2020 afeta a todos os indivíduos que desejam disputar a eleição, no caso das mulheres há particularidades que dificultam ainda mais sua participação sob o contexto de uma crise sanitária. A pandemia provocada pelo Covid-19 tem afetado as diferentes regiões do Brasil de maneira distinta, de forma que embora esteja espraiada por todo o país, em algumas localidades há maior ou menor incidência de contaminação. Em todos os municípios as aulas presenciais das instituições públicas e privadas nos diferentes níveis de formação foram suspensas, algumas atividades online são desenvolvidas em sua maioria por instituições privadas. Muitas mulheres têm de trabalhar e cuidar dos filhos que estão em casa em tempo integral, outras tantas perderam seus empregos, são incontáveis as situações que tornam ainda mais complexa a construção de candidaturas.

Metodologia

Para dar conta da proposta, a metodologia está dividida em dois momentos :
1. Trata-se de mapear as mulheres que se lançaram candidatas à vereança no município de Pelotas - nesta etapa, para coleta de dados, será essencial identificar as mulheres presentes nas listas de candidaturas dos diferentes partidos políticos. Desta forma, uma série de passos se fazem necessários: listar os partidos políticos que estão ativos em Pelotas (o levantamento inicial aponta que há 22 partidos políticos em funcionamento no município), contatá-los, solicitar as listas de candidaturas de mulheres e, por fim, o contato das candidatas. O contato com as candidatas permitirá averiguar se os partidos cumprem a Lei de Cotas em termos quantitativos, mas também se disponibilizam recursos para o financiamento das campanhas conforme estipula a Lei 13.165/15 (Quadro 2). Após completar a etapa de coleta de dados quantitativos, inicia-se a segunda fase da pesquisa que será qualitativa.
2. A proposta de analisar as estratégias políticas e eleitorais adotadas pelas candidatas diante de um cenário de pandemia será desenvolvida mediante a realização de entrevistas semiestruturadas, com as candidatas que aceitarem o convite para participar da pesquisa. Mantendo-se a conjuntura de isolamento social em função da pandemia, as entrevistas serão efetuadas com o uso de ferramentas online. O roteiro das entrevistas semiestruturadas é composto de três pontos:
Dados socioeconômicos das candidatas: idade, escolaridade, estado civil, filhos, etnia/raça, profissão.
Informações relacionadas a trajetória política: herança familiar, militância política, filiação partidária, candidaturas anteriores, mandatos anteriores. Informações que relacionem o partido e a candidatura: formato de recrutamento e de seleção de candidaturas; lei de cotas; financiamento de campanha; papel das mulheres nos partidos políticos.
Narrativa das estratégias projetadas para construir a candidatura à vereança em meio ao contexto de pandemia, considerando o marcador de gênero, assim como os demais marcadores que constituem as candidatas.

Indicadores, Metas e Resultados

Os resultados esperados:
1. Banco de dados das candidaturas de mulheres nos municípios do RS - informações disponibilizadas pelos Tribunais Eleitorais;
2. Banco de dados com as entrevistas das candidatas à vereança no município de Pelotas;
3. Apresentação de trabalhos em Congressos;
4. Produção de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs);
5. Publicação de artigos em revistas especializadas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
DANIELLY JARDIM MILANO
LOUISE LANES LEMÕES
MIGUEL SOARES SILVEIRA
ROSANGELA MARIONE SCHULZ2
ÉDNA ALICE DUARTE DA ROCHA

Página gerada em 21/09/2021 20:46:13 (consulta levou 0.094970s)