Nome do Projeto
Avaliação psicofísica e neuropsicológica da ingestão de álcool
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
06/07/2020 - 06/01/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Sabe-se que o álcool, ingerido de forma momentânea ou continuada em seus vários níveis, pode estar relacionado a uma série de alterações orgânicas comportamentais que podem interferir em processos psicológicos mais básicos. Nesse sentido, o presente estudo tem como objetivo avaliar a influência da ingestão agudo-moderada e crônica de bebidas alcoólicas na percepção auditiva e no funcionamento neuropsicológico dos indivíduos. A Organização Mundial da Saúde afirmou que o principal redutor de expectativa de vida saudável dos indivíduos (causando 3,2% das mortes em todo o mundo) é o álcool. Além disso, uma pesquisa do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas (CEBRID) apresentou que 74,6% da população brasileira já consumiram álcool; 12,3% são dependentes; 7,3% se envolveram em situações de risco físico devido ao uso do álcool. Dessa forma a ingestão aguda ou crônica de álcool pode ser considerada um problema de saúde pública. O etanol é um depressor do Sistema Nervoso Central que pode ocasionar prejuízos nos âmbitos biológico e psicossocial. Graves alterações nos sistemas digestório (danos hepáticos), cardíaco (arritmias), e sanguíneo (aumentos da pressão arterial) acontecem pela ingestão de etanol, sendo que há uma maior distribuição nos órgãos de maior permeabilidade (encéfalo, rins e pulmões). Alterações nos sistemas excitatório e inibitório, mediados respectivamente pelo glutamato, e pelo ácido gama amino butírico (GABA), bem como inibição da liberação de acetilcolina (ocasionando prejuízos nos mecanismos colinérgicos influentes no aprendizado e na memória) também podem estar envolvidas no consumo de álcool. Dessa forma a Neuropsicologia, área que faz interface entre a Psicologia e a Neurologia, estudando as relações entre sistema nervoso e comportamentos, por meio de avaliações neuropsicológicas, que se tratam da utilização de exame clínico, aliado a outras ferramentas diagnósticas (testes psicológicos, psicofísicos, eletrofisiológicos e de neuroimagem) tem sido utilizada para avaliação dos processos psicológicos básicos prejudicados por causa do consumo de bebidas alcoólicas. Cérebros menores e diminuição de substância branca; diminuição do corpo caloso; mudanças nos lobos frontais (decisão, julgamento e solução de problemas), no hipocampo, nos corpos mamilares, no tálamo e no córtex cerebelar (memória) são exemplos de como investigações a respeito dos danos neurobiológicos tem sido úteis na compreensão do uso do álcool e no planejamento de tratamentos de patologias relacionadas ao seus abuso. Além disso, tem sido estudada a possibilidade de reversão de funções neuropsicológicas pós-tratamento contra o alcoolismo. Esse projeto trata-se da continuidade de um projeto já desenvolvido nos anos anteriores de 2017-2018 e 2018-2019.

Objetivo Geral

Produzir artigos científicos resultantes dos dados obtidos pela avaliação das consequências da ingestão aguda e crônica de etanol para as funções neuropsicológicas de memória, atenção, funções executivas, e percepção auditiva em adultos.

Justificativa

Os custos sociais ligados ao uso de bebidas alcoólicas, seja de forma moderada ou excessiva, tem sido motivo de debates constantes nos meios científicos e na sociedade em geral. O álcool tem uma acelerada absorção no organismo, o que ocasiona a veloz apresentação de prejuízos no comportamento dos indivíduos. Assim, os efeitos do álcool tanto no aspecto orgânico quanto no aspecto social apresentam-se na população de forma preocupante. Além disso, tanto as habilidades musicais quanto os efeitos resultantes da ingestão de etanol parecem se dá de forma desigual entre os indivíduos, podendo esse fato ser um aspecto importante a ser discutido. Uma das áreas de maior destaque no estudo dos processos sensoriais, perceptivos, e neuropsicológicos ilesos ou alterados, tem sido as Neurociências. Este campo científico possui foco na interação entre sistema nervoso e diferentes processos comportamentais, estando baseado na interdisciplinaridade, e envolvendo, desse modo, conhecimentos oriundos da Psicologia Experimental Comportamental, além da Neuroanatomia, Neurofisiologia, Psicofísica, entre outras subáreas envolvidas na compreensão dos fenômenos psicológicos. O estudo da neuropsicologia pode fornecer informações importantes relacionadas aos processos de interação dos indivíduos com o ambiente e com outras pessoas. Além disso, a avaliação da dessas funções torna-se importante quando relacionada ao uso de substâncias, na medida em que evidenciam fatores relacionados a presença de alterações no funcionamento de mecanismos sensoriais básicos e processamentos psicológicos comportamentais associados a possíveis consequências decorrentes do uso das mesmas. Outro aspecto relevante quanto ao estudo da relação entre comportamento, sistema nervoso e ingestão de álcool é a possibilidade de auxiliar na elucidação dos resultados divergentes em relação à ocorrência ou não de alterações significantes no processamento psicológico devido ao uso dessa substância. Sendo assim, a inovação de tarefas específicos para a avaliação sensório-perceptiva e de outros processos neuropsicológicos, poderão ajudar a estabelecer parâmetros para novas pesquisas e contribuirão para o desenvolvimento de uma metodologia capaz de detectar e monitorar a evolução de possíveis alterações neurofisiológicas ocasionadas pela ingestão de álcool relacionadas a comportamentos específicos. Esses resultados possibilitarão um debate mais objetivo quanto às implicações psiconeurobiológicas e sociais do uso de bebidas alcoólicas pelos indivíduos. Esse estudo será útil ao incentivar a discussão de estratégias para uma melhora da qualidade de vida frente ao conhecimento e entendimento dos efeitos do consumo agudo e crônico de etanol.

Metodologia

No primeiro estudo, os participantes, estudantes universitários de 18 a 30 anos, fizeram a ingestão agudo-crônica de álcool em laboratório. Eles eram comparados consigo mesmos em duas sessões experimentais diferentes nas quais farão a ingesta de uma bebida alcoólica em forma de batida com quantidades de álcool relacionadas às suas estruturas corporais para que no momento dos testes possuíssem 0,08 % de etanol no sangue. Em uma das sessões, eles faziam a ingestão de uma bebida placebo. No segundo estudo, relacionado a ingestão crônica do álcool e o funcionamento neuroplástico do sistema nervoso, eram avaliados indivíduos integrantes dos Alcoólicos Anônimos, com idades de 40 a 60 anos, que possuam de 1 a 15 anos de abstinência às bebidas alcoólicas. Eles foram separados em grupos de acordo com o tempo de abstinência a cada três anos, e foram comparados a um grupo controle formado por parentes em primeiro grau não alcoolistas. Em ambos os estudos, a percepção auditiva foi avaliada por meio de um teste de discriminação de frequências sonoras correspondentes às notas musicais de uma escala ocidental padrão. Já o funcionamento neuropsicológico foi avaliado por meio de testes relativos aos processos de memorização, atenção, e funcionamento executivo. Para sua realização, o estudo foi submetido à apreciação de um Comitê de Ética em Pesquisa com seres humanos do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Paraíba (CEP/UFPB), e registrado sob o protocolo número 0330/11. A participação na pesquisa aconteceu mediante a assinatura de um termo de consentimento livre e esclarecido, no qual os participantes foram informados sobre o protocolo de estudo e elucidados sobre o objeto do trabalho. A integração do indivíduo ao estudo ocorreu de forma voluntária, já que ele não recebeu para isso nenhum tipo de pagamento, e respeitou sua autonomia, uma vez que ele podia recusar-se e/ou retirar-se da pesquisa sem prejuízo para ambas as partes, a qualquer momento. Foi garantido ainda o anonimato do participante, assegurando a sua privacidade e tornando seus dados confidenciais, complementando, deste modo, todos os preceitos regidos pela Resolução do Conselho Nacional de Saúde que trata das diretrizes e normas de pesquisas envolvendo seres humanos. Com os dados coletados, pretende-se agora realizar a elaboração de textos científicos resultantes dos dados obtidos com os estudos.

Indicadores, Metas e Resultados

Encontraram-se prejuízos perceptivos na audição, bem como nas outras funções comportamentais neuropsicológicas avaliadas, para as formas aguda e crônica de ingestão do álcool, sugerindo que o etanol pode ser um demarcador de deficiências neuropsicológicas devido ao seu uso momentâneo em curto prazo ou contínuo, a longo prazo. Esperam-se produzir artigos para publicação em revistas científicas especializadas na área.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CID PINHEIRO FARIAS
HENRIQUE STRECK MACAGNAN
JANDILSON AVELINO DA SILVA5
JULIANA ROPKE DUARTE
LUCAS GONÇALVES DE OLIVEIRA
ÉRICA PEREIRA MARTINS PAGANI

Página gerada em 22/02/2024 05:45:39 (consulta levou 0.192596s)