Nome do Projeto
Atividade física, dor lombar e saúde mental: qual a influência do isolamento social?
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
06/08/2020 - 02/08/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
As medidas de isolamento social, apesar de serem a melhor forma de prevenção de contágio, podem apresentar efeitos colaterais na saúde das pessoas, como diminuição do nível de atividade física, problemas psicológicos, e econômicos a nível individual e coletivo (PAULES; MARSTON; FAUCI, 2020). Nesse contexto, esse estudo busca contribuir com a literatura, na investigação de eventuais mudanças de comportamento em virtude dos efeitos relacionados às recomendações de isolamento social. Tais efeitos podem implicar na saúde física e mental das pessoas. A realização desse diagnóstico é importante, a fim de planejar ações futuras para o restabelecimento da qualidade de vida da população no período pós pandemia.

Objetivo Geral

Investigar os efeitos da prática de atividade física (antes, durante e depois do período de isolamento social), em variáveis de dor lombar e saúde mental.

Justificativa

Dor lombar é definida como a dor ou desconforto localizado abaixo da margem da 12ª costela e acima da prega glútea inferior, com ou sem irradiação para os membros inferiores (FREBURGER et al., 2009). A dor lombar é um dos principais distúrbios musculoesqueléticos, causador de incapacidade física. Sua prevalência global é de 7,3%, sendo considerada um dos maiores causadores de dias de trabalho perdidos por incapacidade (HARTVIGSEN et al., 2018; VOS et al., 2016).

Em virtude do maior tempo despendido em casa, é natural que as pessoas passem a maior parte do seu dia sentados. Estudos recentes, indicam uma relação entre dor lombar e tempo sentado (AMORIM et al., 2017; HUSSAIN et al., 2016). O que aumenta a importância da prática de atividade física, a fim de reduzir o tempo em atividades sedentárias (e.g. tempo assistindo TV), e consequentemente, os efeitos da dor lombar (GORDON; BLOXHAM, 2016; SHIRI; FALAH-HASSANI, 2017).

Assim como dor lombar, a saúde mental também esta associada ao comportamento sedentário e a inatividade física (DISHMAN et al., 2012; LUDWIG et al., 2018). Estima-se que atualmente 350 milhões de pessoas no mundo tenham diagnóstico de depressão (WHO, 2013), sendo a principal causa de incapacidade em países de alto, média e baixa renda. No entanto, fatores como estigma levam ao sub-diagnóstico desta doença (SAXENA; FUNK; CHISHOLM, 2013; WHO, 2013). No Brasil, estima-se que somente 28% dos casos de depressão sejam diagnosticados (FUJII et al., 2012). Assim, a prevenção da depressão é tratada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma problema de saúde pública internacional (WHO, 2013).

As causas da depressão, ansiedade, e transtornos de humor incluem a relação de fatores biológicos, psicológicos e sociais (JACOB, 2012). Devido a isso, diferentes comportamentos relacionados ao nosso estilo de vida estão associados a saúde mental, como maus hábitos alimentares, consumo em excesso de bebidas alcoólicas e falta de atividade física (BERK et al., 2013; WALSH, 2011). Assim, a OMS implementou em 2013 o Plano de Ação Integral de Saúde Mental 2013-2020 (SAXENA; FUNK; CHISHOLM, 2013), tendo entre seus principais objetivos a implementação de estratégias para a promoção da saúde mental.

De forma a promover a saúde física e mental, é recomendado que as pessoas pratiquem entre 150 minutos a 300 minutos por semana de atividades de intensidade moderada ou 75 minutos a 150 minutos por semana de atividade vigorosa, ou uma combinação equivalente(U.S DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES, 2018; WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2010). A prática de atividade física tem se mostrado importante no tratamento da dor lombar (GORDON; BLOXHAM, 2016; SHIRI; FALAH-HASSANI, 2017). A prática de exercícios físicos é recomendada para o tratamento da dor crônica, em detrimento de outras práticas terapêuticas, como acupuntura e injeções (AIRAKSINEN et al., 2006). Além disso, a prática de atividade física ou mesmo a interrupção estruturada de longos períodos de tempo sentado estão associados a redução nos sintomas depressivos e ansiedade (HALLGREN et al., 2020; STEFFENS, 2013; STROHLE, 2009).

Metodologia

Desenho do estudo
Observacional de caráter longitudinal.

Amostra
A amostra será composta por pessoas residentes no Rio Grande do Sul, que tenham interesse em responder o questionário. Os participantes serão convidados através de contato via mídias sociais (Twitter, Whatsapp, Facebook e Instagram).

Critérios de Inclusão
• Residir no Rio Grande do Sul;
• Ter 18 anos ou mais;
• Possuir rede de internet (móvel ou wi-fi).

Critérios de exclusão
• Pessoas com limitações físicas que as impeçam de praticar atividade física.


Variáveis a serem coletadas
As seguintes variáveis serão coletadas através de questionário eletrônico:
• Demográficas (gênero, idade, sexo, cor da pele);
• Socioeconômicas (renda, anos de estudo);
• Atividade profissional;
• Atividade física (minutos/semana);
• Tempo sentado (horas por dia)
• Dor lombar (intensidade, incapacidade relacionada, duração)
• Ansiedade;
• Depressão;
• Auto-percepção da memória;
• Qualidade de vida;
• Autopercepção de saúde;
• Presença de doenças crônicas não-transmissíveis.

Coleta de dados

Os dados serão coletados através de questionário online, que será criado na plataforma Google forms. Um endereço online (URL) será enviado na forma de preferência do participante (e-mail, mensagem por Whatsapp), juntamente com um convite para participação na pesquisa. Nesse endereço, os participantes serão convidados a acordar com o termo de consentimento livre e esclarecido, para que possam acessar o questionário. Em caso de aceite, poderão responder o questionário, assim como estarão aptos a abandonar a pesquisa a qualquer momento.

Os participantes serão convidados através de contato via mídias sociais (Twitter, Whatsapp, Facebook e Instagram). Uma página será criada na plataforma Facebook, para divulgação da pesquisa e recrutamento de participantes. As questões relacionadas aos desfechos em estudo, serão relativas a três períodos no tempo: antes, durante e após as medidas de isolamento social. A primeira coleta de dados cumprirá os dois primeiros períodos (antes e durante), sendo uma segunda coleta programada quando se der o término das medidas de isolamento.



Instrumentos

Atividade física
A atividade física será mensurada subjetivamente através de questão única previamente validada(MILTON; BULL; BAUMAN, 2011). O objetivo desta questão será identificar o número de dias que o indivíduo realizou ao menos 30 minutos de atividade física de intensidade moderada ou vigorosa nos últimos sete dias. A utilização desta questão única para mensurar a prática de atividade física se justifica como uma alternativa para reduzir o desgaste do investigado durante o preenchimento do questionário (MILTON; BULL; BAUMAN, 2011).


Incapacidade relacionada a dor lombar
O Roland Morris Disability Questionnaire (RMDQ) será aplicado para medir a incapacidade funcional causada pela dor lombar. O RMDQ representa uma ferramenta importante para mensurar a incapacidade devido à dor lombar. É autoadministrado, composto por 24 questões dicotômicas (sim ou não) relacionadas às atividades diárias, dor e função. Para cada pergunta afirmativa, um ponto é considerado e, para cada ponto negativo, zero. A pontuação final é determinada pela soma dos valores obtidos, com um mínimo e um máximo de "0" e "24", respectivamente. Valores próximos a zero representam os melhores resultados (menos incapacidade funcional) e valores próximos a 24 os piores resultados (maior incapacidade) (MONTEIRO et al., 2010). O ponto de corte de 14 pontos ou mais é usado para classificar os participantes como desabilitados funcionalmente.

Ansiedade e depressão
A ansiedade e depressão serão medidas através da escala “Hospital Anxiety and Depression Scale" (HAD) contém 14 questões do tipo múltipla escolha (ZIGMOND; SNAITH, 1983). Esta escala é formada por duas sub-escalas (7 itens cada) para identificar sintomas de ansiedade e depressão. Em cada item a pontuação vai de 0 a 3, sendo a pontuação global em cada sub-escala vai de 0 a 21.

A análise dos escores das duas sub-escalas serão analisadas de forma independente. Escores entre 0 a 7 serão considerados como normais, 8 a 10 como presença sugestiva dos sintomas e pontuação igual a 11 ou maior será classificada como provável presença de ansiedade ou depressão (SNAITH, 2003).

Qualidade de vida relacionada a saúde
O instrumento AQoL-4D (Assessment of Quality of Life) mensura a qualidade de vida relacionada a saúde e foi estruturado para uso de estudos sobre avaliação econômica relacionada à saúde e monitorar mudanças longitudinais na qualidade de vida em diferentes condições de saúde (BUSIJA et al., 2011).

O instrumento fornece informações sobre quatro domínios relacionados a qualidade de vida: vida independente, saúde mental, relacionamentos e sentidos. Cada um dos domínios possui três itens e os escores variam entre 4 e 7 pontos para cada item.

Os escores de cada domínio e um escore global serão gerados por meio de algoritmo fornecido pelo Centro de Saúde Econômica (CHE, 2020) da Austrália. Desta forma, os escores fornecidos pelo instrumento serão utilizados para avaliação econômica e especificamente para análise dos anos de vidas ajustados para qualidade de vida (QALY).

Auto-avaliação da memória
A auto-avaliação da memória será abordada usando as seguintes questões (LIMA-COSTA et al., 2018):
1) Como o senhor(a) avalia a sua memória atualmente?
Opções de resposta: Excelente, muito boa, regular, ruim, muito ruim

2) Como o senhor(a) avalia a sua memória atual comparada sua memória de dois anos atrás?
Opções de resposta: Melhor, igual, pior.


Doenças crônicas
A presença de doenças crônicas (hipertensão, câncer, diabetes, obesidade, depressão, e outras) será identificada usando questões utilizadas pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (ENES; NUCCI, 2019).


Aspectos éticos
O projeto será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Educação Física da UFPel. Todos os participantes deverão acordar com o termo de consentimento livre e esclarecido para participar do estudo, podendo deixa-lo a qualquer momento.

Riscos e Benefícios
Os riscos decorrentes na participação do estudo são mínimos. A aplicação de questionário, pode gerar constrangimento por parte do participante, que poderá deixar o estudo a qualquer momento.

O benefício ao participar da pesquisa está relacionado ao conhecimento do impacto da pandemia da COVID-19, na prevalência de atividade física, assim como seu efeito na dor lombar e na saúde mental. Tais informações serão adicionadas ao conhecimento científica, e poderão ser utilizadas para estratégias futuras de intervenção nos temas estudados por essa pesquisa.
Critérios para encerrar a pesquisa
A pesquisa será encerrada quando o tempo estabelecido previamente, para a coleta de dados, for encerrado.

Análise dos dados
Um banco de dados será criado pela plataforma Google Forms. Este será transferido para o software estatístico Stata, onde serão conduzidas as análises. Os dados serão apresentados através de frequências relativas e absolutas, assim como os respectivos intervalos de confiança.
A normalidade das variáveis numéricas será avaliada através de inspeção visual. Para análise dos desfechos numéricos, será utilizado o teste t, de student, e quando aplicável, análise de regressão linear. Para análise dos desfechos categóricos será utilizado o teste de qui-quadrado de Pearson, e quando aplicável, análise de regressão logística.

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se determinar os efeitos da prática de atividade física (antes, durante e depois do período de isolamento social), em variáveis de dor lombar e saúde mental. Hipotetiza-se que pessoas que praticam e iniciaram a praticar atividade física durante o período de isolamento social apresentarão menores frequências de dor lombar e depressão e ansiedade quando comparado aos insuficientemente ativos e em todos momentos e naqueles que deixaram de praticar durante o isolamento social.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AIRTON JOSE ROMBALDI1
EDUARDO LUCIA CAPUTO
FELIPE FOSSATI REICHERT1
IGOR RETZLAFF DORING
JAYNE SANTOS LEITE
MARCELO COZZENSA DA SILVA1
NATAN FETER

Página gerada em 07/08/2022 21:38:22 (consulta levou 0.115074s)