Nome do Projeto
Laboratório de Análise de Desempenho e Desenvolvimento de Estruturas e Materiais (LADDEM)
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
26/10/2020 - 25/10/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Engenharias
Eixo Temático (Principal - Afim)
Tecnologia e Produção / Trabalho
Linha de Extensão
Desenvolvimento tecnológico
Resumo
O fortalecimento da inovação no Brasil é fundamental para o desenvolvimento tecnológico em diversos setores da sociedade, principalmente daqueles considerados como termômetro para o desempenho econômico do país, embora a inovação ainda seja uma realidade bem distante da maioria das empresas nacionais. Parcerias entre empresas ou associações empresariais com as Universidades são mecanismos essenciais para arraigar a cultura da inovação nas empresas e na sociedade, de modo que o presente projeto se candidata a se tornar um elo para a transferência e validação de tecnologias e materiais para o setor produtivo. A metodologia vislumbrada inclui a prestação de consultorias e/ou assistências técnicas para as empresas que desejam inovar, no entanto carecem de infraestrutura e conhecimento técnico-científico para tanto, evoluindo, no futuro, para análise de desempenho dos materiais avançados desenvolvidos, e suas respectivas estruturas, bem como para a certificação correlata a partir da acreditação por sistemas nacionais correlatos.

Objetivo Geral

O objetivo deste projeto é constituir um laboratório que se torne um elo para a transferência e validação de novas tecnologias e materiais para o setor produtivo. Inicialmente, as ações serão concentradas no setor da construção civil, uma vez que a iniciativa parte de docentes do curso de Engenharia Civil da UFPel, para consultoria e assistência técnica às empresas que desejam inovar, no entanto carecem de infraestrutura e conhecimento técnico-científico suficientes para tanto. Decerto, vislumbra-se, na sequência, a expansão de tais atividades para outras áreas do conhecimento, de modo a ratificar a vocação para a interdisciplinaridade que embasa o Centro de Engenharias da UFPel. Espera-se, assim, dar origem a laboratório de excelência em âmbito nacional.

Justificativa

Pesquisa recente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que 83% das empresas no país precisarão inovar no pós-pandemia. Ainda, novos investimentos devem ser desengavetados em função da baixa nas taxas de juros ao menor nível já medido, tornando pouco atraentes as aplicações financeiras convencionais. Paralelamente, há amparo legal às empresas que inovam, a chamada Lei do Bem (Lei 11.196/05), que podem se beneficiar da redução de impostos para tanto, além da necessidade de aderir aos diferenciais da chamada Indústria 4.0. Nesse contexto, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) vem tornando perene alguns programas de incentivo ao empreendedorismo para criação de startups. A Universidade, naturalmente, é o maior celeiro para inovações e o presente projeto postula ser um interlocutor para traduzi-las ao mercado, dado que a maioria das empresas nacionais permanece à margem da inovação como fator competitivo. Previamente ao ingresso na UFPel, o coordenador deste projeto se dedicou a tal interlocução, tendo constituído spin-off para pesquisa e desenvolvimento em materiais, com transferência de tecnologia protegida por patente, formação de recursos humanos e interação com grupos de pesquisa de áreas diversas, incluindo a da saúde, para o fortalecimento da interdisciplinaridade com a engenharia, estreitando, inclusive, os vínculos com instituições estrangeiras para que as inovações resultassem inéditas não apenas no país, mas também no mundo. A intenção agora é colocar essa expertise ao dispor da UFPel para a consecução do objetivo geral supracitado, em consonância com a política vigente de inovação na instituição.

Metodologia

Grandes empresas do país já começam a criar seus laboratórios de inovação internamente, ao que se denomina in-house, visando gerar novos produtos, serviços ou guiar a reformulação de processos, a partir de melhorias que podem ser incrementais ou disruptivas. No entanto, esse modelo exige uma grande alocação de recursos financeiros e humanos, sendo mais comum aos negócios que lidam com transformação digital. Quando se trata da pequena empresa, em geral com dificuldades para imobilizar recursos financeiros para inovação, ou de empresas em setores mais abrangentes ou demandantes por certificação, como o da construção civil e o da saúde, o modelo de consultoria e/ou assistência técnica tende a ser o melhor caminho para agilizar e até mesmo viabilizar o processo. Eventualmente, qualquer empresa pode buscar uma perspectiva externa imparcial sobre inovação em relação à sua área de atuação, para a qual funciona bem o modelo proposto neste projeto unificado, de modo que o funcionamento interno da empresa e seus vícios não afetem o resultado dos projetos.
A metodologia aqui prevista para essa prestação de serviço, incumbida de ratificar a cultura da inovação nas empresas e na sociedade, prevê os seguintes passos: (i) imersão – identificar os elos da cadeia de suprimentos, bem como as necessidades e percepções dos usuários, buscando entender como o laboratório pode servir à empresa e aos seus funcionários da melhor forma; (ii) ideação – gerar possíveis cenários e soluções, culminando com a elaboração de um plano de ação; (iii) prototipagem – conduzir testes em escala reduzida e de baixo custo para avaliar ideias geradas na fase anterior, de modo a conhecer os elementos sensíveis à viabilidade econômica da(s) tecnologia(s) em análise; e (iv) implementação – acompanhamento da posta em marcha da(s) tecnologia(s) assistida(s) e monitoramento do(s) respectivo(s) advento(s) no mercado. Sempre que possível, as análises decorrentes da etapa de imersão ocorrerão por pares entre os docentes participantes do projeto e as caracterizações, necessárias à etapa de prototipagem, serão contratadas junto a outros laboratórios da UFPel, se disponíveis. O objeto dessa prestação de serviços está relacionado com aquilo que o MCTIC define como “materiais avançados”, cujo sucesso tornará possível: desenvolver novos produtos de base tecnológica; elevar a qualidade e a eficiência de produtos já disponíveis no mercado, agregando valor e reduzindo custos; gerar vantagens competitivas ao setor produtivo do país, ampliando rentabilidade e competitividade da indústria; elevar a segurança, confiabilidade e sustentabilidade ambiental; entre outros.
À medida que se logra êxito em tal missão, um ponto importante para garantir o advento das inovações no mercado é assegurar que o desempenho dos materiais e estruturas resultantes se mantenha dentro dos níveis desejáveis pelas normas vigentes. Nesse aspecto, à medida em que os recursos financeiros oriundos da prestação de serviços assim permitam, o reinvestimento em aparatos para a análise de desempenho de materiais e suas respectivas estruturas é imperativo para que esse aspecto tão sensível à consecução de excelência pelo laboratório seja garantido. Num primeiro momento, essa análise de desempenho privilegiará o setor da construção civil, o qual ainda enfrenta dificuldades para atender aos requisitos mínimos da NBR 15.575, vigente desde 2013, assim chamada de norma de desempenho da construção civil. Vale ressaltar a atual escassez de instituições que assumam tal papel na região Sul do Brasil, sendo que no Estado do Rio Grande do Sul, apenas a Unisinos se encontra acreditada junto ao SINAT (Sistema Nacional de Avaliação Técnica) para avaliações técnicas correlatas ao Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) que emite as certificações condizentes a NBR 15.575:2013. Na sequência, pretende-se expandir a atuação do laboratório a esse respeito a partir da filiação ao SIBRATEC (Sistema Brasileiro de Tecnologia), para prestação de serviços tecnológicos e, em adição a outros grupos congêneres da UFPel, como centro de inovação.

Indicadores, Metas e Resultados

Meta 1 – Organização do espaço físico e estrutura do laboratório. Resultados: espera-se reunir condições adequadas para prestação de consultorias e/ou assistências técnicas para transferência e validação de tecnologia em materiais avançados e suas estruturas, em adição às análises de desempenho no âmbito do laboratório. Indicador: laboratório instalado, a princípio, em acordo com o CEng, em local a ser definido no espaço da Rua Conde de Porto Alegre, 793;
Meta 2 – Credenciamento junto ao SINAT. Resultados: as atividades de consultoria e/ou assistência técnica previamente realizadas, junto com a estrutura física do laboratório, são condicionantes para o sucesso no credenciamento, o qual deve abrir portas para novas pesquisas e, eventualmente, a criação de um ambiente favorável à pós-graduação na respectiva área de conhecimento, principalmente na modalidade profissional, fortalecendo o tripé ensino-pesquisa-extensão. Indicador: habilitação para análise da concessão do DATec (Documento de Avaliação Técnica) e emissão de FAD (Ficha de Avaliação de Desempenho);
Meta 3 – Integração ao SIBRATEC. Resultados: a consecução das metas anteriores deve permitir a expansão das atividades a outras áreas do conhecimento, com alinhamento a outros grupos congêneres para criar um centro de inovação para materiais avançados e suas estruturas, de modo a habilitar a prestação de serviços tecnológicos subsidiados às empresas por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Indicador: pedidos de patentes e modelos de utilidades relativos a materiais avançados e suas estruturas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANGELA AZEVEDO DE AZEVEDO2
GUILHERME HOEHR TRINDADE2
HEBERT LUIS ROSSETTO3
JOÃO PEDRO ALMEIDA LOPES
Mayara Martins Spielmann da Silva

Página gerada em 22/03/2023 22:38:55 (consulta levou 0.071493s)