Nome do Projeto
Associação prospectiva entre consumo de açúcar e cárie na primeira infância
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
07/10/2020 - 28/02/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A cárie dentária é identificada como uma das doenças crônicas mais prevalentes na primeira infância no mundo todo. No Brasil, a prevalência de cárie dentária em crianças de 5 anos variou de 59% para 53% entre os anos de 2003 e 2010, respectivamente. Esses dados apontam para uma discreta diminuição da cárie dentária nos últimos anos, mas indicam que cárie dentária continua afetando mais da metade das crianças brasileiras. Dessa forma, a cárie dentária continua sendo um importante problema de saúde pública, que pode acarretar dor, prescrição repetida de antibióticos, perda de dentes, desnutrição, desenvolvimento infantil precário, baixa autoestima e menor frequência escolar. O mecanismo pelo qual a cárie dentária ocorre é baseado no processo de desmineralização dos tecidos dentários a partir da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos cariogênicos. O consumo excessivo de açúcar é um fator de risco comum a várias doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade, bem como para o desenvolvimento da cárie. Com relação à introdução do açúcar, padrões alimentares na infância, caracterizados por uma alta frequência de ingestão de alimentos e bebidas adoçados no primeiro ano de vida, estão associados à incidência de cárie na primeira infância. Sendo assim, o objetivo dessa tese de doutorado será avaliar o efeito do consumo de açúcar na ocorrência de cárie na primeira infância, utilizando os acompanhamentos de 3, 12, 24 e 48 meses da Coorte de Nascimentos em Pelotas (RS) no ano de 2015.

Objetivo Geral

Avaliar o efeito do consumo de açúcar na cárie na primeira infância utilizando os acompanhamentos de 3, 12, 24 e 48 meses da Coorte de Nascimentos de 2015, Pelotas-RS-Brasil.

Justificativa

A cárie dentária afeta mais de 600 milhões de crianças em todo o mundo, e permanece em grande parte sem tratamento (PITTS et al., 2019). A CPI, se não tratada, leva à dor e afeta negativamente a saúde geral, o crescimento e o desenvolvimento, e qualidade de vida das crianças, suas famílias e suas comunidades (TINANOFF et al., 2019). Por outro lado, a CPI geralmente requer tratamento restaurador extenso, extração de dentes decíduos, manutenção do espaço e, nos casos em que a criança ainda não coopera com o tratamento na cadeira odontológica, pode haver custos adicionais com o manejo do comportamento (TINANOFF et al., 2019). Dessa forma, as consequências da CPI causam impacto também na saúde pública (PHANTUMVANIT et al., 2018).
A realização deste trabalho se justifica no fato de que a taxação do açúcar tem sido defendida como uma política pública para o controle de diversas doenças, tais como diabetes, obesidade, mas também teria um efeito benéfico na redução da cárie. Deste modo, trabalhos que mostrem longitudinalmente a associação entre o consumo de açúcar e a ocorrência de cárie são essenciais para embasar a proposição de políticas públicas de taxação dos produtos contendo açúcar como estratégia populacional da redução de cárie e outras doenças crônicas não-transmissíveis.
Apesar da existência de extensa literatura sobre a relação entre consumo de açúcar e CPI, algumas lacunas ainda permanecem. A associação entre dieta alimentar envolvendo alimentos açucarados e a cárie dentária é bem documentada ao longo dos anos, principalmente através de estudos transversais. Entretanto, esse delineamento amplamente empregado apresenta importantes limitações, como a incapacidade de avaliação de temporalidade.
O consumo alimentar de açúcar tende a seguir um padrão desde a infância. Utilizar estudos de coorte permite explorar se as mudanças no padrão de consumo de açúcar têm um efeito na CPI. Por outro lado, os poucos estudos de coorte sobre essa temática apresentam limitações importantes, como ajuste inadequado para confundimento, falta de poder estatístico e perdas de seguimento. Na coorte de nascimentos de 2015 de Pelotas/RS também ocorreram algumas perdas por
acompanhamento, principalmente no exame bucal. Porém, a proporção de perdas foi consideravelmente menor do que em outros estudos sobre o tema.
Ademais, na coorte de nascimentos em Pelotas/RS no ano de 2015 essa associação ainda não foi avaliada. As coortes de nascimentos de Pelotas são uma das poucas coortes mundiais de base populacional que realizam exames de saúde bucal, sendo assim uma importante fonte de dados capazes de preencher as lacunas da literatura sobre o tema (PERES et al., 2020).
Nesse contexto, justifica-se a realização deste trabalho, o qual avaliará o efeito do consumo de açúcar na ocorrência de cárie dentária na primeira infância, utilizando dados da coorte de nascimentos de Pelotas de 2015.

Metodologia

Os procedimentos metodológicos utilizados para o desenvolvimento dos artigos que compõem esse projeto estão descritos a seguir. Para os artigos originais os dados serão provenientes dos acompanhamentos da coorte de nascimento de Pelotas/RS do ano de 2015. Por fim, será descrito o protocolo que será aplicado para a construção da revisão sistemática.

Indicadores, Metas e Resultados

Hipóteses

• A revisão sistemática da literatura demonstrará a associação entre o consumo de açúcar e a cárie na primeira infância.
• Haverá um aumento no consumo de açúcar em cada acompanhamento da Coorte de Nascimentos de 2015.
• A prevalência de cárie dentária aos 48 meses entre as crianças da Coorte de Nascimentos de 2015 será aproximadamente 35%.
• Será observada uma associação entre a trajetória do consumo de açúcar e cárie dentária na primeira infância na Coorte de Nascimentos de 2015.
• A maioria das crianças da coorte terá o açúcar introduzido na sua dieta aos 12 meses de idade.
• Existirá uma associação entre a introdução precoce do açúcar na alimentação infantil (antes dos 24 meses) e a ocorrência de cárie na primeira infância na Coorte de Nascimentos de 2015.

Artigos planejados

Artigo 1: Trajetórias do consumo de açúcar e cárie na primeira infância: Avaliação na Coorte de Nascimentos de 2015 de Pelotas/RS/Brasil.

Artigo 2: Idade da introdução alimentar do açúcar e cárie na primeira infância na Coorte de Nascimentos de 2015 de Pelotas/RS/Brasil.

Artigo 3: Consumo de açúcar e cárie na primeira infância: Uma revisão sistemática.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
FLAVIO FERNANDO DEMARCO1
HELENA SILVEIRA SCHUCH
MARIANA SILVEIRA ECHEVERRIA
MAXIMILIANO SERGIO CENCI1

Página gerada em 26/01/2021 18:21:50 (consulta levou 0.097853s)