Nome do Projeto
Núcleo de Estudos em Paleontologia e Estratigrafia - NEPALE
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/07/2021 - 30/06/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Exatas e da Terra
Eixo Temático (Principal - Afim)
Educação / Meio ambiente
Linha de Extensão
Divulgação científica e tecnológica
Resumo
A riqueza fossilífera no Rio Grande do Sul é registrada em rochas sedimentares de períodos distintos do Tempo Geológico. Neste sentido o projeto com ênfase em extensão “Núcleo de Estudos em Paleontologia e Estratigrafia” (NEPALE) foi pensado para que os estudos desenvolvidos no meio acadêmico pudessem ser divulgados através de oficinas, exposições, palestras, minicursos para a comunidade, além de participação dos membros em eventos científicos. Serão utilizados vários materiais que serão apresentados em escolas ou eventos locais e regionais, o que permitirá disseminar o conhecimento sobre a Paleontologia e a Estratigrafia na comunidade em geral. Dentro da universidade a existência de atividade extensionista através dos cursos Engenharia de Petróleo e Engenharia Geológica estabelece a divulgação e propicia interação entre cursos, que vislumbra estender a interrelação com outros que também estão diretamente relacionados ao entendimento de questões geoambientais. A relação direta e contínua com a comunidade poderá ser praticada a partir do momento em que o NEPALE, apoiado pelo DNIT e empresas ambientais locais, viabilize o processo de visitação da comunidade à Paleotoca Gilberto Azevedo de Azevedo. Pretende-se estabelecer no município a visitação orientada e conduzida por bolsistas de extensão, associadas a oficinas realizadas em escolas e em exposições onde a Paleontologia tem como destaque a Megafauna do extremo sul do estado e a Estratigrafia engloba os ambientes de sedimentação da região. Esse processo deverá ser viabilizado quando as condições sanitárias por conta da pandemia de COVID-19 permitirem. Uma ação regional relevante são as parcerias que se pretendem realizar com museus locais e regionais, o que permitirá levar a atividade extensionista à rede de ensino municipal de Pelotas e de cidades vizinhas. Com o viés estadual pretende-se fortalecer as relações existentes com as instituições parceiras, e firmar parcerias com outras IFES e/ou Instituições de Ensino Superior para propiciar a expansão e a atuação do projeto, no sentido de promover intercâmbio entre alunos nas atividades desenvolvidas pelo NEPALE.

Objetivo Geral

Promover a ampliação do conhecimento científico da paleontologia e da estratigrafia, associado aos conhecimentos de sedimentologia, e por consequência, uma grande parte dos conhecimentos de geologia. Estes conhecimentos estão diretamente relacionados às ciências ambientais e à educação ambiental. Pretende-se então difundir a paleontologia estratigráfica no meio acadêmico e na comunidade a qual a UFPel se insere, seus princípios, fundamentos, aplicações, técnicas de ensino e de pesquisa.

Justificativa

O indivíduo que conhece sua própria história, se apropria dos fatos e aumenta o desejo de preservá-lo, se transformando em um cidadão plenamente reconhecido e consciente de seu papel na sociedade. A paleontologia e a estratigrafia são ferramentas que favorecem essa percepção. Porém a divulgação da paleontologia e da estratigrafia na região de Pelotas é escassa. Portanto este projeto de extensão se justifica como um meio de conexão dos saberes produzidos pela universidade com o desejo de conhecimento da comunidade a qual se insere. Os resultados obtidos deste projeto irão preencher parte da lacuna de conhecimento geológico no extremo sul do estado por parte da população, bem como propiciar o desenvolvimento de pesquisas científicas nas áreas que engloba, tomando posse da inter relação da extensão, do ensino e da pesquisa. A partir de estudos do grupo do NEPALE na primeira edição do projeto a região de Pelotas foi inserida na rota das paleotocas no ano de 2016. Porém grande parte da comunidade pelotense ainda não tem conhecimento da sua existência, e os fósseis são ótimos produtos geológicos para a popularização da ciência. A reativação do projeto pretende, além de outras ações, se apropriar da paleotoca como uma ferramenta de divulgação da história paleontológica e estratigráfica da região, principalmente entre crianças do Ensino Básico de 1ª a 4ª série, utilizando-se da Paleontologia e da Geologia conforme indica o documento de Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais, de 2017. Ainda, o desenvolvimento do NEPALE na Instituição permitirá a interação com diferentes ferramentas e com pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, no âmbito intra e inter instituições de Ensino no RS e de outros lugares, podendo resultar na elaboração de novos produtos e projetos.

Metodologia

O Projeto com ênfase em extensão “Núcleo de Estudos em Paleontologia e Estratigrafia” (NEPALE) é caracterizado por distintas ações pertinentes à área e à população alvo a que se destina, as quais determinam a estratégia a ser adotada:
1) Ações envolvendo visita aos locais de interesse, coleta de amostras para estudo e exploração de dados estratigráficos e paleontológicos no RS, sobretudo nas bacias sedimentares de Pelotas e do Paraná, mas também em outras bacias sedimentares que o projeto possa abranger;
2) Atividade em laboratório, na qual é realizada a caracterização do material coletado, quais sejam as rochas e os fósseis provenientes das mesmas, coletados em campo, e seleção para a confecção de moldes e réplicas, e tombamento das peças;
3) Confecção de réplicas, moldes, cartazes, banners, livretos, e reconstituição de ambientes de sedimentação pretéritos do extremo sul, apresentados em oficinas, exposições e palestras;
4) Oficinas, palestras, minicursos, visita à paleotoca e atividades de incentivo acadêmico e social, envolvendo a comunidade em geral quanto aos estudos estratigráficos, paleontológicos, e compreensão da relação direta com o ambiente e com a sustentabilidade ambiental, muitas das vezes apresentando as rochas onde são encontrados, os ambientes de sedimentação, os moldes e réplicas dos fósseis coletados, ou as feições paleontológicas descritas em campo para a comunidade, seja ela a comunidade de alunos da rede de ensino fundamental, a comunidade acadêmica, e a própria população, em eventos como a Feira do Livro de Pelotas, a FENADOCE, ou outros eventos locais e regionais;
5) Pesquisa científica por meio de Iniciação Científica, voluntária ou com bolsa e de desenvolvimento de Trabalho de Conclusão de Curso;
6) Oferecer estágio para discentes;
7) Apresentação dos resultados obtidos na Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPel (SIIEPE), principalmente no Congresso de Extensão e Cultura (CEC), bem como em outros eventos científicos;
8) Promover, com a solidez do laboratório, parcerias com outras instituições, sejam museus locais ou regionais, e com pesquisadores de outras instituições de ensino superior.

Indicadores, Metas e Resultados

Resultados esperados:

- Tombar as amostras de rochas e fósseis do Laboratório de Paleontologia e Estratigrafia;
- Produzir um acervo de rochas sedimentares, réplicas, moldes, cartazes, banners, livretos, e reconstituição de ambientes de sedimentação próprios para as atividades de extensão;
- Inserir a atividade de visitação orientada à Paleotoca Gilberto Azevedo de Azevedo na rotina das escolas de Ensino Fundamental de Pelotas, de forma conduzida por bolsistas de extensão, assim como realizar oficinas em escolas e em exposições onde a Paleontologia tem como destaque a Megafauna do extremo sul, e a Estratigrafia tem como destaque o ambiente de sedimentação que se insere a região e suas fragilidades ambientais;
- Firmar parcerias com museus locais e regionais, bem como com a rede de ensino Municipal de Pelotas e até de municípios vizinhos;
- Firmar parcerias com outras IFES e/ou Instituições de Ensino Superior para propiciar a expansão e a atuação do projeto, no sentido de promover intercâmbio entre alunos nas atividades desenvolvidas pelo NEPALE;
- Atingir e fortalecer alguns dos Objetivos Estratégicos do Plano de Desenvolvimento Institucional da UFPel 2015-2020 que foi prorrogado para o ano de 2021, como: nº2. Desenvolver ações de forma articulada com a rede de educação básica visando qualificação e desenvolvimento mútuos, nº3. Incrementar e institucionalizar políticas de integração e intercâmbio com outras universidades e organizações, nº7. Produzir e disseminar conhecimentos culturais, científicos e tecnológicos, nº8. Assegurar o equilíbrio entre as ações do ensino, da pesquisa e da extensão, nº9. Intensificar as relações entre UFPel e sociedade, nº11. Qualificar a graduação e a pós-graduação, nº18. Atuar e comprometer-se com a formação da consciência socioambiental para a sustentabilidade.

Metas: despertar na comunidade da UFPel, nos alunos do Ensino Fundamental e nos moradores do município de Pelotas o interesse em conhecer a sua história geológica para compreender a importância da preservação de fósseis e, consequentemente, a importância da preservação ambiental.

Indicadores: serão mensurados pela qualidade e autonomia do engajamento dos alunos com a sociedade, e da sociedade com os projetos, por meio da aplicação de questionários ao final da participação do aluno e da comunidade.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANA CAROLINA BOTELHO POSTIGLIONE
ANA KARINA SCOMAZZON
ANNA PAULA MATTE
CACIO DOS SANTOS ALVES JUNIOR
CAMILE URBAN5
CAROLINE DOS SANTOS SAVEDRA
DIANA ROBERTS LOURENCO BARRETO
KAREN ADAMI RODRIGUES
MARI TEREZINHA VAHL MATTIES
RAFAELA AMORIM MOREIRA
SUZANA MARIA MORSCH4
VITORIA LIMA DA SILVA

Página gerada em 13/04/2024 07:24:42 (consulta levou 0.200870s)