Nome do Projeto
Medidas de proteção individual para a COVID-19 e o impacto social, econômico e no estilo de vida da população do Rio Grande do Sul: um acompanhamento telefônico
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
25/10/2020 - 31/10/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Este estudo tem como objetivo principal conhecer as medidas de proteção individual para infecções respiratórias que estão sendo adotadas em uma amostra da população gaúcha no período de pandemia e verificar a sua continuidade no período de 6 e 12 meses pós pandemia de COVID-19 Trata-se de um estudo longitudinal, que será realizado através de entrevistas telefônicas, em uma amostra probabilística da população de adultos (≥ 18 anos de idade) em cada uma das 18 cidades sedes de coordenadorias de saúde do Rio Grande do Sul no período de pandemia e pós pandemia de COVID-19. A metodologia empregada será semelhante à do sistema de Vigilância de Fatores de Risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) do Ministério da Saúde, o VIGITEL. A avaliação do conhecimento e da realização das medidas de proteção individual para prevenção do contágio de infecções respiratórias permitirá ações de educação em saúde voltadas a prevenção da disseminação dessas doenças, além de subsidiar a tomada de decisões para alocação de recursos e acesso a itens de proteção. Além disso, o estudo pretende avaliar o estilo de vida, saúde mental, nutricional e econômica amostra da população gaúcha no período de pandemia e pós pandemia de COVID-19 e esses resultados poderão apontar para “novos” modos de atenção, principalmente em relação a educação em saúde, mas também poderá auxiliar no aperfeiçoamento e inovação de tecnologias de atenção à saúde.

Objetivo Geral

Conhecer e monitorar, o perfil da realização das medidas de proteção individuais para o COVID-19 e o impacto da pandemia na saúde mental, estilo de vida, bem como nas características sociais e econômicas da população do Rio Grande do Sul é de extrema relevância para que o poder público possa planejar ações tanto no âmbito de saúde pública como da economia.

Justificativa

A avaliação do conhecimento da população gaúcha sobre as medidas de proteção individual para prevenção do contágio de infecções respiratórias permitirá a realização de ações de educação em saúde voltadas à prevenção da disseminação dessas doenças.

Metodologia

Delineamento do estudo
Trata-se de um estudo longitudinal, que será realizado através de entrevistas telefônicas, em uma amostra da população gaúcha, no período de pandemia e pós pandemia de COVID-19.
População-alvo e amostragem
A população-alvo do presente estudo compreende portadores de linhas de telefonia móvel, pertencentes às quatro áreas de DDD do Estado do Rio Grande do Sul (51, 53, 54 e 55).
Para seleção das linhas telefônicas que entrarão na amostra do estudo será criado um banco de números aleatórios aos quais serão acrescidos os referidos prefixos. Dessa forma, sabe-se que o telefone sorteado estará compreendido nesta Unidade Federativa do Brasil, entretanto, não há como garantir que cada região do Estado contribua com o mesmo número de respostas à pesquisa, haja vista a impossibilidade de aquisição dos registros telefônicos junto às operadoras de telefonia, o que garantiria representatividade regional (STF, 2020).
A definição do tamanho amostral final foi baseada em pesquisa anterior realizada no Estado do RS durante a pandemia de H1N1, no ano de 2009. De acordo com a amostragem da referida pesquisa, seriam necessárias 1094 entrevistas para se detectar uma diferença real na utilização de álcool gel entre homens e mulheres. Visando minimizar os efeitos das perdas de acompanhamento, características dos estudos longitudinais, serão realizadas o dobro de entrevistas (2188), acrescidas de 30% (656), para análises de associações ajustadas, totalizando uma amostra final de 2844 entrevistas a serem realizadas. Para o primeiro acompanhamento as ligações somente serão encerradas após atingir o número necessário, pois não será possível identificar o que foi perda, uma vez que os telefones serão construídos em um banco de números aleatórios o que não garante que sejam linhas existentes.
Tamanho da amostra
A amostra final do estudo compreenderá 2844 entrevistas, realizadas via telefone.
Critérios de inclusão
Serão incluídos no estudo portadores de linhas de telefonia móvel, com idade mínima de 18 anos, que aceitarem participar da pesquisa, mediante ligação telefônica.
Desfecho
Medidas de proteção individual para infecções respiratórias adotadas em amostra da população gaúcha no período de pandemia.

Variáveis de interesse
Além das questões sobre as medidas de proteção individual para a COVID-19, o questionário será composto por:
a) características demográficas e socioeconômicas dos indivíduos (idade, sexo, estado civil, raça/cor, nível de escolaridade, número de pessoas no domicílio e número de adultos);
b) características do padrão de alimentação e de atividade física (por exemplo: frequência do consumo de frutas e hortaliças e de refrigerantes e frequência e duração da prática de exercícios físicos e do hábito de assistir televisão);
c) frequência do consumo de cigarros e de bebidas alcoólicas;
d) autoavaliação do estado de saúde do entrevistado, referência a diagnóstico médico anterior de hipertensão arterial e diabetes e uso de medicamentos;
e) saúde mental (sintomas de ansiedade, sintomas de depressão e insônia);
f) características nutricionais (peso autorreferido antes do isolamento social, peso autorreferido atual e altura autorreferida) e
g) experiência de insegurança alimentar.
Operacionalização do desfecho e variáveis de interesse
A autoavaliação do estado de saúde do entrevistado será coletada com a seguinte questão: “Em geral, comparando com outras pessoas de sua idade, você diria que sua saúde é:” com as alternativas de resposta “excelente”, “muito boa”, “boa”, “regular” ou “ruim?”.
Para diagnóstico autorreferido de diabetes e hipertensão, a exemplo de outros inquéritos nacionais de saúde, serão utilizadas as seguintes questões, respectivamente: “Algum médico lhe disse que o(a) senhor(a) tem hipertensão (pressão alta)?” e “Algum médico lhe disse que o(a) senhor(a) tem diabetes (açúcar alto no sangue)?”, para ambas questões as alternativas de resposta são “não”, “sim” e “não sabe/não respondeu/não lembra”.
Serão considerados suficientemente ativos no lazer os indivíduos que realizarem exercício físico e/ou esporte em no mínimo cinco dias por semana durante 30 minutos por dia. A inatividade física no lazer será definida pela ausência de prática de qualquer exercício físico ou esporte nos últimos três meses.
As medidas de proteção serão avaliadas através de questões formuladas com base em uma cartilha, desenvolvida pelo Ministério da Saúde, que contém informações e orientações sobre a COVID-19. As variáveis englobam medidas de proteção individual, no domicílio e fora dele.
Os sintomas ansiosos serão avaliados através da escala Generalized Anxiety Disorder 7-item (GAD-7), os sintomas depressivos através da escala Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9) e a insônia através do Índice de Gravidade da Insônia.
A prevalência de tabagismo será considerada quando o indivíduo responder positivamente à questão “O(a) Sr(a). fuma?”, independentemente do número de cigarros, da frequência e da duração do hábito de fumar.
O consumo abusivo de álcool será considerado quando ocorrer a ingestão de cinco ou mais doses (homens) ou quatro ou mais doses (mulheres) em uma única ocasião, pelo menos uma vez nos 30 dias anteriores à entrevista. De acordo com o VIGITEL, uma dose de bebida alcoólica corresponde a uma lata de cerveja, uma taça de vinho ou uma dose de cachaça, uísque ou qualquer outra bebida alcoólica destilada.
Será considerada experiência de insegurança alimentar quando o sujeito responder positivamente a pelo menos uma das 5 questões, de acordo com a versão curta da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), validada por Santos et al., 2013.
Seleção e treinamento dos entrevistadores
A equipe será composta por 10 entrevistadores, dois supervisores e dois coordenadores. Os entrevistadores serão treinados por pesquisadores do Mestrado Profissional em Saúde no Ciclo Vital e do Programa de Pós Graduação em Saúde e Comportamento da UCPel.
Logística
As coletas de dados ocorrerão nos meses de junho e julho de 2020, a segunda etapa novembro e dezembro de 2020 e a terceira etapa abril e maio de 2021. Os entrevistadores, por meio de contato telefônico, farão a apresentação do estudo, seguida pelo consentimento oral, e posterior leitura do instrumento de coleta de dados aos sujeitos que consentirem em participar. O questionário será construído em um formulário eletrônico, de modo que durante as entrevistas telefônicas as perguntas são lidas diretamente na tela de um tablet e as respostas serão registradas direta e imediatamente em meio eletrônico.
Coleta e manejo dos dados
Os dados, coletados por meio de formulário eletrônico, serão exportados para planilhas do programa Microsoft Excel for Windows e, posteriormente realizada a análise dos dados.
Análise dos dados
A análise de dados será realizada por meio do pacote estatístico Stata versão 16.0, com descrição de prevalências e análises multivariáveis para investigar associações.
Aspectos éticos
O projeto será encaminhado ao Cômite de Ética em Pesquisa da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). O consentimento livre e esclarecido será obtido oralmente no momento do contato telefônico, será solicitado o e-mail dos participantes para o envio do termo e aqueles que não possuírem e-mail ou não souberem o endereço, serão orientados a solicitar a cópia no e-mail da pesquisa.
Riscos e benefícios
Por tratar-se de um inquérito telefônico os riscos são mínimos. Salienta-se, entretanto, que algumas perguntas possam trazer algum tipo de desconforto, bem como o tempo da entrevista, a depender da situação emocional e de vivências do entrevistado. Além disso, cabe destacar que o participante pode desistir da participação a qualquer momento da pesquisa, sem prejuízos.
A identificação da realização das medidas de proteção individual para infecções respiratórias que estão sendo adotadas durante a pandemia irá contribuir para o direcionamento das ações populacionais de prevenção, além de subsidiar a tomada de decisões para alocação de recursos e acesso a itens de proteção. Com este estudo pretende-se contribuir para um melhor conhecimento da saúde mental da população do sul do país, hipotetizando encontrar durante a pandemia uma prevalência elevada de sintomas ansiosos e depressivos, bem como alteração do padrão do sono, quando comparados ao período pós-pandemia.

Indicadores, Metas e Resultados

A identificação da realização das medidas de proteção individual para infecções respiratórias que estão sendo adotadas durante a pandemia irá contribuir para o direcionamento das ações populacionais de prevenção, além de subsidiar a tomada de decisões para alocação de recursos e acesso a itens de proteção.
Conhecer a manutenção das medidas de proteção individual para infecções respiratórias que estão sendo adotadas durante a pandemia, após o término do surto da doença, uma vez que as medidas são as mesmas que deveriam ser utilizadas para outras doenças respiratórias que são prevalentes no Rio Grande do Sul.
Com este estudo pretende-se contribuir para um melhor conhecimento da saúde mental da população do sul do país, hipotetizando encontrar durante a pandemia uma prevalência elevada de sintomas ansiosos e depressivos, bem como alteração do padrão do sono, quando comparados ao período pós-pandemia.
A presença de DCNT prévia estará associada a uma maior prevalência de COVID-19. Além disso, durante a pandemia, a população apresentará estilo de vida sedentário, com alimentação baseada em produtos não perecíveis, alimentos industrializados, com baixo consumo de frutas e verduras, refletindo a insegurança alimentar e o aumento de peso.
O conhecimento da ocorrência de DCNT e distúrbios/sintomas de saúde mental são extremamente relevantes para a organização e preparo do sistema de saúde, que precisa lidar com estes problemas em todos os níveis de atenção.
Os resultados encontrados poderão apontar para “novos” modos de atenção, com o aperfeiçoamento e inovação de tecnologias de atenção à saúde, como as teleconsultas, por exemplo, bem como o surgimento de novas estratégias de inovação na área.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
DANIEL SCHUCH DA SILVA
DENISE PETRUCCI GIGANTE
ELOISA PORCIÚNCULA DA SILVA
FERNANDA PEDROTTI MOREIRA
FERNANDO CELSO LOPES FERNANDES DE BARROS
GABRIELA KURZ DA CUNHA
JANAINA VIEIRA DOS SANTOS MOTTA1
JUVENAL SOARES DIAS DA COSTA1
LUISA JARDIM CORRÊA DE OLIVEIRA
Luciana de Avila Quevedo
MARIA CRISTINA GONZALEZ
MARIANA LUIZA WEIS
MOEMA NUDILEMON CHATKIN
Mariana Bonati de Matos
Marlon Pereira de Oliveira
THAMIRES LORENZET CUNHA SEUS

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
FAPERGS / Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado Rio Grande do SulR$ 99.985,00Coordenador

Plano de Aplicação de Despesas

DescriçãoValor
339036 - Outros Serviços de Terceiro - Pessoa FísicaR$ 68.800,00
339030 - Material de ConsumoR$ 9.585,00
339004 - Contratação por Tempo DeterminadoR$ 13.200,00
449052 - Equipamentos e Material PermanenteR$ 8.400,00

Página gerada em 18/04/2024 20:50:14 (consulta levou 0.169218s)