Nome do Projeto
EDUCAÇÃO ESCOLAR BILÍNGUE DE SURDOS: ANÁLISE DE PRÁTICAS INTERCULTURAIS
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/12/2021 - 29/12/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
O presente projeto caracteriza-se como uma pesquisa interinstitucional e volta-se para a educação escolar bilíngue e intercultural de surdos, privilegiando análises culturais a partir das contribuições dos Estudos Surdos e dos Estudos Culturais em Educação. Como objetivo geral, pretendemos compreender como vem se constituindo os modos de ser escola bilíngue, a partir das múltiplas relações interculturais presentes no cotidiano das escolas de surdos. Interessa-nos centrar a atenção nas práticas pedagógicas desenvolvidas na educação escolar bilíngue de surdos, a fim de problematizar relações interculturais presentes nesse cenário pedagógico e que permitam potencializar a criação de outros modos de pensar a escola. Consideramos que, nos espaços das escolas de surdos, alunos e professores são produtores e coautores dos artefatos e práticas com os quais se relacionam, constituindo jeitos de ser surdo, professor surdo, professor de surdo, produzindo modos de ser escola bilíngue. Metodologicamente a noção de discurso e narrativas é central para a análise do corpus empírico a ser investigado. Para cumprimento dos objetivos da pesquisa, estabelecemos diferentes momentos, quais sejam: (1) analisar as práticas pedagógicas produzidas na educação escolar bilíngue de surdos, com base no banco de dados da pesquisa “Produções Culturais Surdas no Contexto da Educação Bilíngue” (GIPES/CNPq), no período de 2015-2017; (2) problematizar relações interculturais no cenário pedagógico da educação bilíngue, a partir da organização de espaços de estudos e de extensão junto aos profissionais das escolas de surdos do RS.

Objetivo Geral

Geral: Compreender como vem se constituindo os modos de ser escola bilíngue, a partir das múltiplas relações interculturais presentes no cotidiano das escolas de surdos.
Específicos:
(a) Analisar práticas pedagógicas que vêm sendo desenvolvidas na educação escolar bilíngue de surdos.
(b) Problematizar relações interculturais no cenário pedagógico da educação bilíngue.
(c) Discutir a potencialidade da criação de outros modos de pensar a escola.

Justificativa

Nosso grupo de pesquisa tem larga trajetória de investigações e de ações de extensão e ensino no campo da educação de surdos na região de Pelotas e Rio Grande, com articulações orgânicas com outras universidades que compõem o GIPES - Grupo Interinstitucional de pesquisa em Educação de Surdos. A partir de pesquisas desenvolvidas anteriormente, voltadas mais especificamente para a investigação da educação escolar bilíngue e intercultural de surdos, o presente projeto pretende dar continuidade a esta temática, mas avançando nos objetivos, discussões e possíveis intervenções.
Este projeto de pesquisa se inscreve no campo dos Estudos Culturais em Educação e dos Estudos Surdos, os quais tomam a cultura como conceito central que perpassa tudo o que acontece em nossas vidas e as representações que fazemos desses acontecimentos. (HALL 1997, 2016). É importante destacar que os Estudos Surdos emergiram no Brasil vinculado aos Estudos Culturais em Educação e passaram discutir temáticas relacionadas à cultura, línguas e educação de surdos. Com base nesses campos, assume-se a dimensão intercultural como central na analítica empreendida. Trata-se de pensar numa perspectiva pedagógica, que potencialize as formas de como as diferentes culturas que ocupam o território escolar, desenvolvendo estratégias de relação e ação humana, de conhecimento e de comunicação. Nesse sentido, ao pensar as experiências culturais e linguísticas produzidas nos contextos das escolas de surdos, é possível colocar em movimento a ideia de uma “cooperação educativa intercultural”, que nas palavras de Fleuri (1998, p.53):

Trata-se portanto de um posicionamento de fundo que encara o conhecimento não numa perspectiva que enfatiza exclusivamente a especialização, mas privilegia a integração de áreas de conhecimento, de metodologias, de significados de saber, numa relação de saber e poder que procura superar a hierarquização entre saberes eruditos e populares, que busca uma relação orgânica entre os saberes acadêmicos e os contextos sociais concretos em que se exprimem e se veiculam.

A educação escolar bilíngue de surdos, temática da presente proposta de pesquisa, está baseada na investigação do ensino a surdos e no acesso à educação bilíngue, no contato com artefatos da cultura surda e no encontro com diferentes surdos. Nesse singular espaço escolar, cotidianamente (re)inventado, os significados culturais das comunidades surdas passam a ser negociados, no conjunto das relações de poder/saber, em contato com outras experiências culturais. Evidencia-se um ambiente de permanente negociação entre línguas e significados culturais. A língua de sinais é enunciada como primeira língua e de instrução, e a língua portuguesa, na modalidade escrita, é concebida como uma língua adicional. Para além disso, consideramos relevante retornar o olhar para as entrevistas, observações, documentos e para materiais que circulam e são consumidos na escola, atenta à interlocução ali estabelecida, e que nos sinaliza aprofundamentos profícuos.

Metodologia

O foco da pesquisa está em compreender como vem se constituindo os modos de ser escola bilíngue, a partir das múltiplas relações interculturais presentes no cotidiano das práticas pedagógicas de escolas de surdos. Pretendemos centrar a atenção nas práticas pedagógicas que vêm sendo desenvolvidas na educação escolar bilíngue de surdos, a fim de problematizar relações interculturais presentes nesse cenário pedagógico que permitam potencializar a criação de outros modos de pensar a escola. Para isso, metodologicamente a noção de discurso e narrativas é central para a análise do corpus empírico a ser investigado.
O investimento que pretendemos realizar é, a partir de uma análise das relações entre poder, saber e verdade, entender a produtividade estratégica organizada e estabelecida de um discurso atual que nos leva a ver e dizer formas particulares, tornadas como naturais e verdadeiras, sobre um objeto que não transcende a história, e sim, nela se estabelece e é fabricado.
Nesse contexto, o conceito de narrativas se alinha ao movimento metodológico empreendido neste estudo, pois a comunidade surda está plena de narrativas que circulam e produzem efeitos discursivos. Tanto as narrativas em textos escritos quanto as traduzidas ou produzidas em língua de sinais constroem imagens de ser surdo/ouvinte/implantado/deficiente auditivo, constituindo imagens da diferença, enfatizando alguns contornos identitários e borrando outros, fixando personagens, pondo em relevo algumas representações, borrando fronteiras, definindo grupos; enfim, estabelecendo práticas e traçando perfis.
Para cumprimento dos objetivos da pesquisa, estabelecemos diferentes momentos a partir dos enfoques almejados. Esses momentos não têm uma relação de temporalidade linear e podem ocorrer de modo sequencial ou simultâneo, tendo em vista a interinstitucionalidade que caracteriza este projeto.
A) Movimento metodológico da pesquisa – Análises de práticas pedagógicas produzidas na educação escolar bilíngue de surdos, com base no banco de dados da pesquisa “Produções Culturais Surdas no Contexto da Educação Bilíngue” (GIPES/CNPq), no período de 2015-2017.
Esse primeiro movimento da pesquisa busca desenvolver análises de práticas pedagógicas que vêm sendo produzidas na educação escolar bilíngue de surdos, contando com materiais armazenados no banco de dados da pesquisa “Produções Culturais Surdas no Contexto da Educação Bilíngue” (GIPES/CNPq), no período de 2015-2017. As escolas específicas de surdos que colaboraram nessa pesquisa somaram um total de treze escolas, assim distribuídas: quatro escolas na capital; quatro escolas da região metropolitana de Porto Alegre; e, cinco escolas do interior do estado, sendo elas das diferentes esferas: particular (quatro), pública estadual (quatro), e pública municipal (cinco).
O referido banco de dados concentra informações importantes para o projeto aqui proposto no que diz respeito aos discursos sobre a educação bilíngue nos espaços escolares para surdos.
No desenvolvimento das análises, não objetivamos fazer generalizações ou comparações entre os dados obtidos entre as diferentes instituições; importa perceber e discutir as regularidades discursivas, seus processos de produção e de dispersão, atentando para as práticas discursivas no cotidiano escolar.
B) Movimento metodológico da pesquisa: Problematizar relações interculturais no cenário pedagógico da educação bilíngue.
Em um movimento de aprofundamento teórico e alargamento de discussões, propomos a retomada das análises e materiais para problematizar as relações interculturais no cenário pedagógico. A realização de estudos ocorrerá com pesquisadoras e pesquisadores do GIPES, outros grupos de pesquisa, comunidade surda e comunidade escolar. Para isso, serão organizados Seminários Temáticos, leituras dirigidas, em conjunto com os Programas de Pós-Graduação das instituições parceiras da pesquisa. Nessa direção propõe-se, também, a organização do Fórum de Educação de Surdos (FEES) e o Colóquio de Grupos de Pesquisas em Educação de Surdos (COLPES). Entendemos que essa articulação das discussões com as instituições participantes da pesquisa, garantem a produção de conhecimentos na área e circulação de investigações. Nessa atmosfera de aprofundamento teórico nos parece que a noção de interculturalidade assume centralidade, portanto, interessa pensar essa noção aliançada aos conceitos de identidade, cultura, relações de poder e discurso.
C) Movimento metodológico da pesquisa: Discutir a potencialidade da criação de outros modos de pensar a escola, em uma perspectiva intercultural.
De posse das análises construídas e do aprofundamento de estudos na área de educação bilíngue e interculturalidade, pretendemos promover ações que potencializem a problematização e o fomento de políticas e práticas bilíngues e interculturais, que possam mobilizar ações no cotidiano da escola. Para esse fim, serão realizadas atividades de extensão, como cursos e oficinas promovidos pelas universidades proponentes da pesquisa, em parceria com a participação voluntária das escolas interessadas. A análise da dinâmica discursiva será realizada a partir do registro em um protocolo, organizado para atender aos objetivos desta pesquisa e que permitirá pensar a escola de surdos de outros modos.
Ao final do projeto, pretendemos propor a organização de um evento, marcando a participação do movimento surdo, de escolas de surdos e de universidades, a exemplo do que vem ocorrendo em projetos de pesquisa anteriores.

Indicadores, Metas e Resultados

No decorrer da pesquisa, algumas atividades serão desenvolvidas, ligadas não somente aos procedimentos metodológicos que buscam responder aos objetivos da investigação, mas também que podem impactar na comunidade educativa de abrangência da instituição em que se desenvolverá a pesquisa e para além dela. Serão elas:
(a) articulação da presente pesquisa com projetos internacionais, como o Spread the Sign - STS (www.spreadthesign.com) e o Spread Lessons (em andamento) com o objetivo de subsidiar as escolas com material didático, multilíngue (Línguas de Sinais, Inglês, Português) e em vídeo. Cabe uma breve explicação do projeto Spread the Sign - STS (www.spreadthesign.com) e o Spread Lessons (em andamento), pois o objetivo é divulgar as potencialidades de uso desses recursos tecnológicos.
O STS é um dicionário online internacional que, desde 2006, torna acessíveis as línguas de sinais de diversos países. Esse projeto pioneiro é o único dicionário com a característica de reunir várias línguas de sinais. O STS é coordenado por Thomas Lydell-Olsen e administrado pelo European Sign Language Center (ESLC). O ESLC é uma organização não-governamental e sem fins lucrativos que conta com a colaboração voluntária e parcerias de diferentes países para o desenvolvimento da documentação das línguas de sinais nacionais. No Brasil, o projeto vem sendo desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob a coordenação geral da professora Lodenir Karnopp, contando com a colaboração e parceria das Universidade Federais de Pelotas (UFPel) e Fluminense (UFF). Dessa forma, para o desenvolvimento desse dicionário, buscamos o apoio necessário em nosso próprio país, por meio de fomento em nossas instituições. O STS é uma ferramenta online e de uso livre, que pode ser acessado por meio do site spreadthesign.com ou pelo aplicativo Spread Signs. A consulta aos sinais no STS pode ser realizada por meio de digitação da palavra equivalente ao sinal que está sendo pesquisado ou por meio da escolha de palavras que fazem parte de um ‘grupo’ (sinais reunidos conforme um tema). Após a digitação da palavra ou seleção de uma palavra no grupo escolhido, na página, é apresentado o sinal em vídeo e bandeiras dos diferentes países que já disponibilizaram o sinal que está sendo pesquisado. Ao clicar nas bandeiras é possível selecionar e assistir à apresentação do termo lexical escolhido de acordo com a língua de sinais de cada país.
O Spread Lessons (SL) está sendo organizado e projetado pelo mesmo grupo de trabalho (ESLC) e visa a divulgação de materiais didáticos ao ensino de surdos, tornando tais materiais disponíveis em diferentes línguas de sinais e contemplando diferentes experiências pedagógicas de professores de surdos. A proposta é acompanharmos as reuniões internacionais e contribuirmos com os resultados da presente pesquisa para alimentar o site do Spread Lessons com as potencialidades encontradas nas escolas e na pesquisa que estamos propondo.
(b) realização de projetos de extensão e ensino com o objetivo de formação de professores e de pesquisadores, bem como a produção de conhecimento de modo articulado ao movimento surdo, e escolas de surdos.
(c) publicação de artigos e/ou livros (ou capítulos de livros);
(d) realização de orientações de dissertações, teses e iniciação científica;
(e) organização de eventos;
(e) divulgação da pesquisa em eventos.
A partir destas atividades esperamos dar visibilidade à presente pesquisa, bem como articular pesquisadores e trabalhos fomentando um trabalho coletivo e articulado entre universidades, escolas e movimento surdo.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANGELA NEDIANE DOS SANTOS4
DANIEL LOPES ROMEU2
IVANA GOMES DA SILVA2
JOSÉ FRANCISCO DURAN VIEIRA
MADALENA KLEIN16
RÚBIA DENISE ISLABÃO AIRES

Página gerada em 25/06/2022 17:06:37 (consulta levou 0.078662s)