Nome do Projeto
Simpósio “Consciência tem cor (ou mês?)”
Ênfase
Ensino
Data inicial - Data final
16/11/2020 - 30/01/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE calcula a população negra residente no Brasil somando pessoas autodeclaradas pardas e pretas. Em 2018, este cálculo resultou em 55,8% dos brasileiros. Após longos séculos de escravidão, sob condições sub-humanas e com a perda da identidade cultural, essa população ainda não recebeu a liberdade prometida, visto que ainda sofre amplamente com o racismo estrutural, fruto da perpetuação de uma consciência de inferiorização da pessoa negra. Isso, obviamente, afeta a saúde destas pessoas. Para enfrentar essa problemática, as instituições formadoras de profissionais de saúde precisam abordá-la em seus currículos e nos projetos de ensino, pesquisa e extensão. Este projeto visa atender a esse objetivo da formação acadêmica dos profissionais de saúde, oportunizando um espaço específico para o debate sobre os temas de saúde da população negra, pesquisas existentes a seu respeito, experiências de outras universidades, abordagem das especificidades das lesões dermatológicas na pele negra, reflexos do racismo estrutural na saúde mental e segurança alimentar e nutricional deste grupo populacional. Para isto, realizar-se-á um simpósio de dois dias, com sete palestras guiadas por profissionais com experiência em saúde da população negra, a fim de difundir esse conhecimento de modo interdisciplinar a estudantes, profissionais e leigos que necessitem dele para exercer suas funções e/ou até mesmo para uso pessoal.

Objetivo Geral

Difundir conhecimentos científicos sobre a influência do racismo estrutural na saúde da população negra, expondo fatores que levam a diferenças nos indicadores sob um recorte racial assim como analisando essa desigualdade dentro das suas diversas subáreas.

Justificativa

O racismo estrutural influencia em larga escala a saúde da população negra. Esse atua a partir de ações discriminatórias, da negligência, inaptidão dos gestores e profissionais da área e, somado a isso, têm-se ainda obstáculos no acesso aos serviços pela população negra. Dessa forma, seu resultado é a criação de uma barreira à promoção de saúde e ao cuidado adequado dessa parcela da população (PNSIPN, 2013).
Na grande maioria das escolas médicas, a ausência da discussão específica sobre a saúde desse público resulta em um ciclo pernicioso onde os futuros médicos não estão capacitados para atender às particularidades da população negra. Sendo assim, a inclusão desse tema nas grades curriculares apresenta potencial para melhorar os indicadores de saúde a longo prazo (BATISTA et al., 2013).
Consequentemente as produções científicas com foco na saúde da população negra tornam-se escassas. Visto que, a desagregação dos dados por cor é de extrema importância para identificação das patologias com maior prevalência dentro de cada etnia, possibilitando a formulação de políticas específicas que visem seu tratamento ou prevenção. (SANTOS et al, 2020)
A parcela infantil dessa população sofre largamente com o descaso proporcionado pelo racismo estrutural. De fato, essa apresenta os maiores números de óbitos por doenças nutricionais, endócrinas, metabólicas e infecciosas no país, causas que são altamente evitáveis através da oferta e promoção de saúde adequada (BRASIL, 2005). Essa discriminação atua em todas as áreas, a exemplo da educação: em 2010, 54% dos 57 milhões de crianças e adolescentes no Brasil eram negros; no entanto, neste mesmo ano, esses representavam 62% dos 530 mil jovens na faixa de 7 a 14 anos que estavam fora da escola (UNICEF, 2010).
Independente da forma que se expressa, a discriminação é danosa a qualquer indivíduo, não havendo correlações biológicas entre saúde mental e raça. Nesse contexto, sabe-se que o racismo é uma forma de discriminação presente em todas as esferas sociais. Sendo assim, há uma maior probabilidade de um brasileiro negro passar por um ato discriminatório do que um brasileiro branco, o que implica em uma sobrecarga em sua saúde mental. Não obstante, as produções e pesquisas nessa área atravessadas por um recorte étnico/racial ainda são escassas, ou a equivalência entre negros e brancos é desproporcional, impossibilitando generalizações. Desse modo, tornam-se necessários estudos maiores e mais estruturados sobre o tema. (DAMASCENO & ZANELLO, 2018)
Em paralelo, não só na área supracitada mas também em todas as outras, a medicina do ocidente baseia-se em parâmetros brancos, fato visto na criação de atlas, artigos, livros e na grande maioria das publicações. Isso resulta na insuficiência de informações acerca do corpo negro, como pode ser observado na dermatologia. A pouquíssima disponibilidade de imagens referentes à apresentação de patologias na pele escura dificulta a formação dos médicos e estudantes da área, para os quais é essencial que sejam conhecedores das diferentes formas que uma doença dermatológica pode apresentar-se nessa população, de modo a não diminuir a qualidade do atendimento.
Diante dos dados apresentados, se confirma os efeitos do racismo institucional dentro das unidades de saúde, necessitando adoção de medidas que visem uma melhor qualidade de vida para essa população, com estratégias voltadas para o cuidado, tratamento e prevenção de doenças. Nesse cenário, com a ideia de seguir o princípio de equidade do SUS, foi criado em 2006 pelo Ministério da Saúde a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN), a qual fornece uma série de recomendações com o intuito de desmantelar o racismo institucional e diminuir as dificuldades de acesso ao cuidado (Ministério da Saúde, 2013).

Metodologia

Este será um projeto com ênfase na integração dos diversos saberes acerca da saúde negra, sendo estes demonstrados por experientes professores, gerando a possibilidade de reflexão por parte dos participantes.
Para sua realização, inicialmente os coordenadores do projeto reuniram-se a fim de elencar os tópicos que seriam experienciados durante o evento. Estes tópicos foram obtidos através de discussões, que levaram ao questionamento do que ainda é pouco retratado quanto a saúde negra. Dessa forma, após a escolha destes temas, houve a necessidade de votação, decidindo os que possuem caráter mais compatível com o objetivo traçado.
Após o término da votação e com os assuntos traçados, os coordenadores irão ao encontro dos palestrantes, onde serão demonstradas as principais informações quanto a realização do evento, como objetivos, estrutura, entre outros. A partir de uma posição favorável, onde possamos compor o quórum de apresentadores, haverá a composição da divulgação e criação do evento nas plataformas e redes sociais.
Para sua realização, o projeto contará com a estrutura do site “Even3”, sendo este um facilitador do processo. Dessa forma, teremos o credenciamento e a obtenção das principais informações quanto aos participantes para a certificação.
O evento ocorrerá em dois dias, mais precisamente nos dias 26 e 27 de novembro e, para a sua realização, haverá a transmissão ao vivo, por meio da plataforma do site YouTube — sendo este o local onde ocorrerá a interação dos participantes com os palestrantes por meio do chat. Sendo assim, no primeiro dia de evento ocorrerão 3 apresentações e no segundo dia 4 apresentações, conforme os tópicos a seguir:

1.º Ciclo de palestras
a. O que é racismo estrutural?
b. Nutricídio e saúde da população negra
c. População negra e a Medicina: ausência nas grades curriculares e escassez de publicações bibliográficas

2.º Ciclo de palestras
a. Dermatologia para a pele negra
b. Saúde mental da população negra
c. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN)
d. Saúde da Criança e do Adolescente Negro no Brasil

Durante o evento, serão criados e disponibilizados formulários para a conferência da participação, com o check-in e check-out das palestras. Ademais, também serão integrados formulários para a avaliação do evento, trazendo por objetivo a estruturação de futuros projetos com melhorias.

Palestrantes

Fernando Junio Santos Silva (Confirmado)
Possui graduação em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e mestrado em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (2012). Atuou como historiador da Prefeitura Municipal de Ouro Preto no período entre Julho de 2013 e Janeiro de 2015. É professor de história da Prefeitura Municipal de Ouro Preto desde 2007. Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colonial. (Texto informado pelo autor)

Luana de Brito (Confirmada)
Graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Faz parte dos grupos de pesquisa Núcleo de Estudos Negros (NEN-SC), Teia de Articulação pelo Fortalecimento da Segurança Alimentar e Nutricional (TearSAN), Grupo de Pesquisas e Intervenções Sociedade, Educação e Desigualdades (SOCIEDUDES) e Grupo de Segurança Alimentar Quilombola - Escola de Enfermagem e Programa de Pós Graduação em Epidemiologia - UFRGS. Atua no Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN), Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) e Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) como representante da Rede de Mulheres Negras para Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (REDESSAN Mulheres Negras). (Texto informado pelo autor)

Miriam Cristiane Alves (Pendente)
Professora Adjunta do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Possui doutorado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2012), mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2005), Residência Integrada em Saúde Mental Coletiva pela Escola de Saúde Pública / RS - ESP/RS (2001/2002), graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2015) e graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2000). Tem experiência profissional na área de Gestão em Saúde Pública - foi Coordenadora Estadual da Saúde da População Negra da Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul - SES/RS (2012-2014). Atualmente coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas É'LÉÉKO - Agenciamentos Epistêmicos Antirracistas De(s)coloniais, do Curso de Psicologia da UFPel; é Conselheira do Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul - CRPRS, presidenta da Comissão de Psicoterapia e Processos Clínicos. Possui experiência acadêmica na área de Psicologia Social, Saúde Mental Coletiva e Psicologia e Relações Raciais, atuando com o Pensamento Crítico Descolonial Antirracista. (Texto informado pelo autor)
Luís Eduardo Batista


possui mestrado e doutorado em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002). Pós-doutorado pela Escola de Enfermagem da USP. Pesquisador Científico do Instituto de Saúde da SES-SP, foi coordenador da área técnica saúde da população negra da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo durante oito anos. Tem desenvolvido estudos sobre impacto do racismo na saúde, e sobre desigualdades raciais e saúde. Pertence ao grupo de pesquisadores que tem colaborado com a implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. Possui experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: populações em situação de vulnerabilidade, desigualdades raciais e saúde, gênero e raça/etnia. É líder do grupo de pesquisa Saúde da População Negra e Indígena do Instituto de Saúde e do Grupo de Pesquisa em Educação, Territórios Negros e Saúde da UFSCar. Integra o colegiado gestor do Grupo de Trabalho Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). (Texto informado pelo autor)

Indicadores, Metas e Resultados

1) Número de pessoas participantes/ nº de pessoas interessadas
2) Número de coordenadores envolvidos / nº de coordenadores interessados
3) Classificação do evento, utilizando-se da escala Likert

● Metas

Atingir 50 pessoas e obter ao menos 20% do público que seja de outros cursos além da Medicina.

● Resultados esperados

Que ao final do projeto os alunos saiam com bases mais estruturadas acerca das adversidades que a população negra enfrenta na saúde pública. Para que, dessa forma, estes possam iniciar um processo de transposição das barreiras existentes no cenário atual.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
Estephani de Almeida Vargas
ALANA CAROLINA ANDRADE DALLA COSTA
ALINE DOS SANTOS MENDES
AMANDA FERREIRA DE FREITAS
ANA LUIZA DUARTE PICH
ANDRIELE DE SOUZA SIMOES
ANGELA MOREIRA VITORIA8
BARBARA MARIA BRAGA ANTONIO
BARBARA MEDINA PERES
BRENO QUARESMA FRANCO RAMOS
BRUNA LEMPEK TRINDADE DUTRA
Beatriz Oliveira Blackman Machado
Bruna Cardoso Acunha
Bárbara Rejane Corrêa Ribeiro
CAMILA SANTOS XAVIER
CASSIA GABRIELA VINHOLES TESSMER
CLARA THOMAS ANDRADE
CLAUDILENE CASTRO DE LIMA
CLEITON EUDIS NUNES SILVA
Catharina Mello Barreto
DARA PEREIRA RODRIGUES
DAVI ISAC DA SILVA SANTANA
Djuly Pereira Rutz
EMMANUELE COELHO MACHADO
EVELIN MORAES LOPES
Elisa Lütz Saavedra
FERNANDA MACHADO PLAMER
GABRIEL DANIELLI QUINTANA
GABRIELA COTRIM DE SOUZA
GABRIELA MOREIRA DE ANDRADE
GABRIELA VAZ CASTRO
GIOVANNA SILVA RODRIGUES DE OLIVEIRA
GISELLE DOS SANTOS RADTKE DE OLIVEIRA
GUSTAVO FORNACHARI
Gabriela Martins Vieira
Giovanna Leticia Vasconcellos Isidoro
Graziela Fernanda Vasconcellos Isidoro
Heloisa Bortolozzo Silva
ISABELA BARREIRO AGOSTINI
ISABELA SANTIAGO ROSA PIZANI
ISADORA NASCIMENTO SAVI
Isabel Cristina Schwarzer Spies
JENIFFER DOS REIS FERNANDES
JOAO ANTONIO BOCK CABREIRA
JOAO GABRIEL FAYYAD SANTOS
JOAO PEDRO ANDRADE MANTOVANI E SILVA
JORDANA HERES DA COSTA
JUBER MATEUS ELLWANGER
JULIA CAROLINA DA CRUZ VIEIRA
JULIANA DA SILVA LACERDA
JULIANA MORAES LEAL
JULIE MARTINS DE SOUZA
Jamile Zampieri Fernandes
Juslaine Tonin
Júlia Caritá Casorla
KAREN TAINA PEREIRA GUIMARAES
Karen Rosana Pinto Gonçalves
Kellen Crizel da Rocha
LARA COELHO SIQUEIRA
LAURA DE AZEVEDO GRACIANO
LAUREN GIOVANA MEDEIROS GONCALVES
LEONARDO CHRISTIAN DA SILVA MAIA
LUAN SOARES DA SILVA
LUCAS OLIVEIRA ANDRE MAGALHAES
LUIS HENRIQUE OLIVEIRA DE MOURA
LUIZA DA SILVA SOUZA
LUIZE DA PORCIUNCULA CORREA
LYKA TOMINAGA
Luciano Angnes
MAIARA DE PAULA RODRIGUES
MARIELE MARQUES DA SILVA
MARINA ZANCHI PERSSON
MARLON DELEON DIAS DE OLIVEIRA
MATHEUS LINHARES NUNES SILVA
MILENA ANDRETTI PIANA
MILENE DOMINGUES AROCHA
MONICA SANTOS PRIMEIRA
MURILO PERTILE CAMPOS
Maria Elena Vizzotto
Maria de Jesus Santos Martins
Marília Madruga de Araújo
NADIA DA TRINDADE GOMES
NATALIA RODRIGUES FAGUNDES
NAUM JORGE
NAYANE KAVALKIEVICZ DE SOUZA DA SILVA
NICOLE BORBA RIOS BARROS
NICOLE CARDOZO CORREA
NINA ABRANTES LEMOS
Natali Melissa Furushio
Neli de Kemos
OLIVIA ABRANTES BORGES
Oriana Harumi de Lima Tanaka
PAMELA OLIVEIRA DA ROSA
PAOLA GONCALVES
PAULO ALEXANDRE BONOW
Priscila Consentins Torma Teixeira
Pâmela Espirito Santo Cardoso
RAFAELA OLIVEIRA MODESTO
RAFAELA ZORZOLLI MACEDO
RAYNA LICAZALIO RIBEIRO
RENATA GONCALVES DE OLIVEIRA
RICARDO NETTO GOULART
Rebeca Cristina Scardelai
Rebecca von Dannecker Andrade
SANDY DA ROSA COSTA
SHAIANE NUNES VAZ
STEFANI GONCALVES DOMINGUES
STEFANIE CAIPU VIEIRA
Shelen dos Reis da Silva
TAÍS ALVES FARIAS
THALES FILIPE DELMONICO AGUIAR
THIAGO TRIVELATO PORTO
Tamires Veiga Maciel
VERIDIANA SILVEIRA NUNES
VINICIUS KAISER QUEIROZ
VINICIUS MAIA SILVA
VITORIA BARBARA KLYMYSZYN
VITORIA PINHEIRO DE SOUZA
Vinicius Roberto Martins Bregadioli
Viviane Martins da Silva

Página gerada em 23/01/2022 16:18:16 (consulta levou 0.192131s)