Nome do Projeto
Avaliação do impacto da pandemia do novo coronavírus na saúde da pessoa idosa ativa de um município do Sul do Brasil
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
04/01/2021 - 31/12/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
No mundo, até o dia 01 de dezembro de 2020, foram confirmados 62.844.837 casos de COVID-19 e 1.465.144 mortes. No Brasil, segundo painel informativo do Ministério da Saúde para a mesma data havia 6.386.787 casos confirmados da doença e 173.817 óbitos. No estado do Rio Grande do Sul os registros oficiais apontaram 326.425 casos e 6.900 mortes e no município de Pelotas/RS havia 6721 casos e 179 óbitos. Os quadros clínicos mais complicados da COVID-19 ocorrem em geral em pessoas idosas, aumentando o risco de agravo com a elevação da idade, colocando os idosos como a parcela da população mais vulnerável para desenvolver a forma grave da doença. Neste contexto, a população idosa ganhou ênfase não só por fazer parte do grupo de risco para complicações advindas da infecção pela COVID-19 como também pelas possíveis consequências associadas às medidas de distanciamento social para mitigação da doença, principalmente quando se considera os idosos ativos que vivem na comunidade, que antes da pandemia desenvolviam atividades laborais, culturais, com inserção comunitária e representatividade social. Tem-se como objetivo deste estudo avaliar o impacto da pandemia do novo coronavírus na saúde da pessoa idosa ativa de um município do Sul do Brasil. Este estudo se configura como uma pesquisa de métodos mistos explanatória sequencial, serão desenvolvidos dois desenhos de estudo, cada um com suas configurações considerando seus pressupostos teóricos e metodológicos, sendo eles: Estudo quantitativo com delineamento transversal, e estudo qualitativo a partir da perspectiva crítico-interpretativa. O estudo será realizado em unidades básicas de saúde localizadas no Município de Pelotas, Rio Grande do Sul, no período de fevereiro a setembro de 2021. Quanto aos princípios éticos, será respeitada a Resolução nº. 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde. Além disso, será considerado o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem aprovado pela Resolução nº 564 (2017). Pretende-se com este estudo ampliar a produção cientifica sobre o impacto da pandemia da COVID-19 na saúde da pessoa idosa ativa para uma melhor compreensão deste processo no cenário brasileiro.

Objetivo Geral

Avaliar o impacto da pandemia do novo coronavírus na saúde da pessoa idosa ativa de um município do Sul do Brasil.

Justificativa

No contexto da pandemia, a população idosa ganhou ênfase não só por fazer parte do grupo de risco para complicações advindas da infecção pela COVID-19 (RUAN et al, 2020) como também pelas possíveis consequências associadas às medidas de distanciamento social para mitigação da doença. Embora haja um consenso mundial sobre o distanciamento social como uma das principais medidas para minimizar a disseminação da doença, já se identificam riscos à saúde principalmente no contexto dos idosos ativos, pois o isolamento implica em uma mudança significativa no cotidiano da população. Esta mudança corresponde a redução das atividades físicas (LAVIE et al, 2020), laborais e de lazer, fatores que podem contribuir para consequências negativas na vida destes idosos, como alterações psicológicas, de humor, agravamento de doenças preexistentes como diabetes e hipertensão (JIMÉNEZ-PAVÓN, CARBONELL-BAEZA, LAVIE, 2020).  Esta realidade vem sendo discutida no Japão desde março, pois muitos dos idosos que vivem na comunidade moram sozinhos. Desta forma a implementação das medidas de distanciamento social e a alteração nos fluxos de atendimento à saúde podem ampliar os riscos a complicações psicológicas e físicas. (KUWAHARA; KURODA; FUKUDA, 2020). Estudo de Aung et al (2020) também desenvolvido no Japão salienta outro aspecto relevante neste contexto de distanciamento, referente aos possíveis problemas à saúde motora dos idosos. Soma-se a isto a desvalorização dos idosos na sociedade, principalmente neste momento, uma vez que, o medo da contaminação, a desinformação associada a doença, a falta de rede de apoio e suporte social, a perda financeira, as mudanças nos padrões alimentares, as dificuldades de acesso digital, fatores que juntos potencializam a perda da autonomia e elevam a dependência dos idosos ativos (JIMÉNEZ-PAVÓN, CARBONELL-BAEZA, LAVIE, 2020; BROOKS et al, 2020; PETRETTO; PILI, 2020). Outro fator que contribui na fragilização dos idosos ativos é a reestruturação dos serviços de saúde para o enfrentamento da pandemia, principalmente no cenário da Atenção Primária, pois com o avanço dos casos no país foi necessário à reorganização dos fluxos de atendimento para minimizar a exposição da população e priorizar os casos acometidos pela COVID-19. Desta forma, grupos de convivência e consultas de rotina foram suspensas, o investimento foi no teleatendimento, e os idosos foram orientados a buscar os serviços apenas em casos de urgência e emergência com horários restritos e menor interação possível. Fato identificado também no estudo de Heid et al (2020) realizado nos Estados Unidos em que aproximadamente 70% dos idosos participantes responderam que cancelaram consultas médicas neste período e quase 50% suspendeu procedimentos cirúrgicos. Frente ao exposto e a realização de uma revisão de literatura sobre os idosos e a pandemia de COVID-19 se identificou a necessidade de se investigar o impacto da pandemia do novo coronavírus na saúde da população idosa ativa, sendo este grupo específico de pessoas apontadas como lacuna do conhecimento nas produções científicas e indicado como uma necessidade de pesquisas futuras (YAMADA, 2020; CALLOW et al, 2020; HEID et al, 2020; BEZERRA et al, 2020).

Metodologia

Este estudo configura-se como uma pesquisa de métodos mistos explanatória sequencial. A estratégia de método misto explanatória sequencial compreende a coleta e análise de dados quantitativos em uma primeira etapa de pesquisa, seguida de coleta e análise de dados qualitativos, desenvolvida sobre os resultados quantitativos iniciais (CRESWELL, 2010). Diante do apresentado, serão desenvolvidos dois desenhos de estudo, cada um com suas configurações considerando seus pressupostos teóricos e metodológicos, sendo eles: Estudo quantitativo com delineamento transversal, e estudo qualitativo a partir da perspectiva crítico-interpretativa.

Estudo Quantitativo: Trata-se de um estudo com delineamento transversal, em que farão parte 407 idosos (60 anos e mais) - conforme calculo amostral - residentes na cidade de Pelotas, cadastrados em grupos vinculados as Unidades Básicas de Saúde, antes do início da pandemia, da área urbana e rural. Como critérios de exclusão - serão excluídos os idosos que no período da coleta estiverem privados de liberdade por decisão judicial, forem residentes de Instituição de Longa Permanência e/ou estiverem hospitalizados. Para a coleta de dados será utilizado um questionário aplicado por telefone, por entrevistadores previamente capacitados. O período de coleta será de fevereiro a maio de 2021. O desfecho, impacto da pandemia do novo coronavírus, será avaliado a partir da aplicação das seguintes escalas: Escala de Depressão Geriátrica (EDG), Escala de Apoio Social (MOS), Escala de Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD), Short Form Health Survey 36 (SF 36). Os dados serão digitados duplamente por dois digitadores independentes no software Excel. As análises deste estudo serão realizadas no programa estatístico Stata 12. Na análise descritiva serão incluídos cálculos de percentuais e intervalos de confiança de 95% para variáveis categóricas e média, mediana e desvio-padrão para variáveis numéricas. Serão utilizados os testes do qui-quadrado para heterogeneidade, testes do qui-quadrado para tendência linear, teste t de student e ANOVA para análise bivariada entre as variáveis. Análises bruta e ajustada serão conduzidas conforme os diferentes desfechos a serem avaliados. Serão desenvolvidos modelos hierárquicos de análise para melhor entendimento das associações, definição de possíveis confundidores, mediadores e modificadores de efeito.

Estudo Qualitativo: a partir de uma perspectiva crítico-interpretativa. Esta abordagem de pesquisa será desenvolvida posterior à coleta de dados quantitativos. Justifica-se a escolha pela abordagem metodológica qualitativa porque ela permitirá compreender a dimensão subjetiva, neste caso, as experiências, sentido e práticas da pessoa idosa na pandemia do novo coronavírus. A definição dos participantes do estudo será realizada respeitando o conceito de amostragem teórica e intencional, por meio da objetividade da pesquisa (CHARMAZ, 2009), porém se for necessário à pesquisadora utilizará outras estratégias para a seleção, como por exemplo, a técnica bola de neve. Como critérios de inclusão dos idosos, serão considerados: ter 60 anos ou mais, ter participado de algum grupo na UBS (de hipertensão e diabetes, de convivência e/ou outros) cadastrados na SMS de Pelotas antes da pandemia, sendo considerados aproximadamente 50 idosos. Como técnica de produção de dados será utilizada a entrevista semiestruturada. Para a realização das entrevistas com os idosos, será utilizado um guia de perguntas para nortear e explorar suas experiências na pandemia do novo coronavírus. Todas as entrevistas serão realizadas pelas pesquisadoras, via chamada por telefone ou WhatsApp e ou conforme definido pelos participantes. Todas as entrevistas serão audiogravadas, virtualmente, por intermédio de tecnologia, até o cumprimento dos objetivos do estudo, estas serão realizadas entre os meses de julho e setembro de 2021. Em relação à organização e gerenciamento dos dados, será utilizado o programa Ethnograph V6. A análise dos dados seguirá a proposta de Janice Morse (2003), onde a análise ocorre através de quatro processos cognitivos: compreensão, sintetização, teorização e recontextualização. Quanto aos princípios éticos, será respeitada a Resolução nº. 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde do Ministério da Saúde, que trata da pesquisa envolvendo seres humanos. Além disso, será considerado o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem aprovado pela Resolução nº 564 (2017). Será realizada a submissão do presente projeto de pesquisa ao Núcleo de Educação Permanente do município (NUMESC) a fim de solicitar a carta de anuência e, posteriormente o projeto será cadastrado na Plataforma Brasil para análise do Comitê de Ética e Pesquisa. Quanto a coleta dos dados, estes serão coletados somente posterior a aprovação do Comitê de Ética. Com respeito à dignidade humana, a pesquisa será realizada após esclarecimentos dos objetivos, relevância e metodologia da pesquisa. Como será adotada a técnica de entrevista por via telefônica, para os idosos que concordarem em participar do estudo, será realizada a leitura e esclarecimento do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e será solicitado o consentimento verbal para participação na pesquisa. A pesquisadora responsável pelo estudo se responsabiliza pelo envio de uma cópia do TCLE por meios digitais (e-mail, WhatsApp) para todos os participantes entrevistados, caso estes não tenham meios digitais será entregue em seu endereço.

Indicadores, Metas e Resultados

a. Incremento da produção científica no campo da saúde sobre o impacto da pandemia da COVID-19 na saúde da pessoa idosa ativa para uma melhor compreensão deste processo no cenário brasileiro;

b. Submissão de artigos científicos em periódicos indexados, nacionais e internacionais, sobre o tema;

c. Produção de propostas de trabalhos de conclusão de curso resultantes da pesquisa;

d. Realização e apresentação de trabalhos de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso;

e. Elaborar impressos que subsidiem a realização da consulta de enfermagem para abordagem de pessoas idosas na atenção primária na pandemia do novo coronavírus.

f. Capacitação de estudantes de graduação e de pós-graduação, mediante Workshop e oficinas de capacitação, sobre a investigação quantitativa e qualitativa em saúde;

g. Entrevistas técnico-científica, por meio de programas de rádio, televisão, em jornal ou revista, para a divulgação do tema junto à comunidade, principalmente aos idosos;

h. Elaboração do Relatório de pesquisa ao Comitê de ética em Pesquisa, a Faculdade de Enfermagem e a Secretaria Municipal de Saúde.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALITEIA SANTIAGO DILELIO2
AMANDA XAVIER GERALDO
CAROLINE DE LEON LINCK4
DEBORAH SILVA NUNES
ESTEFANI VESSOZI RODRIGUES
JULIA PERES AVILA
JULIANA GRACIELA VESTENA ZILLMER2
LARISSA BIERHALS
LAURA MARISNAIDE FIUZA LEAL
LENICE DE CASTRO MUNIZ DE QUADROS2
MATHEUS DOS SANTOS RODRIGUES
MICHELE CRISTIENE NACHTIGALL BARBOZA2
RENATA GONCALVES DE OLIVEIRA
TASSIA RACKI VASCONCELOS
THALIANE VARELA PIRES

Página gerada em 17/09/2021 01:52:05 (consulta levou 0.652052s)