Nome do Projeto
ENSAIOS-COGNITIVOS-COLETIVOS: ESTÉTICA E ARTE RELACIONAIS
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
15/03/2021 - 15/03/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Resumo
Apresento como proposição para o projeto de pesquisa: Ensaios-cognitivos-coletivos: estética e arte relacionais, uma incursão teórica que repercuta sobre abordagens que coadunem perspectivas e aportes teóricos sobre experiência estética e pesquisa da/sobre/com a arte vigente. Ao ter isso em vista, pretendo realizar aqui uma reflexão não apenas a respeito das transformações que ocorreram junto ao sistema das artes, em diferentes períodos, momentos e escopos conceituais de diferentes épocas, mais especificamente daquilo que se produz no campo artístico e, sobretudo da reflexão sobre a arte atual. A investigação propõe-se a discutir as formas de apropriação das manifestações contemporâneas da arte – em especial aquelas que requerem a interação e os estados de troca humanos e que, não obstante constituem, no entendimento da presente proposta de projeto de pesquisa, conjuntos de sociabilidades – pela sua forma coletiva que se constitua desde grupos de pessoas. Entendo que a educação pela arte estimula o debate sobre as visões que podem ser elaboradas do mundo, que, mediadas pela arte, não se restrinjam a uma recuperação historiográfica de fenômenos artísticos eleitos, de artistas que possam condicionar a sua livre expressão e linguagens que apenas permitem a reprodução, de modo que se a demonstrar uma mera capacidade de execução de trabalhos com a experimentação da materialidade e técnicas artísticas. Esta proposta de ensino não visa, a rigor, propor metodologias sobre a experiência estética; pretende, isso sim, identificar, articular e problematizar diversos fatores que integram os processos de produção de conhecimento no campo do da arte e sobre os discursos que apontam outra direção conceitual, para uma possível aproximação com os enunciados presentes nos dispositivos da arte do presente, de forma a auxiliar na reflexão e aprimoramento sobre as pesquisas em torno da arte, a partir dos pressupostos da estética relacional, onde serão orientadas experimentações com enunciados de arte relacional e seus desdobramentos. Sendo assim, faz-se necessário refletir sobre as composições poéticas que emergiram desde a década de 1960, em que as ações humanas coletivas estabeleceram uma direção outra sobre o entendimento do estudo da forma, no universo da arte e na incorporação de outras referências coletivizadas, como elementos cruciais para a construção de outros processos artísticos deste mesmo tempo-lugar. O foco dessa proposição se concentra no entendimento das discursividades das poéticas de agora e dos significados em processo de constituição da arte contemporânea, que como sabemos inclui o público e confunde-se com a vida cotidiana. A linha norteadora desta proposição percorrerá assim territórios conceituais, cujos limites a serem apresentados permitem, de antemão, deduzir algumas hipóteses acerca do status desta proposta de ensino de graduação, visto que: a) as pesquisas educativas procuram acompanhar as transformações contextuais e seus agentes; b) todavia, nem sempre sistematizam as mesmas transformações e agentes, de modo a involuntariamente ocultar ou mesmo desconsiderar a postura questionadora do pesquisador no campo do ensino da arte; c) e, podendo, por fim, ampliar efetivamente.

Objetivo Geral

A presente proposta tem por objetivo principal discutir os enunciados da estética e da arte relacionais e as formas de sua apropriação e composição na arte vigente. Entrementes, o estudo proposto tem por objetivos específicos:

a) Investigar as experimentações poéticas que possuam em seus enunciados os princípios da estética relacional;
b) Refletir sobre as composições poéticas que possuam fluxos conceituais emergentes e suas aproximações aos pressupostos da estética relacional, para comporem discursos em torno da arte do presente;
c) Contribuir para a qualificação do debate em torno da formação discursiva, no que tange a aproximação da arte e da estética relacionais e, de suas discursividades, envolvendo os sujeitos que dele participam.

Justificativa

As relações humanas e suas ações junto à natureza constituem o centro temático pesquisado por um grande número de artistas, no decurso da produção de imagens. Essas imagens registram a maneira como o homem se insere, reflete e se projeta no universo sociocultural. Essa historiografia imagética representa um sistema dinâmico, usando elementos abstratos para viabilizar o recorte percebido por quem a concebe, dentro da cultura material. Aristóteles, tal como nos faz lembrar Jacques Aumont (1993, p.200), já dizia que as imagens são projeções mentais sensíveis concebidas pelo homem, resultantes de conexões sinestésicas que mediatizam o seu reconhecimento e a diferenciação de seus enunciados. Nesse sentido, indaga-se: como esse espaço-lugar latente das imagens e dos produtos culturais se articula com atributos e qualidades físicas dos produtos artísticos, de modo a permitir a produção de sentido a partir do contato humano? Isto é possível?
A presente proposta de investigação pretende, por um lado, discutir a estética relacional e os novos ensaios de sociabilidade que se anunciam no sistema das artes e nas propostas artísticas que estão para além da instituição, do lugar museal e das benesses sancionadas que o sistema elegeu hoje e, por outro, examinar em que medida alguns artistas propuseram seus dispositivos artísticos embasados na possibilidade de suas poéticas constituírem-se de ações humanas coletivas e eventuais.
A análise dos conteúdos da estética relacional associado às poéticas que se constituem como ensaios-cognitivos-coletivos, poderá contribuir para delinear estratégias que problematizem as matrizes discursivas modernistas – as quais se apresentam como instrumento desatualizado, em virtude das constantes transformações da produção artística – e, de igual modo, de sua cognição que, na atualidade, requer um diálogo próximo com os fenômenos sociais que guardam, requerem e até mesmo exigem representatividade e participação total dos sujeitos.
O interesse em problematizar a arte na e da atualidade se justifica em razão de abordagens sobre constituição discursiva da arte contemporânea que a contextualizem e aproximem seus conteúdos do cotidiano dos educandos.
É relevante priorizar o tempo histórico-social a que o educando pertence, convive e constrói, como estrutura essencial para o entendimento e reflexão deste mesmo momento em que o significado das coisas do mundo e da sociedade passa a ser o mediador da própria história do educando. Hernández considera a arte como uma forma construtiva, utilizada “[...] para que os indivíduos fixem as representações sobre si mesmo e sobre o mundo e sobre seus modos de pensar [a si mesmo]” (Hernández, 2000, p. 52), por meio de textos visuais que guardem significados procedentes dos espaços-lugares vivenciados pelo próprio educando, agente reflexivo-criador do seu tempo.
Todavia, é necessário problematizar as formas de produção e apresentação da arte contemporânea para um público que, não raro, a rejeita e a desconhece por não compreender seus conteúdos – o que, como bem sabemos, intensifica o seu distanciamento. O próprio sistema das artes, que avaliza essas produções e mantém preceitos de juízo e de valor, muito frequentemente equipara e não diferencia as mesmas do período que as antecedeu, o moderno.
O objeto de estudo dessa proposta investigativa apresenta-se, portanto, como de fundamental importância para a pesquisa e o ensino sobre arte, visto que: a) as pesquisas educativas acompanham as transformações contextuais e seus agentes; b) não sistematiza as mesmas transformações e agentes, ocultando ou desconsiderando a postura questionadora do pesquisador no campo das artes visuais e do ensino da arte sob uma perspectiva restrita e única; c) pode ampliar o cabedal reflexivo sobre a arte vigente, com suas efervescentes discursividades e seu ensino para a capacitação de jovens artistas em formação, educadores de arte, estudantes de arte e artistas emergentes, que viria a suprir esta lacuna.

Metodologia

Esse projeto de pesquisa consiste num estudo eminentemente teórico, sendo assim, perfaz-se por uma exploração bibliográfica, a qual requer o levantamento – e sua posterior análise – dos conteúdos, composição e tangências da estética relacional e de os dispositivos artísticos que dela originam-se. Os operadores teóricos a serem utilizados na análise dos materiais mencionados são: Nicolas Bourriaud, Jacques Rancière, Anne Cauquelin, Arthur Danto, entre outros.
A proposta de investigação define-se, então, como analítico-descritiva, em que serão investigados os conceitos, os procedimentos e as distinções e aproximações contextuais referentes aos enunciados presentes na composição de tipologias de arte que se apresentam com distinções formais compostas por grupos e ações humanas eventuais – e suas formas de articulação e síntese enquanto fenômeno artístico singular, se comparado com as linguagens formais puristas modernistas –, desde a perspectiva da Estética Relacional.
A materialidade da pesquisa será construída a partir do estado da arte tendo como fontes os repositórios e o banco de dissertações e teses da CAPES, bem como livros, artigos e trabalhos publicados dos últimos cinco anos, que abordem ou se aproximem da problemática de pesquisa.


Indicadores, Metas e Resultados

O produto final desta pesquisa será a redação de um artigo cientifico com encaminhamento para possível publicação em periódico que esteja vinculado a área de conhecimento da arte.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
LETÍCIA BECK FONSECA
MARIA JOANA MAYER DE MATTOS
NEIVA MARIA FONSECA BOHNS
PATRICIA CASTRO PEDROSO
RICARDO HENRIQUE AYRES ALVES
ROGERIO VANDERLEI DE LIMA TRINDADE4

Página gerada em 22/04/2024 22:50:02 (consulta levou 0.316056s)