Nome do Projeto
Caraterização de populações de Meloidogyne na cultura de arroz, hospedeiros alternativos a M. ottersoni e resistência em genótipos e cultivares de Oryza sativa
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
25/01/2021 - 02/01/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
A meloidoginose é uma doença de elevada importância econômica que se apresenta em regiões produtoras de arroz (Oryza sativa) no mundo. A doença é causada por espécies filiadas ao gênero Meloidogyne, conhecidos como nematoides das galhas. No Brasil a doença tem sido relacionada principalmente com a presença das espécies M. graminicola e M. oryzae, as quais tem sido responsáveis por ocasionar danos à cultura. Atualmente, outras espécies têm sido causa do impacto econômico nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina; tais como M. ottersoni que foi relatada recentemente no Brasil infestando arroz irrigado no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Embora existam relatos a respeito desta espécie, ainda são escassas as informações sobre a biologia da mesma, restringindo prescrições de manejo na cultura. Assim, objetivar-se-ão neste estudo (i) caracterizar quatro isolados (M. ottersoni, M. sp3 e dois isolados de M. graminicola) a nível bioquímico e duas regiões do genoma de M. ottersoni, provenientes da cultura do arroz na região do Rio Grande do Sul; (ii) identificar possíveis hospedeiros alternativos do parasita em apreço e, por fim, (iii) diferentes fontes de resistência ao nematoide.

Objetivo Geral

Caracterizar bioquimicamente quatro populações dos nematoides das galhas com o uso das isoenzimas, α-glicerofosfato deshidrogenasa, (α-GPDH), Glucose-6-fosfato desidrogenase (G6PDH), 6-fosfogluconato desidrogenase (6PGDH), Catalase, Fosfoglucomutase, Ácido fosfatase (AP) e Peroxidase; duas regiões mitocondriais; identificar hospedeiros alternativos e selecionar fontes de resistência quatro genotipos selvagens e cinco cultivares comercias para M. ottersoni.

Justificativa

Embora existam relatos da ocorrência da espécie M. ottersoni em lavouras de arroz irrigado no Brasil, são poucas as informações sobre sua distribuição e o manejo da praga na cultura

Metodologia

Em relação a diagnose, pesquisas prévias mostram a ausência do perfil esterase e que o perfil de MDH auxilia na identificação apenas a nível do gênero, será realizada a caracterização bioquímica das seguintes enzimas α-glicerofosfato deshidrogenasa, (α-GPDH), Glucose-6-fosfato desidrogenase (G6PDH), 6-fosfogluconato desidrogenase (6PGDH), Catalase, Fosfoglucomutase, Ácido fosfatase (AP) e Peroxidase, objetivando encontrar um fenótipo especifico. Em relação a estudos moleculares, as regiões a serem estudadas neste trabalho são a região Citocromo c oxidase subunit 1 (COI) e Citocromo b (CYTBF).

Experimentos serão desenvolvidos em casa de vegetação da Embrapa clima Temperado, Pelotas, RS. Serão avaliados (i) o nível de resistência de cinco cultivares de arroz e quatro genótipos de arroz selvagens inoculadas com M. ottersoni e nove espécies de plantas daninhas (Echinocloa helodes, Cyperus iria, C. difformis, C. rotundus, Aeschynomere denticulata, Leersia hexandra, Alternanthera philoxeroides, e Ludwigia longifólia).
A população de M. ottersoni utilizado neste experimento será obtido a partir de um isolado multiplicado em arroz.
Serão semeadas em bandejas contendo substrato comercial esterilizado. Após 15 dias da germinação, as plântulas serão transplantadas em vasos de plástico com capacidade para 5 L contendo solo esterilizado. Será colocada uma planta por vaso. As plantas serão inoculadas com 2000 exemplares.
Nematoides serão extraídos do sistema radicular de plantas de arroz previamente inoculadas (HUSSEY; BARKER 1973). Após a extração, será quantificado o número de indivíduos com auxílio da lâmina de Peters. Após dez días da inoculação, as plantas serão irrigadas com reposição sempre que necessário. O ensaio será realizado com quatro genótipos de arroz selvagens, O. longistaminata Chev. e Roehr, O. glaberrima Steud, O. glumaepatula L, O. alta e, os cultivares comercias IRGA 422CL, IRGA 431 CL, BRS A705, Pompeia Embrapa, e BRS pampa CL.



























Indicadores, Metas e Resultados

Obter a primeira reprodução do isolado de M. ottersoni a partir dos primeiros dois meses do início da multiplicação das plantas.
Caracterizar bioquimicamente a espécie de M. ottersoni e identificar a resistência genética com culturas não hospedeiras ou más hospedeiras, além de plantas daninhas associadas à cultura de arroz ao fim de 12 meses.
Padronizar a amplificação das duas regiões do DNA com a técnica PCR e posterior sequenciamento em um período no maior a 12 meses.
Realizar experimentos sobre patogenicidade do nematoide M. ottersoni e histopatología em plantas resistentes de genótipos selvagens e cultivares comerciais em um prazo de 24 meses.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CESAR BAUER GOMES
JERONIMO VIEIRA DE ARAUJO FILHO1
Kellyn Joselyn Andino Lopez

Página gerada em 07/08/2022 21:23:26 (consulta levou 0.074407s)