Nome do Projeto
Padrão de Uso de Antidepressivos e Ansiolíticos por Estudantes da Área da Saúde de uma Universidade Federal do Sul do Brasil
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
15/04/2021 - 31/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Atualmente, a alta prevalência de depressão e ansiedade, bem como o uso de medicamentos antidepressivos e ansiolíticos entre os estudantes de graduação é mundialmente conhecido. O objetivo principal deste estudo é descrever o padrão de uso destes medicamentos entre os acadêmicos da área da saúde da UFPel matriculados nos anos 2020 e 2021 através de um estudo quantitativo observacional do tipo transversal. Após consentimento, os participantes responderão um questionário padronizado de autopreenchimento adaptado com questões sobre características sociodemográficas, sinais e sintomas de depressão e ansiedade e sobre o uso de medicamentos antidepressivos e ansiolíticos. O risco aos participantes será mínimo uma vez que não haverá intervenção aplicada e estes poderão desistir de participar do estudo a qualquer momento que desejarem. Após análises estatísticas adequadas, os dados serão utilizados para originar trabalhos de conclusão de curso dos alunos do curso de Farmácia e outros cursos com posterior divulgação em congressos e artigos científicos.

Objetivo Geral

Avaliar o padrão de uso de antidepressivos e ansiolíticos entre os estudantes dos
cursos da saúde da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Justificativa

De acordo com a literatura sobre o tema, existe alta prevalência de uso de
antidepressivos e ansiolíticos entre estudantes universitários. A maior razão para a utilização destes medicamentos é o tratamento de ansiedade e depressão, patologias muito comuns entre os estudantes de graduação. Portanto, esse trabalho se justifica para fins de diagnóstico em saúde dos estudantes da área da saúde da UFPel.

Metodologia

Delineamento: Estudo quantitativo observacional do tipo transversal.
Sujeitos: Estudantes dos seguintes cursos da área da saúde (enfermagem, educação física,
farmácia, fisioterapia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, psicologia,
terapia ocupacional) da Universidade Federal de Pelotas que estejam matriculados na
instituição nos anos 2021 e 2022.
Critérios de Inclusão: Estar matriculado em curso da área da saúde da Universidade Federal
de Pelotas nos anos de 2021 e 2022 e possuir mais de 18 anos.
Critérios de exclusão: Não se aplica
Coleta de dados: Todos os dados serão coletados através de questionário acompanhado de
um termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). Os alunos que aceitarem o TCLE,
poderão preencher o questionário com questões objetivas que será disponibilizado através
da plataforma “on line” Google Forms pelo link:
https://docs.google.com/forms/d/1Axsnvs3OUWJvbjh0nlYqqddjpydB41OxK1SxCwZgmVs/pr
efill. Os colegiados dos cursos de graduação supracitados serão informados sobre o interesse
de inclusão de seus respectivos cursos no estudo. Após a concordância dessa instância, o
questionário será divulgado para os alunos através da plataforma cobalto com a ajuda destes
colegiados.
Cálculo do tamanho da amostra:
Considerando a população de estudantes da área da saúde da UFPel de 4086 alunos
(Enfermagem: 505 alunos; Educação física: 220 (Licenciatura Integral), 121 (licenciatura
noturna), 238 (Bacharelado) alunos; Farmácia: 248 alunos; Fisioterapia: 46 alunos; Medicina:
650 alunos; Medicina Veterinária: 609 (Bacharelado Regular) e 102 (Bacharelado Turma
Especial- Incra) alunos; Nutrição: 438 alunos; Odontologia: 473 alunos; Psicologia: 274
alunos; e Terapia ocupacional: 162 alunos) para 95% de confiança com 3% de margem de
erro, a amostra total necessária é de 790. Abaixo estão descritas as amostras por curso afim
de garantir a representatividade: ENFERMAGEM: 100; ED FISICA: 115; FARMACIA: 46;
FISIOTERAPIA: 9; MEDICINA: 130; MEDICINA VETERINARIA: 110; NUTRIÇAO: 95;
ODONTOLOGIA: 98; PSICOLOGIA: 49; TERAPIA OCUPACIONAL: 38.
Variáveis do estudo:
Variáveis sócio-demográficas: O questionário irá conter perguntas sobre informações
sociais e demográficas do aluno, como por exemplo, idade, sexo, cor da pele se mora sozinho
ou com familiares/amigos, se alguma vez já foi diagnosticado com depressão e/ou ansiedade.
Variáveis sobre graduação e desempenho acadêmico: O questionário irá conter
perguntas relacionadas com a graduação, tais como qual o curso, qual o semestre atual, se
já pensou em desistir e/ou trocar de curso e se o aluno se mudou para Pelotas para cursar a
graduação. Além das informações sobre a graduação, o participante também será
questionado sobre seu desempenho acadêmico por meio de perguntas sobre exames e
reprovações (se já aconteceram ao longo da graduação e quantas vezes).
Escala de depressão de Beck: O inventário de depressão de Beck é uma ferramenta de
auto-avaliação de depressão que é amplamente utilizada em pesquisas e em clínica. Esse
questionário contém 21 itens que incluem sintomas e comportamentos depressivos onde a
intensidade varia de 0 a 3. O itens abordam tristeza, pessimismo, sensação de fracasso, falta
de satisfação, sensação de culpa, sensação de punição, autodepreciação, autoacusações,
ideias suicidas, crises de choro, irritabilidade, isolamento social, indecisão,
distorção da imagem corporal, inibição para o trabalho, distúrbio do sono, fadiga, perda de
apetite, perda de peso, preocupação, diminuição de libido (Beck et al., 1988).
Escala de ansiedade de Beck: O inventário de ansiedade de Beck é utilizado para medir a
intensidade dos sintomas de ansiedade. Esse questionário contém 21 itens que possuem
uma variável de intensidade em 4 níveis (0- ausente, 1- leve, 2- moderado e 4-severo). Os
itens abordam sentimentos ou sintomas como dormência ou formigamento, sensação de
calor, tremor nas pernas, incapacidade de relaxar, medo de acontecimentos ruins, confusão
ou delírios, taquicardia, insegurança, apavorado, nervoso, sensação de sufocamento, tremor
nas mãos, trêmulo, medo de perder o controle, dificuldade de respirar, medo de morrer,
assustado, indigestão, desmaios, rubor facial e sudorese (Beck et al., 1988).
Uso de medicamentos: No questionário será perguntado aos alunos se utilizam algum
medicamento para o tratamento de depressão e/ou ansiedade, em qual dosagem, se sentem
efeitos adversos e se acham que o medicamento ajudou na performance acadêmica. Além
disso, os alunos também serão questionados se fazem algum acompanhamento médico e se
fazem o uso de alguma substância como álcool, nicotina e/ou remédios controlados.
Ao final do questionário, será divulgado o contato da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis
(PRAE) da UFPel, no caso do participante sentir a necessidade de ser atendido em
decorrência de sua participação no estudo.
Análise dos dados: Os dados serão colocados no programa EpiData 3.1, duas vezes por
digitadores distintos. Será utilizado o pacote estatístico Stata 11.2 para realizar a limpeza e
análise do banco de dados. Serão apresentadas as frequências absoluta e relativa dos dados,
e as variáveis numéricas por desvio-padrão (DP). A prevalência do uso de antidepressivos e
ansiolíticos será reportado o intervalo de confiança de 95% (IC95%). O Teste Exato de Fisher
será utilizado para as análises bivariadas entre o uso dos medicamentos. O nível de
significância estatístico empregado será de 5% para testes bicaudais.

Indicadores, Metas e Resultados

A principal meta deste projeto é auxiliar no esclarecimento sobre o perfil de uso de
antidepressivos e ansiolíticos entre os acadêmicos dos cursos da área da saúde da UFPel.
Após a obtenção e análise dos dados, o grupo de pesquisa visa divulgar esse estudo entre
os discentes da universidade e realizar uma ação de conscientização sobre os possíveis
riscos e toxicidade perante o uso destes medicamentos e suas associações com outras
substâncias (psicoestimulantes/álcool/nicotina). Cada curso analisado dará origem a um
trabalho de conclusão de curso de alunos formandos do curso de Farmácia e posteriormente,
pelo menos 2 artigos científicos para publicação em revistas indexadas.


De acordo com a literatura sobre o tema, existe alta prevalência de uso de
antidepressivos e ansiolíticos entre estudantes universitários que varia entre 10-34% e 9-
23%, respectivamente. Acredita-se que a prevalência encontrada fique muito próxima à da
literatura. Além disso, a maior razão para a utilização destes medicamentos é o tratamento
de ansiedade e depressão, patologias muito comuns entre os estudantes de graduação.
Espera-se que este projeto dê origem a Trabalhos de Conclusão de Curso dos acadêmicos
do Curso de Farmácia, assim como apresentações de resultados parciais em congressos e
pelo menos duas publicações de artigos científicos em revistas indexadas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE MULLER DOSTATNI
CID PINHEIRO FARIAS
GIANA DE PAULA COGNATO3
JULIANA BIDONE3
JULIANE FERNANDES MONKS DA SILVA2
MARYSABEL PINTO TELIS SILVEIRA2
MATHEUS BECK MACIEL
NATALIE DA SILVA DUMMER
PAULO MAXIMILIANO CORREA2
VILSIMARA ALMEIDA KWIATKOWSKI

Página gerada em 02/12/2021 00:06:12 (consulta levou 0.261773s)