Nome do Projeto
Cinematografias periféricas – estéticas e contextos não hegemônicos
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
26/03/2021 - 26/03/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Resumo
Organização e publicação de livro sobre Cinematografias Periféricas, a fim de registar uma trajetória profissional dedicada ao tema e, ao mesmo tempo, contribuir para a bibliografia da disciplina “Cinematografias Periféricas”, ministrada pela pesquisadora, que conta com raros referencias teóricos no Brasil.

Objetivo Geral

Organizar e publicar livro denominado "Cinematografias periféricas – estéticas e contextos não hegemônicos" (título provisório) com o objetivo de contribuir para o referencial teórico deste campo de estudos e, com isto, agregar à disciplina Cinematografias Periféricas, do curso de Cinema e Audiovisual da UFPel, mais material bibliográfico.

Justificativa

O campo de estudos de cinemas periféricos, ou seja, a cinematografia não hegemônica, é ainda pouco desenvolvido no Brasil.
O livro deve reunir textos sob este guarda-chuva denominado cinemas periféricos ou cinematografias periféricas. O livro sustenta-se em dois entendimentos básicos sobre o conceito, mesmo que persista uma espécie de flutuação de definições.
Primeiro, a circunstância geográfica, que localiza este cinema fora dos grandes centros produtores. Ou seja, todos os países que não detêm a hegemonia da produção, estariam neste grupo, portanto, Estados Unidos e parte da Europa ficariam fora. Mas são várias as Europas, no sentido geográfico, econômico e etnográfico. Nem toda Europa produz de modo sistemático, nem todos os países europeus têm garantidos seus lançamentos nem dentro, nem além de suas fronteiras. Então, é preciso examinar caso a caso, mas em uma primeira visada, produções francesas, inglesas, italianas e espanholas, ficam afastadas desta discussão, muito embora os espanhóis, por exemplo, possam se ver como periféricos diante da esmagadora presença do cinema norte-americano em suas salas. Situação que vem ocorrendo também na Rússia, que não seria periférica do ponto de vista deles mesmos, mas considerando a sua pouca distribuição hoje no mundo está à margem. Temos mais acesso aos filmes da era soviética em função de mostras, do que do cinema russo contemporâneo, salvo diretores habitués nos festivais.
Assim, é preciso que entendamos também que a ideia de ser periférico depende de onde estamos falando. Periférico para quem? Um cinema à margem – não necessariamente marginal – precisa ser visto do topo, para melhor enxergarmos os limites desta periferia.
O segundo entendimento é o do estilo de linguagem, de narrativa e de estética. No primeiro bloco do livro, Apontamentos Teóricos, no artigo “As cinematografias periféricas e o international style”, tomarei emprestada expressão usada pelo crítico argentino Roger Koza ao chamar a atenção para uma caraterística de certos filmes. Filmes que, por serem exibidos em festivais em que o world cinema é a tônica, acabam sendo empacotados como o da espécie “filme de arte”. Daí para ser periférico, é um passo. A propósito, este assunto deverá ser tratado no mesmo bloco, em “As cinematografias periféricas e a Mostra de São Paulo”, especialmente nas ponderações de Dudley Andrew sobre cinema de arte.
Os textos que devem compor o item Apontamentos Teóricos de alguma forma farão o esforço de compreender o que seriam as cinematografias periféricas e suas variações irão semânticas, fazendo uma aproximação mais especulativa e explorando autores sobre o tema. Também será destacada a valorização da experiência dos festivais, considerando que a maioria esmagadora dos filmes de origem não hegemônica têm sua divulgação em festivais de cinema. No Brasil, a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo é sua maior expressão quantitativa e qualitativa, onde a curadoria por si só já define perfis de periferia. Em todas as abordagens dos artigos publicados e dos inéditos, o contexto de produção dos filmes ganha relevância.
Oferecer o olhar de uma brasileira, crítica de cinema e professora da área e pesquisadora, irá contribuir por uma expansão do entendimento do que representa o próprio cinema brasileiro no cenário mundial.


Metodologia

Seguindo metodologia de outros livros que organizei (Bernardet 80 – impacto e influência no cinema brasileiro [ed. Paco, 2017], e “Ismail Xavier – um pensador do cinema brasileiro” [Sesc, 2019]), no processo de construção será buscado um conceito para nortear a seleção dos textos publicados por mim ao longo de 30 anos como crítica de cinema e pesquisadora. Este conceito trará um eixo temático principal baseado em incipiente teoria de “cinemas periféricos” e “world cinema”. Um empenhado texto introdutório recuperará as teorias e seus autores trabalhados na disciplina Cinematografias Periféricas, que ministro no curso de Cinema e Audiovisual da UFPel há 10 anos. A metodologia de seleção e de abordagem dos textos inéditos envolve a valorização do conhecimento in loco dos países dos respectivos filmes analisados, que permite uma contextualização sócio-econômico-cultural dos mesmos.

Indicadores, Metas e Resultados

Com mais de 100 artigos publicados ao longo de 30 anos, em diferentes veículos sobre o tema, o material a fazer parte da coletânea é extenso e rico para ser trabalhado.
Pretende-se uma seleção que represente o conceito de cinemas periféricos;
Pretende-se o aceite da pesquisadora professora de Estudos Brasileiros na Universidade de Leeds, no Reino Unido, Stephanie Dennison para fazer a apresentação;
Pretende-se o aceite da diretora da Mostra Internacional de São Paulo para o prefácio;
Pretende-se conseguir uma editora de alcance nacional para assumir a publicação;
Pretende-se realizar uma distribuição e divulgação do livro no âmbito do Forcine (Fórum Brasileiro de Ensino de Cinema e Audiovisual) junto aos professores dos mais de 80 cursos da área do Brasil.
Espera-se incorporar o livro na Bibliografia da disciplina Cinematografias Periféricas da UFPel e contribuir para o referencial teórico deste campo não só no universo acadêmico, como também na crítica de cinema.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ARTHUR IVAN GADELHA VILHENA
IVONETE MEDIANEIRA PINTO2

Página gerada em 05/03/2024 07:30:01 (consulta levou 0.134495s)