Nome do Projeto
Aleitamento materno: percepção de mulheres acerca do conteúdo veiculado por propagandas e campanhas de 1921 até a atualidade
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
03/05/2021 - 01/08/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A fabricação de fórmulas substitutas ao leite materno teve início na perspectiva de uma tecnologia que poderia modificar a expectativa de vida dos recém-nascidos prematuros e, também, para situações que contraindicassem o leite materno, como é o caso das mães infectadas com o vírus da imunodeficiência humana ou em uso de medicamentos quimioterápicos (RÊGO; PEREIRA-DA-SILVA; FERREIRA, 2018). Dessa forma, o seu consumo era delimitado a uma pequena parcela da população, sendo insuficiente para manter a sua fabricação e comercialização pelas empresas. Como forma de expandir o consumo e a lucratividade das fórmulas substitutas ao leite materno, as empresas promoveram diversas campanhas e propagandas destacando qualidades ilusórias acerca do seu produto, entre elas: o leite artificial promove maior saciedade, tem a quantidade de vitaminas e minerais essenciais ao bebê, além de auxiliar no crescimento (LIMA et al., 2019). Essas, também contribuíram para a disseminação de informações inverídicas sobre a amamentação, promovendo a construção de crenças errôneas, como a existência de leite materno fraco e incompleto; que culminaram no declínio das taxas de amamentação, principalmente nas décadas de 60 e 70 (GOMES et al., 2016). Os impactos negativos desse declínio foram observados na saúde materna e no aumento significativo dos índices de morbimortalidade infantil; assim mobilizando os órgãos internacionais e nacionais na tentativa de promover e proteger o aleitamento materno (PIVETTA et al., 2018). No entanto, mesmo com a mobilização e iniciativas promovidas, ainda hoje muitas empresas investem em propagandas que desestabilizam as famílias e promovem o consumo de fórmulas substitutivas ao leite materno de maneira equivocada. Buscando desmistificar as crenças que cercam a amamentação, o Ministério da Saúde (MS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) vêm promovendo campanhas e propagandas anualmente (LIMA et al., 2019).

Objetivo Geral

Conhecer a percepção de mulheres, que participam de grupos presenciais e virtuais, acerca do conteúdo veiculado por propagandas e campanhas, de 1921 até a atualidade, que envolvem a temática amamentação.

Justificativa

1) Descrever a percepção das mulheres acerca das propagandas e campanhas que envolvem a temática de aleitamento materno;

2) Identificar, no contexto atual, o potencial das campanhas que envolvem a temática de aleitamento materno para a proteção do mesmo;

3) Explorar o potencial da educação em saúde, para a promoção e proteção ao aleitamento materno, desenvolvida nos grupos presenciais e virtuais.

Metodologia

Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório e descritivo. Considerando a atual conjuntura devido a pandemia causada pelo coronavírus, a presente pesquisa será operacionalizada em duas etapas; uma em ambiente virtual e outra, posteriormente, presencial.

Primeira etapa: ambiente virtual
Será desenvolvida na rede social virtual Facebook, especificamente em grupos inscritos na plataforma que abordem a temática aleitamento materno. Participarão dessa pesquisa mulheres integrantes de grupos virtuais da rede social Facebook que abordem o tema aleitamento materno.
As mesmas serão selecionadas de acordo com os seguintes critérios de inclusão: ter idade superior a 18 anos; realizado postagem em um grupo virtual da rede social Facebook que aborde o tema aleitamento materno. Serão excluídas mulheres que se caracterizem como administradoras de grupo virtual da rede social Facebook que aborde o tema aleitamento materno.
O número de participantes será determinado pela saturação dos dados. Acredita-se que a saturação de dados seja alcançada com entrevistas à 20 participantes.
Inicialmente serão identificados dois grupos nacionais, públicos ou privados, que abordem a temática de aleitamento materno, com maior número de postagens nos últimos 30 dias. A pesquisadora, por meio de sua conta pessoal, solicitará participação nos mesmos.
Mediante o aceite, a pesquisadora procederá a identificação das potenciais participantes da pesquisa de acordo com os critérios de inclusão e exclusão estabelecidos. Com a identificação das mesmas, será realizada a apresentação da pesquisa e convite de participação via programa de comunicação instantânea do Facebook.
A mensagem enviada explicará o objetivo da pesquisa e procedimento de coleta de dados, de forma que tenham conhecimento da proposta. A concordância em participar será manifestada por meio do referido programa de comunicação instantânea. Como instrumento de coleta de dados será utilizada uma ferramenta disponibilizada pelo Google Drive, especificamente o aplicativo Google Forms. Ao acessar o endereço eletrônico da plataforma, a participante será direcionada automaticamente para página onde poderá realizar a leitura do TCLE e manifestará sua concordância em participar marcando a opção: eu conheci os objetivos da pesquisa e concordo em responder o formulário. A etapa da coleta de dados será apresentada somente após o consentimento das participantes.
Para compreensão dos dados será empregada a análise de conteúdo proposta por Bardin.

Segunda etapa: presencial
Será realizada no grupo de gestantes, promovido pelo Projeto de Extensão "Prevenção e Promoção da Saúde em Grupo de Gestantes e Puérperas” em parceria com o Hospital Escola (HE) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).
O estudo será desenvolvido com gestantes participantes do grupo de gestantes, promovido pelo Projeto de Extensão "Prevenção e Promoção da Saúde em Grupo de Gestantes e Puérperas” em parceria com o HE/UFPel.As participantes serão selecionadas de acordo com os seguintes critérios de inclusão: gestantes maiores de 18 anos, que se comuniquem verbalmente na língua portuguesa, consentirem em participar da pesquisa e assinarem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Serão excluídas as gestantes que tenham algum tipo de dificuldade de comunicação verbal que inviabilize a realização da entrevista.
O número de participante será determinado pela saturação dos dados. Acredita-se que a saturação de dados seja alcançada com entrevistas à 20 participantes.
Como instrumento de coleta de dados será utilizada entrevista semiestruturada gravada associada com um método de foto-elicitação, sendo apresentada as participantes por meio de imagens de propagandas e campanhas. Para compreensão dos dados será empregada a análise de conteúdo proposta por Bardin.

Indicadores, Metas e Resultados

Vislumbra-se que a pesquisa possibilite a troca de conhecimentos e experiências entre pesquisadores e participantes. Acredita-se que a coleta de dados poderá funcionar como gatilho para reflexões acerca do aleitamento materno, podendo contribuir para a promoção e proteção do aleitamento materno.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA DO ROSÁRIO TAVARES
JULIANE PORTELLA RIBEIRO4
MARINA SOARES MOTA7
MATHEUS DOS SANTOS RODRIGUES
MELISSA HARTMANN

Página gerada em 03/07/2022 08:28:13 (consulta levou 0.067657s)