Nome do Projeto
CIDADE, VIDA COTIDIANA E IMAGEM
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
20/05/2021 - 18/05/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas
Resumo
A pesquisa busca refletir sobre a cotidianidade nas cidades da “periferia” do mundo moderno, descrevendo não só os modos de vida das populações, suas interações com o espaço urbano e o meio ambiente, mas também pensando o cotidiano como um ponto de vista privilegiado, ao mesmo tempo teórico e metodológico para interpretar e explicar os fenômenos da sociedade moderna. As “cidades da periferia”, por denominá-las de algum modo, são aquelas que estão situadas no umbral da modernidade, no limite de um mundo tradicional que não desaparece, e se apresenta como uma crítica incompleta das contradições e dos efeitos da modernidade. Autores diversos têm tratado sobre essa questão, desde a antropologia, Canclini (2011) se refere a este aspecto como “culturas híbridas”, Dussel o denomina de “trasnmodernidade”, no contexto de uma longa luta epistemológica, crítica, especifica das ciências sociais na América Latina, em oposição crítica à “interpretação distorcida” das culturas não europeias; mas também como expressão de uma “cultura periférica” desprezada e negada pela modernidade eurocentrada. É por isso que o principal objetivo deste esforço, segundo ele, foi o de situar todas as culturas que se entrecruzam na vida cotidiana. O autor busca a afirmação de uma cultura popular, crítica e criativa, que na década de 80, com a Revolução Sandinista, emerge como “cultura popular revolucionária” (Dussel, 2015); ou ainda como Martins a chama: sociedades de modernidade inconclusa, todos eles têm em comum a crítica à teoria da modernidade produzida na Europa, principalmente por Lyotard, Vattimo, Habermas até Wallesrstein, que Dussel define como “segundo eurocentrismo”. A “transmodernidade” expressa todos os aspectos que se situam além (para frente e para atrás) da cultura euro-americana moderna, ou seja, com esse conceito Dussel pretende dar conta das outras culturas: ameríndia, China, cultura islámica, Índia. Autores pós-coloniais como Hall (2003) e Bhabha (1998) também trabalham a desconstrução da ideia de modernidade, pensando o rompimento da dicotomia colonizador/colonizado. Assim, a pós-modernidade abriria para novas possibilidades, para além da razão ocidental.

Objetivo Geral

• Demonstrar que a reflexão sociológica sobre a vida cotidiana nas cidades da “periferia” do mundo moderno, contribui não só para descrever os modos de vida das populações e suas interações com o espaço urbano e o meio ambiente, mas que também se constitui num ponto de vista teórico e metodológico para explicar os fenômenos da sociedade moderna e as mediações que, na vida cotidiana, se produzem entre o comportamento dos indivíduos e as estruturas sociais e ainda, entre presente e passado

Justificativa

Pensa-se o cotidiano, não como um resíduo irrelevante, mas como uma proposta de construção de uma interpretação específica das sociedades latino-americanas de modernidade anômala, ou híbrida como já foi dito. Geralmente os cientistas sociais olham o cotidiano apenas como o repetitivo e banal, por isso não teria, segundo eles, relevância para se constituir num objeto de pesquisa. Então, propõe-se pesquisar se a reflexão sociológica sobre a vida cotidiana pode contribuir a desvendar os fenômenos sociais de uma cidade “periférica”, os dilemas e a crise de certos grupos sociais que vindos da periferia ocupam o centro da cidade. Por outro lado, compreende-se que é no espaço onde se podem interpretar as diversas possibilidades de realização da sociedade, mas também no uso do espaço, é possível apreender a improvisação e o espontâneo que criam pontos de referência da cidade, é ali onde a multidão improvisa e ocorre a festa, a reunião, como momento de ruptura da repetição

Metodologia

A observação do cotidiano não somente requer sensibilidade e imaginação sociológica, mas também um cuidadoso e criativo trabalho artesanal de observação do que acontece nas ruas de uma cidade como Pelotas.
A pesquisa utilizará como método o que alguns autores como Pais (2015) denominam “deambulações cotidianas” ou “passeiologia”, método que tem a vantagem de ver a sociedade a partir dos indivíduos, e ao mesmo tempo, observando como ela se expressa na vida deles. Este método valoriza a lógica da descoberta, entendendo o cotidiano como um significante flutuante do social, dando prioridade às experiencias subjetivas que são a matéria prima do conhecimento sociológico. Decifrando os enigmas nas interações e no conhecimento e experiências compartilhadas pelos indivíduos e neles descobrir as mediações entre o individual e o coletivo; entre o objetivo e o subjetivo. Ou seja, decifrando o social nas coisas imediatas, no cotidiano. Explicando sociologicamente aquilo que está na superfície aparente do cotidiano. O estranhamento do cotidiano se dá nos “espaços intersticiais”, ou de aparente neutralidade, territórios de circulação.
Para poder atingir os objetivos propostos se pretende realizar entrevistas com profissionais de ocupações supostamente em extinção como relojoeiros, alfaiates, barbeiros; utilizando fotografias que estes profissionais guardam como documentos que mostrem a mudança do cotidiano, nas suas vidas e nos processos de trabalho. Também se fará observação e entrevistas com diversos grupos sociais, como os grupos de samba que ocupam nos finais de semana, espaços públicos como o mercado de Pelotas.
Observação das mudanças no espaço urbano ocasionadas pelo aumento da violência na cidade de Pelotas, utilizando fotografias e imagens, difundidas nos meios de comunicação, ou realizadas pelos próprios pesquisadores.

Indicadores, Metas e Resultados

Espera-se obter uma visão aprofundada acerca do cotidiano como objeto de estudo mas também como perspectiva metodológica para desvendar os enigmas sociológicos, aquilo que está oculto nas aparência dos fenômenos sociais.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
JÉSSICA BORGES DE LEMOS
LAYLSON MOTA MACHADO
LUAN GOMES DOS SANTOS DE OLIVEIRA
PAULO SERGIO MANSIJA PINTO
SANDRO ADAMS
SANDRO ARI ANDRADE DE MIRANDA
WILLIAM HECTOR GOMEZ SOTO16

Página gerada em 25/04/2024 11:02:59 (consulta levou 0.138745s)