Nome do Projeto
Comportamento sedentário aos 18 e 22 anos e padrões alimentares aos 22 anos: Coorte de Nascimentos de 1993 de Pelotas
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
03/11/2021 - 28/02/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece como adolescentes aqueles entre 10 e 19 anos e como jovens, aqueles entre 15 aos 24 anos (WORLD HEALTH ORGANIZATION, [s.d.]). O final da adolescência e início da vida adulta é marcado por inúmeras mudanças, como novas responsabilidades, nova rotina, expectativas e desafios, traz novas demandas interpessoais e profissionais (LEME et al., 2016) . A forma com que este processo ocorre, tende a se perpectuar no decorrer da vida adulta em diversos aspectos. Nas últimas décadas ocorreu um aumento do processo de modernização das profissões e dos transportes junto com a criação de novas tecnologias, o que acarretou mudanças no estilo de vida das pessoas. Por exemplo, trabalhos que antes eram manuais e demandavam do trabalhador uma alta atividade corporal, foram sendo substituídos por máquinas, aumentando o tempo de comportamento sedentário desses trabalhadores (OWEN et al., 2010). Outro fator que contribuiu para o aumento do comportamento sedentário da população foi a ampliação da utilização de veículos automotores como meio de transporte, devido a otimização do tempo, e o excesso de tempo na frente das telas, principalmente entre os jovens (SCHAAN et al., 2019). Inicialmente, a televisão foi criada com objetivo de entreter a população e o computador relacionado apenas com trabalho. Atualmente, tanto a televisão quanto o computador se popularizaram e são usadas para entreterimento, junto com o videogame que já foi criado para o uso no tempo de lazer. Essas mudanças tendem a ter dois efeitos para os indivíduos: diminuição da movimentação corporal e aumento do tempo na posição sentada. Apesar de há muito tempo já ser relatado os efeitos deletérios da vida sedentária, os pesquisadores, na verdade, não mensuravam o comportamento sedentário e focavam apenas no estudo de atividade física moderada a vigorosa e exercício físico (PATE; O’NEILL; LOBELO, 2008). No entando, a maior parte do nosso tempo é gasta em atividades físicas de baixa intensidade ou em comportamento sedentário, sendo de extrema necessidade aprofundar os estudos em relação aos efeitos dessas atividades (MIELKE et al., 2014). O conceito de comportamento sedentário refere-se a atividades em estado de vigília que não aumentam o gasto energético acima do nível de repouso, até 1,5.

Objetivo Geral

Avaliar a associação do comportamento sedentário com os padrões
alimentares em jovens participantes da Coorte de Nascimentos de 1993
de Pelotas.

Justificativa

A transição da adolescência para a vida adulta é um momento em que
diversas mudanças acontecem, por ser um período em que há, entre outras,
grandes influências culturais e socias (LEVY et al., 2010). Este é um período da
vida onde consolidam-se hábitos e preferências que podem se perpetuar no
decorrer da vida em diversos aspectos, como alimentação, saúde mental e
atividade física.
A literatura mostra que entre os adolescentes e jovens há uma prevalência
de hábitos alimentares pouco saudáveis (PINHO et al., 2017; NETA et al., 2021)
especialmente entre os mais favorecidos economicamente, pelo maior consumo
de alimentos como lanches e bebidas açúcaradas (ALVES et al., 2019), por
possuírem maior acesso aos alimentos industrializados, sendo a dieta adotada
usualmente rica em gorduras, açúcares e sódio, com pouco espaço para fruta,
hortaliças (LEVY et al., 2010) e arroz, feijão e carne (ALVES et al., 2019). Esse
contexto está relacionado ao aparecimento precoce de obesidade, diabetes e

hipertensão entre os adolescentes (PATE; O’NEILL; LOBELO, 2008; GARCIA-
CONTINENTE et al., 2015). Concomitante a isso, sabe-se que o comportamento

sedentário está associado com condutas consideradas de risco ou prejudiciais à
saúde, como experimentação/consumo de bebidas alcoólicas e tabaco e padrão
de consumo alimentar insatisfatório (DIAS et al., 2014). Entre adolescentes há
um consumo frequente de alimentos não saudáveis, que aliado ao
comportamento sedentário, pode aumentar o risco de doenças crônicas não
transmissíveis na idade adulta e a alta prevalência de comportamento sedentário
entre os escolares está associado a um maior consumo de guloseimas e
embutidos (MONTEIRO et al., 2020), o que os torna indivíduos em
vulnerabilidade que precisam de atenção.
Como já mencionado anteriormente, a partir da revisão na literatura, não
foi encontrado estudo que avaliasse o comportamento sedentário
especificamente na transição da adolescência para a vida adulta e a influência
desses com hábitos alimentares no início da vida adulta. Além disso, todos os
estudos encontrados utilizaram o delineamento transversal para avaliar a
associação entre comportamento sedentário e parâmetros relacionados à
alimentação. Ainda, cabe destacar que apenas um estudo utilizou o
acelerômetro para avaliação da exposição de interesse.
Dessa forma, faz-se necessário estudar longitudinalmente a influência
entre comportamento sedentário, utilizando tanto medidas subjetivas (por
questionário), como tempo de tela, e também medida objetiva, obtida pelo
acelerômetro, com aspectos relacionados a alimentação destes adultos jovens.
Com a utilização dos dois tipos de medidas, poder-se-á verificar, através do
autorrelato de tempo de tela, se há associação específica com atividades
vinculadas às telas ou se a associação estará relacionada ao tempo total em
comportamento sedentário, independente do contexto no qual esse
comportamento ocorre, informação possível de ser avaliada pelo acelerômetro.
A exploração dos tipos de medida de comportamento sedentário com a utilização
de delineamento longitudinal na transição da adolescência para a vida adulta
acrescentará informações inéditas e relevantes sobre a temática. Além disso,
será possível interligar essas informações com os diferentes padrões
alimentares desta população.
Sendo assim, o presente estudo pretende contribuir para a área de saúde
pública brasileira, investigando a associação entre comportamento sedentário e
e padrões alimentares em jovens de uma coorte brasileira. Desta forma, baseado
nas informações obtidas com o estudo, será possível propor ações que auxiliem
na melhoria da qualidade da alimentação dessa população para evitar possíveis
agravos à saúde.

Metodologia

Trata-se de um estudo longitudinal prospectivo, observacional analítico.
Este projeto utilizará dados da Coorte de Nascimentos de 1993 de Pelotas, RS.
Serão considerados os acompanhamentos realizados aos 18 e 22 anos de idade
para avaliação das exposições principais e desfecho.
Tendo em vista que o presente estudo busca analisar as mudanças de
comportamento sedentário, com uma coleta de dados ao final da adolescência
e outra no início da vida adulta dos indivíduos, o delineamento longitudinal é mais
adequado, pois ele permite analisar as variáveis de exposição de interesse em
dois momentos e assim considerar a temporalidade na associação entre
comportamento sedentário, qualidade da dieta e padrões alimentares.

Indicadores, Metas e Resultados

Os resultados do projeto serão divulgados por meio de publicação de
artigo científico e de comunicado à imprensa, contendo os principais resultados
do estudo, elaborado com o auxílio da assessoria de imprensa do Centro de
Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BRUNA GONÇALVES CORDEIRO DA SILVA1
THAIS GULARTE DELLA VECHIA
THAYNÃ RAMOS FLORES

Página gerada em 27/01/2023 08:44:54 (consulta levou 0.085847s)