Nome do Projeto
Avaliação ultrassonográfica e eletrocardiográfica em Didelphis albiventris
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
02/12/2021 - 02/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
O gambá-de-orelha-branca (Didelphis albiventris) é bastante frequente na região sul do Brasil. São marsupiais com hábitos noturnos solitários, encontrados em regiões de florestas e matas úmidas e, se alimentam de pequenos animais, como alguns mamíferos, aves, insetos, além de vegetais, como frutas, folhas e sementes (CACERES, 2002). Uma das maneiras de se entender a cavidade abdominal de seres vivos é via ultrassonografia abdominal, porém, não se localizou na literatura especializada, estudos ultrassonográficos da cavidade abdominal das espécies nativas brasileiras de gambás. A utilização da ultrassonografia é imprescindível na avaliação e identificação de alterações do trato reprodutivo, urinário, digestivo, em diferentes espécies de animais (CARVALHO, 2004; HILDEBRANDT et al., 2000), e auxilia no estabelecimento de diagnósticos clínicos e medidas terapêuticas mais efetivas. Trata-se de um método não invasivo, preciso, de rápida mensuração e pode ser empregado em quaisquer condições no monitoramento de animais capturados (HILDEBRANDT et al., 2000). Assim como ocorre com outras espécies de animais silvestres importantes da fauna brasileira e, apesar de haver disponíveis alguns estudos anatômicos específicos para algumas espécies (BARTMANN et al., 1991, ENDO et al., 2007, SOUZA et al., 2010), são poucos os estudos sobre a anatomia ultrassonográfica das estruturas abdominais destes animais. Além da ultrassonografia (US) o eletrocardiograma (ECG) fornece informações sobre esses animais, mais precisamente sobre a atividade elétrica cardíaca, sendo um exame simples e essencial na avaliação cardiovascular (GOODWIN, 2002; SZABUNIEWICZ & SZABUNIEWICZ, 1977). Devido as poucas informações em relação as espécies silvestres e exóticas, os padrões eletrocardiográficos normais das espécies nativas brasileiras ainda não foram estabelecidos (FELIPPE, 2007). Desta forma, o objetivo deste projeto é a padronização ultrassonográfica e eletrocardiográfica da espécie D. albiventris, a fim de que anormalidades possam futuramente ser precisamente identificadas.

Objetivo Geral

Descrever os achados ultrassonográficos abdominais e obter valores de referência de medidas obtidas através do modo B ultrassonográfico e o traçado eletrocardiográfico de gambás (D. albiventris).

Justificativa

O gambá-de-orelha-branca (Didelphis albiventris) é bastante frequente na região sul do Brasil. A diversidade alimentar dessas espécies pode refletir diferentes papéis no habitat, participando na dispersão de sementes, controle de parasitas como carrapatos, e na interação mútua entre plantas e animais (CANTOR et al., 2010).
Este trabalho tem o intuito de trazer informações básicas sobre os aspectos ultrassonográficos e eletrocardiográfico, para servir de parâmetro inicial, que auxiliem o médico veterinário no diagnóstico de afecções e atendimento clínico, impactando indiretamente na preservação da espécie.

Metodologia

Serão incluídos neste estudo gambás considerados saudáveis conforme exame clínico, hematológico e bioquímica sérica, considerando função hepática e renal, cujo os valores hematológicos e bioquímicos séricos estiverem adequados para a espécie.
Serão selecionados 40 exemplares saudáveis da espécie D. albiventris encaminhados/atendidos no Núcleo de Reabilitação da Fauna Silvestre (NURFS), para serem submetidos as avaliações ultrassonográficas abdominais e eletrocardiográfica.
A avaliação ultrassonográfica avaliará formato, contorno, ecogenicidade e ecotextura dos órgãos abdominais As avaliações serão realizadas utilizando o aparelho de ultrassonografia GE Logiq E, probes multifrequenciais microconvexa (6-10MHz) e linear (7-12MHz).
Para realização do exame ultrassonográfico abdominal o animal deve fazer jejum de sólidos de oito a 12 horas e deve receber fármacos antifiséticos para eliminar os gases do trato gastrointestinal (NOVELLAS et al., 2007). A ingestão de líquido antes do exame é desejável, pois permite um melhor contraste entre o trato gastrointestinal e os outros órgãos abdominais pela avaliação com modo bidimensional, e possibilita que a vesícula urinária esteja repleta de urina (MATTOON et al., 2005). Além disso, deverá ser feita tricotomia ampla da região abdominal e utilização de gel acústico abundante para evitar artefatos como o de reverberação (MATTON et al., 2005; NOVELLAS et al., 2007).
Para a avaliação eletrocardiográfica os animais serão posicionados em decúbito lateral direito, com os membros paralelos e perpendiculares ao eixo longo do corpo, sobre um tapete de borracha ou uma mesa de madeira a fim de se evitar interferências. O eletrocardiógrafo digital (Eletrocardiógrafo, InCardio, Inpulse Animal Healthy) e os cabos conectados da seguinte forma: o vermelho ao membro torácico direito, o amarelo ao torácico esquerdo, o preto ao pélvico direito e o verde ao pélvico esquerdo. Previamente a colocação dos eletrodos a pele foi umedecida com álcool. Os eletrodos posicionados acima da articulação úmero-rádio-ulnar e fêmoro-tíbio-patelar através de conectores metálicos do tipo “jacaré”. O registro eletrocardiográfico realizado na velocidade de 50 mm/segundo, sensibilidade N (1cm= 1mV) nas derivações DI, DII, DIII, aVR, aVL e aVF. Avaliação do traçado eletrocardiográfico em derivação DII, determinando-se frequência (FC) e ritmo cardíacos, onda P, intervalo P-R, onda R, complexo QRS, onda T, intervalo Q-T, segmento ST e eixo elétrico (°) mediante tabela de eixos (DI/DIII).

Indicadores, Metas e Resultados

- Obtenção de dados morfométricos, características ultrassonográficas normais dos órgãos abdominais da espécie D. albiventris;
- Obtenção do índice de resistividade das artérias renais e aorta caudal em D. albiventris hígidos;
- Determinação de frequência (FC) e ritmo cardíacos, amplitude e duração da onda P, complexo QRS, onda T, além dos intervalos P-R e intervalo Q-T, segmento ST e eixo elétrico (°) da espécie D. albiventris;
- Conhecer as variações de normalidade mais recorrentes;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
EDUARDA ALÉXIA NUNES LOUZADA DIAS CAVALCANTI
GUILHERME ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA CAVALCANTI1
LUIZ FERNANDO MINELLO1
MAYANA LIMA SÁ
PAULO MOTA BANDARRA1
RAQUELI TERESINHA FRANCA1
Ynara Passini

Página gerada em 07/07/2022 04:59:15 (consulta levou 0.079631s)