Nome do Projeto
SUCESSO DE TRATAMENTOS E RETRATAMENTOS ENDODÔNTICOS E DEFINIÇÃO DE FATORES PREDITIVOS UTILIZANDO UMA ESTRATÉGIA DE MINERAÇÃO DE DADOS: ESTUDO OBSERVACIONAL LONGITUDINAL
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
01/01/2022 - 30/12/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
Metodologia: Este estudo observacional retrospectivo utilizará informações disponíveis nos prontuários de pacientes atendidos na Faculdade de Odontologia da UFRGS, nos cursos de graduação em Odontologia (disciplinas de clínica odontológica), especialização em Endodontia e extensão em proservação de dentes tratados endodonticamente, e da UFPel, na clínica de graduação Estágio em Clínica Odontológica II, na clínica de pós-graduação e na clínica de extensão do Projeto PróSorriso. Na UFRGS, serão coletados os dados dos pacientes atendidos entre janeiro de 2012 e dezembro de 2018; na UFPel, entre janeiro de 2018 e dezembro de 2019. Estima-se que nos determinados períodos, somando as instituições, sejam realizados 6000 casos de tratamento ou retratamento endodôntico. Considerando a população finita incluída no estudo, a coleta de dados será realizada na forma de censo. Os dados presentes nos prontuários das instituições de ensino serão copiados para um sistema de prontuário digital que gerará um banco de dados. As radiografias periapicais de cada um dos casos também serão armazenadas digitalmente e analisadas utilizando o Índice Periapical (PAI). Cada dente tratado ou retratado endodonticamente será categorizado como “sucesso”, “dente em função” ou “insucesso”. Os dados serão analisados utilizando o software de inteligência artificial Weka, considerando as variáveis relativas ao diagnóstico, à técnica empregada no tratamento, ao nível de aprendizado dos operadores e ao controle pós-operatório relacionados com o desfecho, possibilitando a construção de árvores de decisão. Os dados também serão analisados por meio de modelos de predição bi e multivariados, através de regressão logística.

Objetivo Geral

Objetivos: Avaliar como diferentes métodos de trabalho de alunos com o mesmo nível de aprendizado e como diferentes níveis de formação acadêmica afetam a qualidade técnica e o sucesso dos tratamentos endodônticos realizados por alunos de graduação em Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e do curso de especialização em Endodontia
da UFRGS através da inserção de dados de prontuários de pacientes em uma plataforma digital.

Justificativa

A Endodontia foi beneficiada, especialmente na última década, pelo desenvolvimento e difusão de novas tecnologias para diagnóstico e análise da anatomia dentária, assim como para o preparo químico-mecânico e obturação do sistema de canais radiculares. Contudo, no mesmo período, os estudos envolvendo a análise de índices de sucesso e insucesso de tratamentos e retratamentos
endodônticos ao longo do tempo pouco variaram em seus resultados, permanecendo entre 69% (GORNI; GAGLIANI, 2004) e 100% de sucesso (TOUBOUL et al., 2014). Além disso, retratamentos endodônticos apresentam menores índices de sucesso comparados a dentes submetidos ao procedimento pela primeira vez (IMURA et al., 2007). Isso pode ser explicado, por exemplo, pela dificuldade de acesso e falha na
remoção do material obturador inicial dos canais radiculares (MOLLO et al., 2012) e, consequentemente, pela permanência de microrganismos viáveis no seu interior
(SIQUEIRA-JÚNIOR et al., 2008). A permanência de microrganismos viáveis no interior do canal radicular devido a falhas técnicas durante os procedimentos endodônticos é a causa mais apontada pelo
“senso comum” para o insucesso endodôntico. Entretanto, são escassos os estudos que tratam deste tema com exatidão, fornecendo informações conclusivas a respeito de quais, e o quanto estas falhas técnicas impactariam no desfecho do tratamento endodôntico (FARZANEH et al., 2004; CHEVIGNY et al., 2008b).
Talvez a maior revolução da Endodontia contemporânea tenha sido a disseminação de técnicas de preparo automatizados, com uso de limas rotatórias ou reciprocantes. Tais instrumentos ainda passam por constante evolução, mas foram decisivos, comparados à utilização da técnica manual, para a diminuição do tempo de trabalho (VAUDT et al., 2009), para a facilidade e segurança durante a ampliação do
canal radicular e para uma correta manutenção da anatomia do canal radicular (DEL FABRO et al., 2018) . No Brasil, o uso de instrumentos automatizados é bastante presente no cotidiano do cirurgião dentista especialista em Endodontia. Porém, apenas recentemente alguns cursos de graduação em Odontologia iniciaram o uso de sistemas automatizados – que apresentam uma menor curva de aprendizagem e, muitas vezes, um melhor custo-benefício. Devido a isso, a literatura apresenta pouca informação a
respeito do impacto da instrumentação automatizada no sucesso de procedimentos endodônticos, especialmente em casos realizados por alunos de graduação em Odontologia.
Além disso, identifica-se pouca evidência a respeito de fatores técnicos,anatômicos e patológicos locais como preditivos para o risco de insucesso de um tratamento ou retratamento endodôntico, independentemente da técnica empregada e do nível de aprendizado do operador. Ademais, as metodologias empregadas baseiamse na realização de análise estatística descritiva ou por regressão logística, o que pode limitar a descoberta de fatores não conhecidos que podem interferir no sucesso
endodôntico.
Neste sentido, a tecnologia da informação possui diferentes meios para coleta e armazenamento de informações, utilizando inteligência artificial para registro e análise dos dados, especialmente em grandes volumes. O “knowledge discovery in database” (KDD), ou processo de descoberta do conhecimento, identifica padrões válidos, novos, compreensíveis e potencialmente úteis a uma área de interesse através do emprego de estratégias de mineração de dados. Tais estratégias ainda são pouco utilizadas na área
da saúde, contudo, grupos de pesquisa com foco em Ciências Médicas já mostram familiaridade com isso e suportam o emprego de tal tecnologia em outras áreas das Ciências da Saúde (MILOSEVIC et al., 2003; VIANNA et al., 2010; CHEN et al., 2011; FERREIRA et al., 2012). Quando utilizadas tais ferramentas, a regressão logística pode ser útil para validar as associações entre os fatores preditivos e os desfechos encontrados pela mineração de dados.

Metodologia

Este é um estudo observacional longitudinal retrospectivo, utilizando
informações disponíveis em prontuários de pacientes atendidos na Faculdade de
Odontologia da UFRGS e da UFPel. Serão incluídas no estudo e consultadas
informações referentes:
a) aos tratamentos e retratamentos endodônticos realizados nas disciplinas de
Clínica Odontológica I, II, III e IV do curso diurno de graduação em Odontologia da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), no período entre janeiro de 2012
e dezembro de 2018, e nas disciplinas de Clínica Odontológica I, II, III, IV e V do curso
noturno de graduação em Odontologia da mesma Universidade, no mesmo período;
b) aos tratamentos e retratamentos endodônticos realizados no curso de
Especialização em Endodontia da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal
do Rio Grande do Sul (FO-UFRGS), no período entre janeiro de 2012 e dezembro de
2018;
c) aos tratamentos e retratamentos endodônticos realizados na clínica de
Endodontia, nível de graduação, da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal
de Pelotas (UFPel), no período entre janeiro de 2018 e dezembro de 2018;
d) aos controles pós-operatórios realizados no curso de Extensão em
atendimento de pacientes para proservação de casos endodônticos realizados na FOUFRGS, no período entre agosto de 2017 a dezembro de 2019;
e) aos controles pós-operatórios realizados na clínica de pós-graduação da
Faculdade de Odontologia da UFPel e na clínica de extensão do Projeto Pró Sorriso da
Faculdade de Odontologia da UFPel, entre janeiro de 2019 e dezembro de 2019.
Serão excluídos do estudo casos em que forem identificadas ausência de
exames radiográficos disponíveis e/ou falta de dados registrados nos prontuários, e
situações clínicas tais como rizogênese incompleta, cirurgia parendodôntica, gravidez
nos períodos de controles previstos e indicação de exodontia por motivos nãoendodônticos ou por motivos não identificados.
Este estudo tem como meio de coleta a busca de dados, em prontuários de
instituições de ensino, a respeito de tratamentos e retratamentos endodônticos
realizados em períodos específicos e seus controles pós-operatórios. Estima-se que o
número de dentes submetidos a tratamentos e retratamentos endodônticos na FOUFRGS, nos cursos de graduação em Odontologia e de especialização em Endodontia
no período entre janeiro de 2012 e dezembro de 2018, somados à clínica de graduação
da FO-UFPel, janeiro de 2018 e dezembro de 2018, seja de aproximadamente 6000
casos,
Este projeto de pesquisa foi delineado e escrito seguindo as recomendações do
“Strengthening the reporting of observational studies in epidemiology” (STROBE), um
guia desenvolvido por um grupo internacional de especialistas em metodologia
31
científica, pesquisadores e editores de revistas científicas para melhor a qualidade de
estudos observacionais desenvolvidos.
Os dados referentes as informações da anamnese, exame clínico, diagnóstico,
tratamento indicado e proservação serão coletadas a partir dos prontuários de pessoas
submetidas a tratamento ou retratamento endodôntico nas faculdades de Odontologia
da UFRGS e da UFPel. Os dados serão coletados por alunos de iniciação científica e
de pós-graduação treinados para tal atividade. Em caso de dúvidas referentes às
informações descritas nos prontuários, será consultada a professora responsável pelo
projeto.
As imagens das radiografias periapicais serão classificadas de acordo com o
Índice Periapical (PAI) (ØRSTAVIK et al., 1986), utilizando escores de 1 a 5, conforme
a seguir:
1) estruturas periapicais normais;
2) pequenas alterações na estrutura óssea periapical;
3) alterações na estrutura óssea periapical com perda mineral;
4) periodontite apical com área radiolúcida bem definida;
5) periodontite apical severa com alterações exacerbadas na estrutura óssea.
Este processo será realizado por um examinador experiente na área de Endodontia,
treinado e calibrado, através da aplicação do teste kappa (análise de escores/variável
categórica). A análise radiográfica considerará o dente em sua totalidade. Assim,
dentes multi-radiculares terão seu PAI definido como o maior índice encontrado em
suas raízes.
5.5 ANÁLISE DOS DADOS
Serão considerados “sucesso” casos em que existirem PAI ≤ 2 e ausência de
sinais e sintomas. Dentes que apresentarem ausência de sinais e sintomas e PAI ≥ 3
serão considerados como “dentes em função”. A presença de sinais e sintomas,
independente do PAI, definirá o caso como “insucesso” (FRIEDMAN et al., 2003).
Os dados registrados serão acessados no banco de dados. Inicialmente, será
realizada uma análise descritiva de frequência de cada um dos fatores coletados (covariáveis), a qual será apresentada por meio de gráficos e tabelas. Além disso, os
32
diferentes níveis de aprendizado, bem como os aspectos clínicos e radiográficos
abordados na anamnese, exame inicial e demais etapas do tratamento serão avaliados
quanto ao seu potencial de interferir nos desfechos clínicos pretendidos. Para isso, os
mesmos serão analisados por meio de técnicas de mineração de dados, utilizando
árvores de decisão.
Com este objetivo, será empregado o software Waikato Ambiente de Análise do
Conhecimento (Weka-versão 3.7). Este é uma coleção bem documentada de muitos
algoritmos de aprendizado de máquina de última geração, disponíveis gratuitamente na
internet www.cs.waikato.ac.nz/ml/weka. Inicialmente, um arquivo .csv, contendo o
conjunto de dados será aberto e, posteriormente, será gerado um novo arquivo .arff a
ser modelado pelo Weka. Para a realização de predições relacionando as variáveis
diagnóstico, técnica endodôntica e nível de aprendizado com o desfecho cura
periapical, será escolhido um algoritmo de classificação. A partir deste serão geradas
árvores de decisão, que serão preditivas do nível de influências das diferentes variáveis
no desfecho do estudo.
Precisão, sensibilidade e especificidade, bem como o intervalo de confiança de
95% (IC 95%) para determinados valores de corte serão calculados. A estabilidade das
árvores de decisão induzidas será testada usando o procedimento de validação
cruzada.
A validação das associações (riscos relativos) encontradas entre os fatores
preditivos (co-variáveis clínicas e radiográficas) e o desfecho “sucesso do tratamento
endodôntico” ou “sucesso do retratamento endodôntico” será feita por meio de modelos
de predição bi e multivariados, através de regressão logística, com nível de
significância de 5%.

Indicadores, Metas e Resultados

A partir desse projeto de pesquisa, espera-se a obtenção de árvores de decisão
clínica que levem em conta o índice de sucesso de tratamentos e retratamentos
endodônticos oferecidos pelo SUS (e por instituições de ensino superior) e seus
respectivos fatores preditivos. A partir de tal conhecimento poderá ser possível
estabelecer novos protocolos de atendimento clínico a usuários do SUS com indicação
de tratamento ou retratamento endodônticos, levando ao aumento do índice de
sucesso dos procedimentos realizados. O aumento do índice de sucesso de
tratamentos endodônticos primários repercutiria na diminuição do número de dentes
referenciados para retratamento endodôntico da atenção primária para os CEOs,
diminuindo a demanda da população e, consequentemente, o tempo de espera para
atendimento. De forma semelhante, o aumento do índice de sucesso de retratamentos
endodônticos realizados nos CEOs do SUS diminuiria a indicação de exodontias de
dentes tratados endodonticamente, beneficiando diretamente a saúde bucal da
população através da manutenção de dentes em boca. Outro fator importante, seria a
diminuição custo financeiro necessário para a realização dos atendimentos nos centros
de especialidades, pela maior efetividade dos tratamentos prestados ou pela
determinação dos materiais com custo-benefício mais adequados para se obter o
sucesso da terapia endodôntica.
Além disso, apesar de todo o desenvolvimento tecnológico e científico que a
área de Endodontia vem passando nas últimas décadas, os fatores preditivos
relacionados ao sucesso têm permanecido semelhantes de acordo com a literatura.
Esse estudo, por sua vez, poderá contribuir cientificamente ao identificar padrões
válidos, novos, compreensíveis e potencialmente úteis para a terapia endodôntica, ao
abordar uma estratégia de mineração de dados clínicos e radiográficos.
Os índices de sucesso determinados para tratamentos e retratamentos
endodônticos, as árvores de decisão e as sugestões de protocolos clínicos de
atendimento gerados por esse estudo serão apresentados pelos pesquisadores,
inicialmente, para os responsáveis pelo CEO de Endodontia da UFRGS.
Posteriormente, é objetivo que sejam divulgadas essas informações para os Cirurgiões
34
Dentistas responsáveis pelos demais centros de especialidades do estado do Rio
Grande do Sul e, conforme adesão, das demais unidades federativas do Brasil. Para
atingir uma maior divulgação dentro do SUS, os gestores locais (municipais e
estaduais) serão contatados.
Os resultados também serão compartilhados com as instituições de ensino
participantes do estudo e seus respectivos professores, visando a alteração dos
protocolos e filosofias de trabalho ensinados aos alunos baseados na evidência
científica produzida, contribuindo para a formação de novos Cirurgiões Dentistas e
Especialistas em Endodontia.
O presente estudo contará com a participação de professores de diferentes
Universidades federais, envolvidos em atividades de ensino, extensão e pesquisa, e
alunos de diferentes níveis acadêmicos, incluindo graduação e pós-graduação. Todos
os envolvidos poderão ser diretamente beneficiados ao absorver o conhecimento
gerado e a metodologia de pesquisa a ser a realizada nesse trabalho, possibilitando a
aplicação em seus campos de atuação clínica ou acadêmica, gerando resultados no
atendimento à população e na formação de novos profissionais, respectivamente.
Os pesquisadores pretendem realizar a divulgação científica desses estudo
através da apresentação dos resultados em semanas acadêmicas, congressos e
seminários da área específica de Endodontia e/ou Odontologia e/ou ensino e/ou saúde
pública. Além disso, ao final do estudo, estima-se que serão gerados pelo menos 5
artigos científicos a serem indexados em revistas com foco em Endodontia e/ou
Odontologia e/ou ensino e/ou saúde pública com Qualis A (CAPES).

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINA CLASEN VIEIRA
DANIELE PRADO ASSUMPCAO
FERNANDA GERALDO PAPPEN3
MELISSA FERES DAMIAN2

Página gerada em 30/06/2022 16:59:36 (consulta levou 0.072723s)