Nome do Projeto
Diagnóstico de doenças e/ou lesões em caninos e felinos errantes no município de Pelotas-RS
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
20/12/2021 - 20/12/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
A superpopulação de animais de estimação, cães e gatos, é um problema socioambiental que afeta a maioria das cidades brasileiras e pode favorecer a transmissão de doenças, especialmente as zoonóticas, uma vez que o processo de domesticação dos animais levou à criação de nichos artificiais que podem se transformar em fontes de infecção. Como agravante, animais errantes são excluídos de programas de controle sanitário de vacinação, vermifugação ou tratamento para doenças, assumindo grande importância na manutenção e disseminação de doenças no meio urbano. Estudar as populações de cães e gatos torna-se a base da estruturação de programas de controle populacional e de zoonoses, visando o manejo desses animais, evitando possíveis problemas de saúde pública e minimizando impactos ambientais e sanitários. Dentre os principais problemas ocasionados pela alta densidade populacional de animais não domiciliados estão os riscos de mordeduras e transmissão de doenças. Diariamente o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde de Pelotas recebe inúmeras denúncias de animais errantes atropelados ou apresentando alguma enfermidade. Como os cães recolhidos no canil municipal de Pelotas provêm de diferentes regiões do município, isso torna-se mais um fator importante de agravo em saúde pública. Dessa forma é fundamental estabelecer a causa da morte e as patologias que afetam cães e gatos errantes, para a prevenção e controle de inúmeros patógenos de importância tanto para saúde pública quanto animal. Para isso o objetivou-se Realizar um estudo retrospectivo e prospectivo das doenças e/ou lesões que afetam caninos e felinos errantes do município de Pelotas, encaminhados ao Laboratório Regional de Diagnóstico (LRD), da Faculdade de Veterinária (FV), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), entre os anos de 2000 e 2022.

Objetivo Geral

Objetivo Geral:
Realizar um estudo retrospectivo e prospectivo das doenças e/ou lesões que afetam caninos e felinos errantes do município de Pelotas, encaminhados ao Laboratório Regional de Diagnóstico (LRD), da Faculdade de Veterinária (FV), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), entre os anos de 2000 e 2022.

Objetivos Específicos:
- Descrever e analisar achados macroscópicos e histopatológicos de necropsias de caninos e felinos errantes do município de Pelotas encaminhados ao LRD/FV/UFPel, entre 2020 e 2022.
- Determinar as patologias e lesões que afetam cães e gatos errantes do município de Pelotas encaminhados ao LRD/FV/UFPel, entre 2020 e 2022.
- Realizar um estudo retrospectivo dos casos encaminhados ao LRD/FV/UFPel de caninos e felinos errantes do município de Pelotas, entre os anos de 2000 e 2019.
- Relatar as principais doenças, com foco em saúde pública, diagnosticadas nesse estudo.

Justificativa

Atualmente 60% dos domicílios brasileiros possuem, pelo menos, um animal de estimação, representando cerca de 32 milhões de cães e 16 milhões de gatos domiciliados (DOMINGUES et al., 2015). De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde de Pelotas, estima-se que aproximadamente 60 mil animais errantes ou semi domiciliados (cães e gatos) vivem nas ruas de Pelotas.
A superpopulação de animais de estimação, cães e gatos, é um problema socioambiental que afeta a maioria das cidades brasileiras e pode favorecer a transmissão de doenças, especialmente as zoonóticas, uma vez que o processo de domesticação dos animais levou à criação de nichos artificiais que podem se transformar em fontes de infecção (CRUZ et al., 2019). Como agravante, animais errantes são excluídos de programas de controle sanitário de vacinação, vermifugação ou tratamento para doenças, assumindo grande importância na manutenção e disseminação de doenças no meio urbano (OSTERMANN et al., 2011).
A questão do controle de animais ganhou destaque no atual cenário mundial, devido à pandemia do Covid-19, considerando os questionamentos sobre a possibilidade de transmissão humano-animal, não havendo, ainda, nenhuma informação científica comprovada de que cães e gatos sejam importantes transmissores na cadeia epidemiológica da Covid-19 (VIEIRA, 2019).
Estudar as populações de cães e gatos torna-se a base da estruturação de programas de controle populacional e de zoonoses, visando o manejo desses animais, evitando possíveis problemas de saúde pública e minimizando impactos ambientais e sanitários (CANATTO et al., 2012; CRUZ et al., 2019; PAIM et al., 2019). Dentre os principais problemas ocasionados pela alta densidade populacional de animais não domiciliados estão os riscos de mordeduras e transmissão de doenças (CANATTO et al., 2012).
Diariamente o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Secretaria Municipal de Saúde de Pelotas recebe inúmeras denúncias de animais errantes atropelados ou apresentando alguma enfermidade. Como os cães recolhidos no canil municipal de Pelotas provêm de diferentes regiões do município, isso torna-se mais um fator importante de agravo em saúde pública (AMBROZIO et al., 2012).
Dessa forma é fundamental estabelecer a causa da morte e as patologias que afetam cães e gatos errantes, para a prevenção e controle de inúmeros patógenos de importância tanto para saúde pública quanto animal.

Metodologia

Será realizado um estudo retrospectivo nos arquivos do LRD/FV/UFPel dos protocolos de necropsias de caninos e felinos errantes encaminhados pela Prefeitura Municipal de Pelotas no período de 2000 a fevereiro de 2020. De março de 2020 a março de 2022, será realizado um estudo prospectivo com esta população-alvo.
Para o estudo retrospectivo todos os diagnósticos que constam nos protocolos de necropsia serão agrupados em doenças infecciosas e não infecciosas, e posteriormente subcategorizados. Os casos que não se enquadrarem em nenhuma das categorias a serem determinadas, serão classificados de acordo com seu diagnóstico morfológico ou inconclusivos.
No estudo prospectivo serão realizadas as necropsias dos cadáveres encaminhados, sendo coletados fragmentos de todos os órgãos, fixados em formalina tamponada a 10%, para posterior exame histopatológico. Em casos com suspeitas clínicas específicas e sempre que necessário, serão utilizados exames laboratoriais complementares de bacteriologia, parasitologia, micologia, virologia e imunohistoquímica.

Indicadores, Metas e Resultados

Através da metodologia aqui proposta, espera-se:
- Determinar as doenças e/ou lesões que afetam cães e gatos errantes do município de Pelotas encaminhados ao LRD/FV/UFPel, com divulgação desses resultados na forma de artigos científicos;
- Identificar agentes infecciosos presentes na população estudada de importância para a saúde pública;
- Formação de recursos humanos (Especialização).

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ELIZA SIMONE VIEGAS SALLIS4
JOSIANE BONEL4
MARGARIDA BUSS RAFFI4
ROSIMERI ZAMBONI
TÁINA DOS SANTOS ALBERTI

Página gerada em 02/03/2024 11:31:57 (consulta levou 0.174756s)