Nome do Projeto
Avaliação do crescimento de potros da raça Crioula utilizando modelos não lineares
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
10/02/2022 - 09/02/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
Com esse estudo busca-se comparar diferentes modelos não lineares (Brody, Gompertz, Logistico e Von Bertanlanffy) para avaliar a curva de crescimento de potros da raça crioula do nascimento até os dois anos de idade, criados em sistema extensivo, em um criatório de Jaguarão/RS. Através da utilização dos modelos não lineares, buscamos determinar o que melhor descreve o desenvolvimento dos animais para as características morfométricas avaliadas sendo elas: peso, altura, perímetro de tórax e perímetro de canela, tendo em vista que estas três últimas medidas são de extrema importância para fins de registro definitivo na raça crioula. Assim, os resultados obtidos através desse projeto poderão contribuir com os criadores para avaliar a qualidade do sistema de criação viabilizando reajustarem seus manejos priorizando o bem-estar animal, além de realizar a seleção racial mais criteriosa dentro do próprio criatório. Na execução da presente proposta serão utilizadas informações fenotípicas já coletadas, não existindo a necessidade de apreciação pela comissão de ética da instituição (Comissão de Ética em Experimentação Animal (CEEA) – UFPel).

Objetivo Geral

Avaliar o crescimento de animais da raça Crioula do nascimento até os dois anos de idade utilizando medidas de peso, altura, perímetro de tórax e de canela, com o auxílio de modelos não lineares, além de definir a função que melhor se ajusta ao desenvolvimento dos animais.

Justificativa

A equinocultura, área da zootecnia que estuda a criação de equinos (Almeida, 2013), tem se destacado em países desenvolvidos e nos que estão em constante desenvolvimento, como o Brasil, que possui o quarto maior rebanho equino do mundo, com mais de 5 milhões de cabeças, movimentando mais de 16 bilhões de reais anualmente e gerando aproximadamente 610 mil empregos diretos e 2.430 mil empregos indiretos (Lima e Cintra, 2016).
Os equinos se destacam em diversas atividades relacionadas com esporte, lazer e trabalho. No Brasil estima-se que, do total do rebanho equino, aproximadamente 3.900.000 sejam animais para esporte, lazer e criação, enquanto que em torno de 1.100.000 sejam de cavalos para trabalho (Lima e Cintra, 2016). Minas Gerais é o estado brasileiro com a maior população de equinos, com 828 mil animais, seguido pelo Mato Grosso, que apresenta um rebanho de 547 mil animais, e Rio Grande do Sul, que ocupa o terceiro lugar no ranking nacional com mais de 520 mil equinos (IBGE, 2021). O rebanho equino do estado gaúcho é formado principalmente por animais da raça Crioula, considerada símbolo cultural do estado desde 2002, sendo uma das 26 raças presentes no território nacional.
De acordo com a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), a região sul é responsável por 95% da população de cavalos Crioulos do Brasil, sendo que destes, 85% estão no Rio Grande do Sul (ABCCC, 2011). O Cavalo Crioulo foi inicialmente utilizado como instrumento de trabalho nas propriedades e atualmente desempenha funções diferentes das atribuídas no começo de sua criação, se tornando um cavalo atleta.
As medidas corporais obtidas individualmente vêm sendo amplamente utilizadas na mensuração do crescimento dos animais. Na raça Crioula, três medidas corporais são utilizadas como padrão para fins de registro de machos e fêmeas, sendo elas a altura, o perímetro de tórax e o perímetro de canela. De modo geral, a definição do crescimento dos potros de acordo com o padrão de cada raça é importante devido a relação existente entre o crescimento e a ocorrência das doenças ortopédicas (Thompson, 1995). De acordo com Pimentel et al. (2018), tanto o resultado funcional, como o morfológico, nas provas do Freio de Ouro, considerada uma das principais provas de seleção da raça, são influenciados por características morfológicas sendo, portanto, necessário que os potros tenham um desenvolvimento adequado desde o seu nascimento.
A utilização de modelos matemáticos em pesquisas com animais tem sido cada vez mais comum, já que o conhecimento da curva de crescimento de cada indivíduo permite ajustar práticas de manejo, priorizando cada fase do desenvolvimento, conforme suas necessidades nutricionais. De modo geral, com o uso de curvas de crescimento é possível descrever o processo de desenvolvimento em poucos parâmetros de interpretação biológica. Dessa forma, em diversas espécies de animais, os modelos não lineares são utilizados na descrição das curvas de crescimento, facilitando a interpretação e compreensão do desenvolvimento animal, já que permitem que um conjunto de informações, como peso por idade, seja resumido em um pequeno número de parâmetros (Oliveira et al., 2000).
De modo geral, os modelos não lineares indicados como melhores no ajuste da curva de crescimento em determinada espécie e/ou raça podem não ser adequados para outras. Entre os modelos considerados na avaliação de curvas de crescimento em animais, os de Gompertz, Logístico, Bertalanffy, Brody e Richards são os mais comumente utilizados. Em bovinos da raça Hereford, Mazzini et al. (2005) descreveram a evolução do peso do nascimento aos 720 dias com o uso de modelos não lineares de Brody, Gompertz, Logístico e Von Bertalanffy, sendo que entre eles, os modelos de Gompertz e Von Bertalanfy apresentaram os melhores ajustes. Utilizando pesos do nascimento aos dois anos de idade e modelos não lineares de Brody, Von Bertanlanffy, Richards, Logístico e Gompertz para avaliar o crescimento de bovinos da raça Nelore, Malhado et al. (2009) reportaram ajustes mais adequados com o uso dos modelos Logístico e Gompertz.
Na literatura são reportados poucos estudos utilizando modelos não lineares na avaliação de curvas de crescimento em equinos. Estudando a curva de crescimento de potros da raça Crioula do nascimento aos 24 meses de idade, Suñe (2017) reportou que 74% dos animais avaliados atingiram a altura adulta nos dois primeiros meses de vida, indicando que nem todos os animais da raça Crioula conseguem atingir a altura exigida pela ABCCC aos 24 meses de idade. Ao estudar a curva de crescimento do cavalo Pantaneiro, Santos et al. (2007) avaliaram o ajuste de cinco modelos não lineares (Brody, Richards, Gompertz, Logístico e Weibull) para medidas de peso e altura da cernelha mensurados do nascimento até a idade adulta. Os autores indicaram o modelo de Richards como o melhor para se estimar a altura da cernelha e o modelo de Weibull para o peso. De modo semelhante, Onoda et al. (2011) reportaram o modelo de Richards como o de melhor ajuste para o peso corporal de machos da raça Puro Sangue Inglês. Por outro lado, avaliando a curva de crescimento para a altura da cernelha mensurada aos 24 meses de idade em cavalos do Exército Brasileiro, Dorneles (2017) indicou os modelos de Brody (1924) e Bianchini Sobrinho como os melhores.
Considerando assim, o reduzido número de estudos com equinos e a importância das medidas morfométricas na padronização de animais da raça Crioula, o presente trabalho se torna relevante, com a possibilidade de uso dos resultados obtidos em decisões de seleção e manejo diário realizado nos criatórios, visando aumentar a produtividade, minimizar os erros de manejo na fase inicial de vida dos potros e nos setores nutricional e sanitário, contribuindo positivamente com o bem-estar e permitindo que os animais apresentem um desempenho satisfatório ao longo da vida.

Metodologia

Serão utilizadas informações de peso, altura, perímetro de tórax e de canela medidas do nascimento aos dois anos de idade em 75 potros da raça Crioula, mantidos em sistema extensivo de criação em uma propriedade particular localizada em Jaguarão/RS. Após o nascimento, os potros foram identificados de acordo com as mães e, após a desmama a identificação foi realizada através da resenha, que inclui o nome, registro do proprietário, data de nascimento, sexo, pelagem e filiação.
O peso corporal foi mensurado através de uma balança convencional, de 1.500kg, modelo caixa, onde os potros foram conduzidos para dentro da mesma e foram pesados individualmente. A medida de altura foi obtida com a utilização de um hipômetro (modelo alemão), com os potros posicionados com os quatro membros apoiados no solo, em piso horizontal e uniforme. O hipômetro foi elevado no ponto mais alto da cernelha, onde foi realizada a leitura na escala posicionada na haste do equipamento. O perímetro de tórax foi mensurado com o uso de uma fita métrica, passando ao final da cernelha, na altura aproximada da nona costela, e ventralmente por trás do apêndice xifoide, sendo a leitura feita no final de uma expiração. O perímetro de canela foi obtido com o animal posicionado de forma que os membros anteriores ficassem posicionados em um plano horizontal, plantados ao chão. Com a fita métrica, a canela foi envolvida no nível do terço medial do terceiro metacarpiano do membro anterior esquerdo.
A utilização de metodologias que auxiliem o entendimento do crescimento e desenvolvimento animal tem sido de grande importância no estudo de características zootécnicas. De modo geral, esse conhecimento envolve conceitos matemáticos e estatísticos. Diante deste cenário, se torna fundamental conhecer, além do desenvolvimento animal e sua fisiologia, a relação existente entre duas variáveis quantitativas, buscando descrever o comportamento de uma variável chamada dependente, em função da outra, conhecida como variável independente (Draper e Smith, 1998; Hoffmann e Vieira, 1998, De Souza, 2017). Os modelos de regressão podem ser utilizados para descrever essa relação, sendo divididos em lineares e não lineares.
No que se refere a curva de crescimento, os modelos não lineares desenvolvidos para relacionar o peso e a idade têm-se mostrado mais adequados (Malhado et al., 2009), sendo os mais indicados e aplicáveis nesse tipo de evento (De Souza, 2017). Esses modelos matemáticos facilitam a interpretação e compreensão do desenvolvimento animal, já que permitem que os conjuntos de informações em séries de peso por idade sejam condensados em um reduzido número de parâmetros (Oliveira et al., 2000). Na presente proposta serão utilizados os modelos não lineares de Brody, Logístico, Gompertz e Von Bertanlanffy visando determinar o que melhor descreve o desenvolvimento dos animais para as características estudadas.

Indicadores, Metas e Resultados

Considerando a importância social e econômica da raça Crioula no Brasil, e a relevância das medidas morfométricas na padronização e seleção dos animais, o conhecimento das curvas de crescimento para peso, altura e perímetro de tórax e de canela, além da definição do melhor modelo não linear para cada característica estudada, deve auxiliar os criadores em decisões de seleção e em ajustes de manejo, caso necessário. Os resultados obtidos no presente trabalho também podem ser utilizados como base para novos estudos com a raça.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANELISE MARIA HAMMES PIMENTEL8
ARIONE AUGUSTI BOLIGON9
JULIANA PEREIRA FONSECA
MARJANA COLOMBI MARTINS

Página gerada em 02/07/2022 14:05:58 (consulta levou 0.067402s)