Nome do Projeto
Qualificação Urbana Participativa
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
15/05/2017 - 31/12/2019
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas
Eixo Temático (Principal - Afim)
Meio ambiente / Direitos Humanos e Justiça
Linha de Extensão
Desenvolvimento urbano
Resumo
O Projeto “Qualificação Urbana Participativa” tem o objetivo de desenvolver intervenções comunitárias participativas no campo da arquitetura e urbanismo, engenharia civil e ambiental, geografia e áreas afins, que promovam a qualificação do espaço urbano de regiões socialmente deprimidas e ambientalmente frágeis. Atua em quatro linhas de assessoria através de projetos participativos: a) calçadas e acessibilidade; b) muros e cercas e limites do público/privado; c) vegetação e meio ambiente e d) coleta de resíduos sólidos e sustentabilidade. Surgiu dentro do contexto do Programa Vizinhança, que consiste numa iniciativa da Universidade Federal de Pelotas em estabelecer uma relação de reciprocidade com a comunidade vizinha ao Campus Porto instalado em 2008 no Antigo Frigorífico Anglo. Esta iniciativa inseriu­-se em 2009 como uma prioridade no contexto da UFPel e especificamente da Pró­Reitoria de Extensão e Cultura, a partir de uma concepção de que a instalação da UFPel em uma área da cidade de alta vulnerabilidade econômica e social requer da universidade uma função pró­-ativa no sentido de disponibilizar a experiência acadêmica com vistas a revitalizar a área e a melhorar a qualidade de vida daqueles que ali residem. Atuando desde essa data já realizou o DRUP – Diagnostico Rápido Urbano Participativo na comunidade da Balsa, que priorizou o projeto da pavimentação, finalmente em fase final de execução em 2017. Também foram realizados o projeto de urbanização e dotação de equipamentos da Praça do PAC Anglo, bem como ações de educação ambiental nos temas da arborização urbana e disposição de resíduos sólidos, todos realizados em conjunto com os habitantes do local. Recentemente assessoramos a liderança comunitária do PAC Anglo para a realização de atividades de esporte e educação complementar na sede da Associação Comunitária, hoje em processo de implementação. Nessa nova etapa o Projeto pretende aprofundar as quatro linhas de assessoria mencionadas e estender essas ações às demandas de outras comunidades, iniciando pela comunidade do loteamento Navegantes, também situada na região de abrangência imediata do Campus Anglo da UFPEL.

Objetivo Geral

Objetivo Geral: Desenvolver intervenções comunitárias participativas no campo da arquitetura e urbanismo, engenharia civil e ambiental e geografia e áreas afins, que promovam a qualificação do espaço urbano de áreas socialmente deprimidas.
Objetivos Específicos: 1) Realizar um novo diagnostico urbano participativo (DRUP) com a comunidade da Balsa das condições da infraestrutura e serviços urbanos e de suas prioridades atuais, 2) Ampliar a aplicação do DRUP para a comunidade do Navegantes; 3) desenvolver ações de educação ambiental e de assessoria em quatro linhas de ação através de projetos participativos: a) calçadas e acessibilidade; b) muros e cercas e limites do público/privado; c) vegetação e meio ambiente e d) coleta de resíduos sólidos e sustentabilidade, 4) Aplicar os conteúdos desenvolvidos junto ao Projeto de pesquisa SOCIOTIC/MORAR TS/FINEP e consolidados na Cartilha de Melhorias da Ambiência Urbana (arborização, calçadas, muros e cercas, coleta de resíduos).

Justificativa

Entendemos que cada sociedade, ao se organizar territorialmente, cria uma rede de forças na qual os indivíduos estabelecem relações entre si e os demais componentes ambientais. A ocupação humana caracteriza­-se por ser um processo rápido e muitas vezes indiscriminado, que resulta na alteração da paisagem natural das regiões. Tais relações podem explicar a degradação socioambiental na construção de espaços urbanos. Uma historia recente de fechamento das industrias, desemprego, redirecionamento da expansão da cidade para outros eixos que não o portuário, abandono da infra­estrutura publica pelo poder publico resultou num ambiente urbano degradado, sem nenhuma assistência técnica para sua melhoria ou manutenção. A Ocupação Balsa é constituída de antigos loteamentos populares e de ocupações de baixa renda junto aos canais, diques e vias de acesso, numa área de grande beleza e fragilidade ambiental e graves déficits na infra­estrutura urbana e qualidade do espaço público. Essa foi urbanizada sem um prévio planejamento, como também foi identificado, um avançado estágio de degradação ambiental, decorrente de um complexo de problemas sociais, econômicos e políticos vinculados à estrutura produtiva, às ações do poder público e a fatores sócio­ culturais.
A primeira etapa do projeto Qualificacao Urban Participativa foi iniciada em 2009 com um levantamento aplicado em conjunto com alunos da Escola Ferreira Viana e comunidade da Região da Balsa sobre qual a percepção destes em relação ao espaço ambiental em que viviam, para logo, atuar mais diretamente na sensibilização e conscientização em relação à preservação, conservação e respeito às áreas de uso público e coletivo, ressaltando sua importância na qualificação da vida cotidiana da comunidade. Deste levantamento foram estabelecidas as diretrizes para as acoes de qualificação urbana, iniciando pelo projeto conjunto com a Secretaria Municipal de Obras e solicitação de recursos para pavimentação. Foram obtidos recursos pela PMPEL junto ao PAC Urbanização de Assentamentos Precários, mas não implementados. Na gestão de Eduardo Leite o projeto foi reenviado ao governo federal, obtendo recursos do PAC Pavimentação. As obras estão em fase de finalização, mas foram somente pavimentadas as vias principais.
No ano de 2016 o principal foco do projeto de extensão foi o projeto e implementação da praça do loteamento PAC Anglo, comemorando em 2017 um ano de sucesso da apropriação e cuidado da praça pela comunidade. Ações educativas para a coleta de resíduos recicláveis foram realizadas no período acadêmico e no de férias. Foram realizadas oficinas de uso do Software Motivação nas dependências do GEGRADI/FAURB com alunos da Escola Municipal Ferreira Viana da região da Balsa, em parceria com o projeto de pesquisa SOCIOTIC/MORAR TS. Foi realizada a Oficina de Lambe na praça da comunidade por ocasião da festa do primeiro aniversário da requalificação da Praça do Loteamento Anglo.
Em janeiro de 2017 se iniciou nova fase de assessoria, o projeto de extensão auxiliando o estabelecimento de atividades junto ao Centro Comunitário, como forma de mobilizar a comunidade para aderir à associação comunitária do bairro. Estão em curso atividades de Moay Tai, capoeira, ginastica e dança feminina, leitura complementar e aulas de futebol infantil. O fortalecimento da Associação certamente possibilitara o desenvolvimento das assessorias relativas as melhorias urbanas que ainda se fazem necessárias. A pavimentação do leito carroçável do percurso do ônibus criou uma nova realidade para as calcadas, que necessitam de tratamento adequado de pisos e verdes.
Também ao longo de 2016 as atividades da FAUrb se aproximaram do bairro Navegantes, com a inserção desta área como estudo de caso da pesquisa “Place-Making with Older People: Towards Age Friendly Communities”, financiada pelo fundo Newton. Além da continuidade da assessoria na região da Balsa, o projeto de extensão de Qualificação Urbana iniciará o dialogo com a comunidade do Navegantes, buscando se integrar às ações já em curso com a UFPEL.

Metodologia

Este projeto de extensão, visa atuar como um agente de transformação, atuando para a qualificação do espaço urbano das comunidades parceiras. Para atingir seus objetivos desenvolverá suas ações segundo a seguinte metodologia:
1. Levantamento de dados relativos as ações municipais e estaduais de planejamento espacial da área onde se insere a Ocupação Balsa e Navegantes; 2. Realização do DRUP -Diagnostico Rápido Participativo na Balsa; 3. Realização do DRUP -Diagnostico Rápido Participativo no Navegantes, 4. Efetuar assessoria à comunidade através de oficinas sobre os temas a) calçadas e acessibilidade; b) muros e cercas e limites do público/privado; c)arborização e meio ambiente e d) coleta de resíduos sólidos e sustentabilidade, 5. Avaliar e divulgar junto a comunidade as ações realizadas.

Indicadores, Metas e Resultados

Promover a troca de experiências entre moradores e futuros profissionais arquitetos-urbanistas;
Diagnosticas as novas necessidades da comunidade relativas a qualificação urbana de seu bairro.
Aplicar a Cartilha de Melhorias da Ambiência Urbana (arborização, calçadas, muros e cercas, coleta de resíduos). com recomendações projetuais para orientar a qualificação das ruas e áreas públicas das comunidades.
Conscientizar os moradores sobre procedimentos de uso e manutenção dos equipamentos, mobiliário urbano e infraestrutura urbana.


Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANE BORDA ALMEIDA DA SILVA2
ANELIZE SOUZA TEIXEIRA
ANNA PAULA DO NASCIMENTO SEABRA
BRUNA ANTIQUEIRA DA SILVA
BRUNA SILVA RODRIGUES
CLARA FRANCISCA DE OLIVEIRA MEDINA
DIULY NESKE GARCIA
ELAINE MOURA DA SILVA
EMILY SCHIAVINATTO NOGUEIRA
FREDDY DA PAZ ILHA
GILCIANE JANSEN RECONDO
GUSTAVO BENEDETTI SANTIAGO
GYOVANA BORGES PERIN
HENRIQUE GRANZOTTO DOS SANTOS
JULIANE PERES BERWALDT
KARINA DOS SANTOS MOURA
KAROLINE OLIVEIRA TUCHE
LAIS EWALD BASTOS
LIZIANE DE OLIVEIRA JORGE2
LUANA HELENA LOUREIRO ALVES DOS SANTOS
LUCIELE DOS SANTOS OLIVEIRA
LUÍSA DE AZEVEDO DOS SANTOS
MARCELA DA ROSA DIAS
MARCELA DA ROSA DIAS
MARINA LOPES BARRA
MATHEUS GOMES BARBOSA
MURILO SCHEVITTEZ ENKE
NIRCE SAFFER MEDVEDOVSKI6
RAFAEL OLIVEIRA CORRÊA LUZ
SIDNEY GONÇALVES VIEIRA4
SÍLVIO FREDERICO DA SILVA CHAIGAR
TANARA GOMES DA COSTA
VANESSA FORNECK

Página gerada em 22/01/2020 15:32:16 (consulta levou 0.124097s)