Nome do Projeto
Saúde Mental e Dor Dentária em crianças e adolescentes do Brasil: Resultados da PeNSE 2012 e 2015.
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
31/05/2022 - 19/12/2022
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
A dor é uma experiência subjetiva e pessoal que produz efeitos físicos, sociais e psicológicos, influenciando a qualidade de vida. O relato mais frequente de dor dentária é devido à cárie avançada. Existe uma forte relação entre depressão e hábitos deletérios, como por exemplo, alto consumo de açucares e má higiene. Assim, o objetivo deste trabalho será descrever a prevalência de dor dentária segundo a saúde mental e características socioeconômicas de crianças e adolescentes participantes da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) nos anos de 2012 e 2015. Este estudo será realizado utilizando dados de duas edições da PeNSE (Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar) realizadas nos anos de 2012 e 2015. A PeNSE é uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apresenta uma amostra representativa da população escolar brasileira, com alunos de 13 a 17 anos, matriculados na rede pública e privada em áreas urbanas e rurais do país. As edições de 2012 e 2015 da PeNSE pesquisou diversos assuntos, como por exemplo a condição socioeconômica, demográfica, saúde bucal, saúde mental e contexto escolar. As variáveis a serem utilizadas nesse estudo foram coletadas através dos mesmos instrumentos nas duas edições da pesquisa. O desfecho avaliado neste estudo será a dor de dente, através da pergunta: “Nos últimos 6 meses, você teve dor de dente? (excluir dor de dente causada por aparelho)?”, podendo ser respondido com “Sim e Não”. As exposições relacionadas a saúde mental foram avaliadas pelas perguntas: “Durante os últimos 12 meses com que frequência tem se sentido sozinho”, “Durante os últimos 12 meses, com que frequência você não conseguiu dormir à noite porque algo o(a) preocupava muito?”. A terceira pergunta foi: “Quantos amigos ou amigos próximos você tem?”. Para análise dos dados, serão calculadas as frequências absolutas, relativas e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%), através do teste Qui-quadrado de Pearson, o comando svy para efeito de delineamento. Será utilizado o programa estatístico Stata 15.0 (Stata Corp, College Station, TX, EUA).

Objetivo Geral

Investigar e comparar a associação entre marcadores de saúde mental e o relato de dor dentária entre os escolares brasileiros participantes da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) nos anos 2012 e 2015.

Justificativa

A dor dentária é reconhecida como um sintoma comum, consequente de doenças ou traumatismos bucais. Através da dor dentária são produzidos sinais e sintomas que causam efeitos físicos, sociais e psicológicos, influenciando o cotidiano e a qualidade de vida. Por conseguinte, pode influenciar no desenvolvimento, crescimento, socialização e autoestima. Por tanto, é necessário estudar sobre a associação de marcadores de saúde mental e relato de dor dentária.

Metodologia

Estudo observacional transversal a ser realizado com dados secundários da PeNSE anos 2012 e 2015. Será reportado segundo as recomendações do guia STROBE para estudos observacionais adaptado para o português (von Elm et al., 2008; Malta et al., 2010).
A PeNSE é uma pesquisa nacional sobre a situação de saúde dos escolares envolvendo os alunos do 9º ano, e estudantes de 13 a 17 anos de idade que estavam frequentando do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e da 1ª a 3ª série do ensino médio. A pesquisa encontra-se em sua quarta edição, sendo todas realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com o Ministério da Saúde. Maiores detalhes metodológicos podem ser encontrados nas publicações da PeNSE (IBGE, 2013; IBGE, 2016).
A PeNSE em ambos os anos (2012 e 2015) foi composta por uma amostra representativa da população escolar brasileira que frequentavam regularmente escolas públicas ou privadas localizadas em áreas urbanas ou rurais. Foram consideradas as 26 capitais dos estados, e o Distrito Federal, distribuído nas cinco macrorregiões brasileiras (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste).
No ano de 2012, a pesquisa foi composta por uma única amostra de alunos do 9º ano do ensino fundamental (n= 109.104). Enquanto no ano de 2015, a amostra foi composta por alunos do 9º ano (n = 102.301), e por alunos de 13 a 17 anos das demais séries de ensino fundamental e médio (n = 10.926). A avaliação amostral foi realizada em três estágios de seleção. No primeiro foram selecionados os municípios ou grupos de municípios (Unidade Primária de Amostragem - UPA), no segundo as escolas (Unidade Secundária de Amostragem - USA), e no terceiro as turmas (Unidade Terciária de Amostragem - UTA) (IBGE, 2013; IBGE, 2016).
Ambas as edições da PenSE, 2012 e 2015, estão de acordo com as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos e foram aprovadas pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisas do Ministério da Saúde (CONEP/MS) sob os pareceres Conep n. 16.805 e n. 1.006.467, respectivamente.
A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário eletrônico autopreenchido, sob a supervisão de pesquisadores previamente treinados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Neste é abordado questões relacionadas às características socioeconômicas, comportamentais e escolar dos participantes, como contexto familiar, atividades escolares, hábitos em saúde geral, bucal, sexual e reprodutiva; assim como outras questões (IBGE, 2013; IBGE, 2016).
A dor dentária será considerada o desfecho deste estudo. Foi avaliada através da mesma pergunta nas duas edições da pesquisa: “Nos últimos 6 meses, você teve dor de dente? (excluir dor de dente causada por aparelho ortodôntico)?”, com as alternativas de resposta: sim e não.
A exposição considerada neste estudo será saúde mental dos escolares, mensurada através de três marcadores da saúde mental. Estes marcadores foram avaliados através de perguntas similares nas duas edições. As perguntas relacionadas a sentir-se sozinho e ter insônia foram: “Durante os últimos 12 meses com que frequência tem se sentido sozinho(a)?”; e “Durante os últimos 12 meses, com que frequência você não conseguiu dormir à noite porque algo o(a) preocupava muito?”, respectivamente, com as alternativas de resposta: nunca, raramente, às vezes, na maioria das vezes e sempre. Para fins analíticos, estas duas perguntas foram dicotomizadas em não (alternativas nunca, raramente e às vezes) e sim (alternativas na maioria das vezes e sempre). A terceira pergunta é relacionada ao fato de ter amigos: “Quantas amigas ou amigos próximos você tem?”, com as alternativas de resposta zero (nenhum amigo), 1, 2, 3 ou mais”. Para fins de análise, esta pergunta será dicotomizada em nenhum (0 amigos) e 1 ou mais amigos (alternativas 1, 2, 3 ou mais amigos).
As covariáveis consideradas neste estudo serão: região do país (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-oeste), sexo (masculino e feminino), idade ((≤ 13 anos, 14 anos, 15 anos e ≥16 anos), cor da pele (branca, preta, parda e outras) e escolaridade materna (nenhuma escolaridade, ensino fundamental incompleto, ensino fundamental completo, ensino médio completo e ensino superior completo).
As análises estatísticas serão realizadas com o programa Stata (Stata Corp, College Station, TX, EUA) e o comando svy (survey) será usado considerando-se o efeito de delineamento. Será realizada uma análise descritiva com teste Qui-quadrado de Pearson, de todas as variáveis de interesse e segundo o desfecho dor dentária, apresentando as frequências absoluta e relativa, com respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%). Para cada marcador de saúde mental, um modelo de análise bruta e ajustada será realizado utilizando Regressão de Poisson, sendo a Razão de Prevalência (RP) a medida de efeito adota, com um nível de significância de 5% (IC95%). As análises ajustadas serão realizadas com base na adaptação do modelo conceitual teórico de Bastos et al. (2007).

Indicadores, Metas e Resultados

De acordo com a associação dos resultados obtidos nas duas edições da PeNSE, espera-se encontrar associação entre marcadores de saúde mental e dor dentária em crianças. Através da revisão de literatura é possível observar que a percepção dor dentária é influenciada por diversas características demográficas, socioeconômicas, psicossociais e clínicas, causando impacto negativo na percepção da saúde bucal.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
EDUARDA CAMARGO DA SILVA
EDUARDO DICKIE DE CASTILHOS1
GABRIEL SCHMITT DA CRUZ
MARIANA GONZALEZ CADEMARTORI2
SARAH ARANGUREM KARAM

Página gerada em 23/07/2024 06:43:22 (consulta levou 0.091907s)