Nome do Projeto
Nichos Sócio-Técnológicos Rurais
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
14/04/2022 - 31/03/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
Na literatura, transição tecnológica, é um processo coevolucionário que se estende por décadas e envolve distintos atores e grupos sociais. A análise de uma transição tecnológica, sob uma perspectiva especial, pode ser aplicada como transição sociotécnica e sob essa concepção específica, a tecnologia só tem efeito em conjunto com a ação humana, com as estruturas sociais e as organizações. A partir disso, quando ocorre uma transição, essa não envolve apenas a mudança de uma tecnologia para outra, mas também mudanças em outros elementos como regulamentações, infraestruturas, padrões culturais etc. (GEELS, 2002). A transição sociotécnica envolve mudanças de longo alcance através de diferentes dimensões: tecnológica, material, organizacional, institucional, política, econômica e sociocultural (MARKARD et al., 2012). Compreende-se por nicho o local de onde surgem inovações radicais com atores heterogêneos (usuários, produtores, autoridades públicas e outros), que trabalham em diferentes direções, com redes enxutas, regras difusas e pouca estabilidade. Podem ser laboratórios de P&D, projetos de demonstração subsidiados por recursos públicos ou privados, pequenos nichos de mercado ou ter a forma de nichos tecnológicos. Possuem relevância por permitirem espaço para processos de aprendizagem em várias dimensões como tecnologia, preferências de usuário, regulamentos, infraestrutura e significado simbólico. A região da Campanha Gaúcha se caracteriza historicamente pela produção da pecuária. Tal produção se destaca desde os primórdios da ocupação destas terras até os dias de hoje, caracterizando-se como atividade econômica importante para o setor primário e para a região. No século XX teve nessas terras o início da produção orizícola que registra expansão de área produtiva no decorrer do tempo, mesmo diante de adversidades como crises no setor, intempéries e outros. Mais recentemente a soja foi inserida e vem ocupando destaque, assim como ocorreram projetos na área da silvicultura e surge gradativamente a potencialidade da olivicultura. Paralelamente e somente posteriormente à cultura da pecuária e do arroz, é que houve incentivo à produção de uvas e vinhos fazendo surgir e ampliar a vitivinicultura com estabelecimento de diversas vinícolas e produtores de variadas proporções. O presente trabalho parte da premissa que a abordagem teórica das “Transições Sociotécnicas” pode contribuir para a compreensão sobre “trajetória inovadora dos regimes sociotécnicos” presentes na campanha gaúcha, que aponte os fatores envolvidos e como eles se combinam nesse processo. Não obstante, em termos teóricos, atualmente há uma lacuna nos estudos de transição que se concentram no fato de compreender quais são os fatores ou elementos, ou a combinação desses, que favorecem a adoção de uma tecnologia, ou conduzem à inovação tecnológica (GENUS, 2015) Desta forma, como contribuição teórica o trabalho pretende: 1) somar esforços à aplicação da teoria já existente em estudos de transição; 2) sistematizar os fatores contribuintes à adoção do regime sociotécnico: 3) avaliar estes fatores na adoção dos regimes sociotécnicos presentes na Campanha Gaúcha com vistas a formulação de futuras estratégias que contribuam com os decisores políticos.

Objetivo Geral

Objetivo geral
-Analisar a trajetória dos nichos sociotecnológicos agroindustriais da Campanha Gaúcha.

Objetivos específicos

Descrever brevemente os nichos sociotécnicos presentes na Campanha Gaúcha.

Descrever a evolução dos nichos sociotécnicos agroindustriais na Campanha Gaúcha;

Identificar os fatores que contribuem para evolução dos nichos sociotécnicos;

Propor um sistema de avaliação dos nichos socio tecnológicos.

Justificativa

Vê-se nos estudos de transição sociotécnica, em especial através do framework PMN a possibilidade de se avaliar com mais amplitude distintos contextos sociotécnicos e suas configurações. Compreende-se que uma análise adequada de transição possa contribuir com esforços de gestão e que isso influencie positivamente a estruturação e continuidade de processos de transformação. Embora já existam estudos de transição no ambiente do agronegócio, esses não correspondem a maioria dos trabalhos. Sugere-se que a abordagem teórica das “Transições Sociotécnicas” possa ser aplicada em um contexto distinto daqueles apresentados com maior frequência até a atualidade, em geral em pesquisas de sustentabilidade.

Metodologia

Estudos de casos múltiplos: tecnologias de produção de aves livres de gaiolas, feijões criolos, uso sustentável dos butiazais.

Para definir as etapas de pesquisa utilizou-se dos procedimentos propostos por (BERGEKet al., 2008), porém adaptado para que se evidencie também as atividades desenvolvidas em cada função. Os autores propõem 6 etapas para analisar um sistema de inovação tecnológica. Porém adicionou-se uma nova etapa relativa a definição do estágio de desenvolvimento do TIS. Esta é uma etapa no qual (BERGEKet al., 2008) considera uma subetapa da Etapa 4 de análise da funcionalidade e das metas do TIS. Entretanto, considerando a importância deste conhecimento para a compreensão do TIS em análise, decidiu-se incluí-la como mais uma etapa de pesquisa. Ao final as etapas de pesquisa são: 1°Definição da TISde análise,2° identificação das etapas de evolução do TIS,3°identificação dos componentes estruturais (atores, redes, instituições); 4° Identificação das funções e atividades do sistema;5° análise da funcionalidade e das metas; 6° Identificação dos fatores restritivos e de indução;7° Proposição de temas chaves para a TIS.
O desenho da pesquisa retrata as atividades que serão desempenhadas pelos autores durante o processo de construção deste trabalho e estão expostas conforme Figura2. Figura 02. Visão geral do desenho de pesquisa.Fonte: Adaptado de Bergek et al., (2008).

Indicadores, Metas e Resultados

Metas associadas:

-Orientação de duas dissertações de mestrado sobre o tema;

- Elaboração de dois artigos científicos, para submissão a periódicos nacionais e internacionais Qualis B1 ou superio

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE ACOSTA MATHIES
JONATAS DA SILVA DE OLIVEIRA
LETICIA MENDES DA COSTA
LILIANA MARCELA SCOPONI
MARCELO FERNANDES PACHECO DIAS5
TANISA DIAS ANDRADE

Página gerada em 08/02/2023 01:11:22 (consulta levou 0.075462s)