Nome do Projeto
Escalada e Montanhismo para a comunidade
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/08/2022 - 01/08/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Meio ambiente
Linha de Extensão
Esporte e lazer
Resumo
Os esportes radicais ou de aventura possuem características singulares que os diferenciam dos demais esportes. Após as primeiras competições em paredes de escalada indoor nos anos 80 o esporte evoluiu consideravelmente e em 2016, o Comitê Olímpico Internacional (COI) definiu a entrada de três modalidades classificadas como esportes radicais ou de aventura para os Jogos Olímpicos de Tóquio, o skate, o surfe, e a escalada. Neste sentido, este projeto de extensão tem como objetivo desenvolver atividades esportivas relacionadas ao treinamento das técnicas da escalada e atividades de conservação e conscientização ambiental relacionadas a cultura da escalada e do montanhismo para a comunidade da região de pelotas. Além disso, o projeto de extensão pretende aproximar a comunidade acadêmica das atividades de escalada e montanhismo em todos seus aspectos, desde a complexidade das técnicas que envolvem este novo esporte olímpico até os aspectos a educação ambiental.

Objetivo Geral

Desenvolver atividades práticas e teóricas de escalada e montanhismo para a comunidade.

Justificativa

Os esportes radicais ou de aventura possuem características singulares que os diferenciam dos demais esportes. Segundo Costa (2000) os esportes que tem como características a aventura e o risco rompem de certa forma com a prática esportiva convencional. Padiglioni (1995) afirma que a presença do esporte não convencional no cenário esportivo é marcada pelo risco e aventura, pela individualidade, no qual as regras são muitas vezes definidas pelo ambiente de prática.
A partir de 1970 quando os chamados “esportes californianos” ganharam visibilidade, como o BMX, o surf, o skate e o voo livre, a escalada e o montanhismo já se consolidavam enquanto esporte. As grandes explorações da história da humanidade contribuíram para o pioneirismo da escalada, do montanhismo e das atividades de orientação em comparação com os demais esportes de aventura.
Após as primeiras competições em paredes de escalada indoor nos anos 80 o esporte evoluiu consideravelmente e em 2016, o Comitê Olímpico Internacional (COI) definiu a entrada das novas modalidades para os Jogos Olímpicos de Tóquio, incluindo o skate, o surfe, o caratê, o beisebol e a escalada (BRASIL 2016).
A escalada segundo Pereira (2007) a escalada é dividida em seis grandes grupos: a Escalada Esportiva; Big Wall; Livre; Boulder; Indoor e Gelo e Neve. Na Escalada Esportiva o praticante não objetiva o trajeto, porque as vias já estão traçadas, o foco baseia-se no tempo de escalada. O Big Wall é para escaladores mais experientes, que consiste em escalar monoblocos de rochas com mais de 500 metros de altura, já a escalada Livre o escalador deve subir utilizando a força e técnica, não podendo utilizar equipamentos permanentes nas rochas nem segurar em cordas ou nas proteções nas rochas. A Boulder consiste em escalar pequenos blocos de rochas, basicamente sem a utilização de equipamentos de segurança por serem alturas relativamente baixas. A Escalada em Gelo e Neve são progressões em montanha com paredes de neve ou gelo utilizando-se técnicas e equipamentos especiais, onde o escalador deve ter muita experiência. Por fim, a escalada Indoor possui como característica a parede de escalada artificial, na agarras e outras estruturas simulam as rochas naturais.
Neste sentido, este projeto de extensão tem como objetivo desenvolver atividades
esportivas relacionadas ao treinamento das técnicas da escalada e atividades de conservação e conscientização ambiental relacionadas a cultura da escalada e do montanhismo para a comunidade da região de pelotas. Além disso, o projeto de extensão pretende aproximar a comunidade acadêmica das atividades de escalada e montanhismo em todos seus aspectos, desde a complexidade das técnicas que envolvem este novo esporte olímpico até os aspectos a educação ambiental.


Metodologia

Os seguintes procedimentos metodológicos serão realizados para a realização deste projeto:

- Será realizada uma reunião com equipe executora para verificar a estratégia de divulgação do projeto;
- Serão desenvolvidas palestras sobre a prática da escalada e do montanhismo para a comunidade com intuito de aproximar as pessoas do projeto;
- Serão ministradas aulas práticas de escalada e montanhismo para a comunidade na parede de escalada do ginásio da ESEF/UFPel;
- Serão realizados treinamentos para grupos avançados e integrantes da APEM (Associação Pelotense de Escalada e Montamhismo)que ja praticam escalada e montanhismo;
- Os participantes

Indicadores, Metas e Resultados

As seguintes meta e indicadores serão esperados para este projeto:

-Palestras sobre escalada e montanhismo para a comunidade de pelotas;
-Aulas de iniciação a escalada e ao montanhismo na parede de escalada de ESEF;
-Treinamento de escalada para alunos mais avançados;
-Treinamento de escalda para os integrantes da APEM (Associação Pelotense de Escalada e Montamhismo)
-Apresentação de trabalho sobre o projeto na Semana Integrada de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPel;
- Divulgação e popularização dessa modalidade esportiva de aventura;
- Contribuição do projeto extensão no ensino de graduação.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CESAR AUGUSTO OTERO VAGHETTI4
GUILHERME TOMASCHEWSKI NETTO4
ISRAEL ISAQUE ARMSTRONG LOBATO LA BANCA
MÁRCIO DE ALMEIDA MENDES1

Página gerada em 30/01/2023 02:44:22 (consulta levou 0.072167s)