Nome do Projeto
QUALIDADE FISIOLÓGICA E SANITÁRIA DE SEMENTES DE PIMENTÃO SOB A INFLUÊNCIA DO USO DE GÁS OZÔNIO
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
21/07/2022 - 19/07/2024
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
A redução da germinação e do vigor de uma semente pode ser causada por patógenos (TALAMINI et al., 2010), onde os principais disseminadores de doenças, apodrecimento do solo, deterioração ao longo do armazenamento e a produção de micotoxinas são os fungos (VIEIRA, 2018).Devido à sua grande importância na economia e no consumo brasileiro, a utilização de técnicas adequadas para conservar a qualidade das sementes é de extrema relevância. No país, o pimentão é uma das hortaliças de maior importância econômica e consumo, ocupando significante área de plantio, sendo os principais produtores: Minas Gerais, São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Pernambuco, somando 87% da produção total (HFBRASIL, 2017). Em consequência da ausência de agroquímicos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a produção de sementes de pimentão torna-se um desafio no cenário brasileiro devido a dificuldade de manejo da cultura (HFBRASIL, 2017). Com isso, surge a necessidade de novos estudos a respeito da sanitização e controle de patógenos em sementes de pimentão. O gás ozônio (O3) é popular por ser um eficaz agente oxidante, sendo indicado para controle microbiano de fungos, bactérias, insetos e outros diversos contaminantes. Além disso, por não gerar resíduos não somente no ambiente, mas como no produto tratado, o ozônio tem uma grande vantagem quando comparado a outros agentes sanitizantes, onde uma vez que é gerado em excesso ele será degradado novamente a oxigênio (Rodrigues, 2018). Diversos estudos relatam a efetividade do ozônio como agente sanitizante, porém ainda não se sabe ao certo seu real efeito sobre sementes. Devido a isso surge a necessidade de avaliações a respeito de seu efeito na qualidade fisiológica e sanitária de sementes de pimentão. Diante do exposto, da grande importância econômica, no alto valor agregado em sementes híbridas de pimentão, assim como suas adversidades que dificultam a produção de sementes o presente estudo tem como objetivo avaliar a eficiência do gás ozônio no controle alternativo de fungos em sementes de pimentão.

Objetivo Geral

Avaliar a qualidade sanitária e fisiológica de sementes de pimentão após exposição ao gás ozônio.

Justificativa

O pimentão (Capsicum annuum) é uma cultura de grande importância no âmbito nacional e mundial. Seu cultivo destaca-se em diversos países, principalmente a China, Tailândia, Coréia do Sul, Índia, Japão, México, Estados Unidos e Brasil (Peñaloza, 2014).
No país, o pimentão é uma das hortaliças de maior importância econômica e consumo, ocupando significante área de plantio, sendo os principais produtores: Minas Gerais, São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Pernambuco, somando 87% da produção total (HFBRASIL, 2017).
Segundo os dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO (2020), em 2017, a produção em todo o Brasil, chegou ao marco de 79.371 toneladas. É possível produzir pimentão o ano todo, mas ele se desenvolve melhor em clima seco e ameno, com irrigação. O solo deve apresentar boa drenagem, pois, quando encharcado, pode resultar em apodrecimento das raízes.
De acordo com a literatura, sua origem se deu na região tropical dos continentes americanos, compreendendo o México, bem como a América Central e América do Sul, segundo Silva et al (2022).
Sua propagação é feita através de sementes e em virtude disso o controle sanitário e fisiológico apresenta grande importância para o sucesso de um bom estande de plantas e como consequência uma boa produtividade. A qualidade de uma semente nada mais é que o somatório de seus atributos genéticos, fisiológicos, sanitários e físicos (VIEIRA, 2018).
A redução da germinação e do vigor de uma semente pode ser causada por patógenos (TALAMINI et al., 2010), onde os principais disseminadores de doenças, apodrecimento do solo, deterioração ao longo do armazenamento e a produção de micotoxinas são os fungos (VIEIRA, 2018).
Devido à sua grande importância na economia e no consumo brasileiro, a utilização de técnicas adequadas para conservar a qualidade das sementes é de extrema relevância.
Em consequência da ausência de agroquímicos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a produção de sementes de pimentão torna-se um desafio no cenário brasileiro devido a dificuldade de manejo da cultura (HFBRASIL, 2017). Com isso, surge a necessidade de novos estudos a respeito da sanitização e controle de patógenos em sementes de pimentão.
O gás ozônio (O3) é popular por ser um eficaz agente oxidante, sendo indicado para controle microbiano de fungos, bactérias, insetos e outros diversos contaminantes. Além disso, por não gerar resíduos não somente no ambiente, mas como no produto tratado, o ozônio tem uma grande vantagem quando comparado a outros agentes sanitizantes, onde uma vez que é gerado em excesso ele será degradado novamente a oxigênio (Rodrigues, 2018).
Diversos estudos relatam a efetividade do ozônio como agente sanitizante, porém ainda não se sabe ao certo seu real efeito sobre sementes. Devido a isso surge a necessidade de avaliações a respeito de seu efeito na qualidade fisiológica e sanitária de sementes de pimentão.
Diante do exposto, da grande importância econômica, no alto valor agregado em sementes híbridas de pimentão, assim como suas adversidades que dificultam a produção de sementes o presente estudo tem como objetivo avaliar a eficiência do gás ozônio no controle alternativo de fungos em sementes de pimentão.

Metodologia

O trabalho será conduzido no Laboratório Didático de Análise de Sementes “Prof. Flávio Farias da Rocha” do Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, no Laboratório de Agrotecnologia e no Laboratório de Sanidade de Sementes, todos pertencentes à Universidade Federal de Pelotas, no período de setembro 2021 a maio 2023. Serão utilizados 4 lotes de sementes de pimentão das cultivares Brasiliano, Maria Bonita, Inacio e Wallace, fornecidas pela empresa Feltrin.

Teste de sanidade
Para detecção dos fungos em sementes de pimentão será realizada uma avaliação da qualidade sanitária dos 4 lotes de sementes de pimentão através do método “Blotter Test”, utilizando 200 sementes para cada cultivar, divididas em duas subamostras de 25 sementes para cada repetição de 50 sementes.
As sementes serão semeadas em caixas plásticas do tipo “gerbox”, previamente desinfestadas com álcool 70% e hipoclorito de sódio a 1%, contendo duas folhas de papel mata-borrão esterilizado, sendo umedecidas com água destilada e esterilizada. Após esse processo, as sementes serão incubadas à 25ºC, com fotoperíodo alternado (12 horas luz e 12 horas no escuro), durante sete dias (BRASIL, 2009). Posteriormente as sementes serão analisadas com o auxílio de microscópio estereoscópio e óptico para a observação das estruturas morfológicas dos fungos com auxílio de bibliografia especializada (BARNETT; HUNTER, 1972), determinando-se o percentual de sementes infestadas por patógenos.

Tratamento de sementes de pimentão com ozônio
Serão utilizados 4 lotes de sementes de pimentão das cultivares Brasiliano, Maria Bonita, Inacio e Wallace, fornecidas pela empresa Feltrin. Será utilizada uma amostra de sementes testemunha, que será submetida aos seguintes testes: teor de água, germinação, primeira contagem, índice de velocidade de emergência, comprimento de plântulas, massa seca total, emergência em campo e “blotter test”. E outra amostra de sementes tratadas com gás ozônio, o qual é proveniente de um ozonizador da marca Panozon, modelo P+70 por um tempo de ozonização de 0, 30, 60, 90, 120 e 150 minutos.
As doses de ozônio aplicadas serão mensuradas por meio do método iodométrico descrito por Hoss (2020), serão utilizados dois frascos lavadores de gás, com 400 mL de iodeto de potássio 2% em cada frasco.
Após parar o borbulhamento, adiciona-se rapidamente 10 mL de ácido sulfúrico (2N), a fim de diminuir o pH. Transfere-se o líquido de cada frasco para dois Erlenmeyers de 1L e posteriormente devem ser enxaguados completamente os frascos lavadores com água destilada três vezes, retendo a água do enxágue no respectivo Erlenmeyer.
Titulou-se com Na2S2O3 até a solução ficar com uma coloração amarela pálida, em seguida adicionou-se 5mL do indicador amido no frasco, criando uma coloração azulada. Continuou-se titulando até o azul desaparecer e anotou-se o volume de titulante utilizado para cada frasco.

Dose de ozônio (mg⁄min)=((A+B).N.24)/T
Onde:
A = volume de titulante do frasco A (mL)
B = volume de titulante do frasco B (mL)
N = normalidade do Na2S2O3 (e)
T = tempo de ozonização (min)

Após receberem o tratamento com suas devidas doses, serão realizados os seguintes testes:
Teor de água das sementes - será determinado pelo método padrão de estufa a 105 ± 3 °C por 24 horas (BRASIL, 2009). Simultaneamente, será determinado o peso da matéria seca das sementes, sendo os resultados expressos em mg.semente-1.
Teste de germinação – serão utilizadas 400 sementes por repetição, totalizando quatro repetições de 100 sementes. As sementes serão semeadas em duas folhas de papel mata-borrão, umedecido com água destilada em quantidade equivalente a 2,5 vezes o peso do papel e acondicionadas em caixas tipo gerbox. Serão colocadas em um germinador à temperatura de 20-30°C. As avaliações serão realizadas aos 14 dias após a semeadura, sendo os resultados expressos em porcentagem de plântulas normais, segundo critérios estabelecidos pelas Regras para Análise de Sementes - RAS (BRASIL, 2009).
Primeira contagem de germinação - será realizada em conjunto com o teste de germinação com avaliação no sétimo dia após a semeadura, com os resultados expressos em porcentagem, conforme (BRASIL, 2009).
Emergência em campo - o teste de emergência em campo será implantado posteriormente a todo período de armazenamento, a fim de padronizar o ambiente de semeadura em campo. O procedimento de emergência em campo será implantado em canteiros, onde serão semeadas 200 sementes por repetição, totalizando 600 sementes analisados por tratamento. A avaliação será baseada na contagem final do total de plântulas emergidas por amostra, realizada 14 dias após a semeadura. O resultado final foi expresso em porcentagem de plântulas emergidas.
O delineamento experimental utilizado será o inteiramente casualizado com esquema fatorial (6 x 4) seis períodos de exposição (seis doses de ozônio) e quatro lotes de sementes. Os resultados gerados pela caracterização das amostras serão analisados através da comparação de médias pela análise de Duncan (5%) e pelo teste de regressão, através do programa WINSAT.

Indicadores, Metas e Resultados

Identificação dos principais patógenos presentes nas sementes de pimentão e verificação da eficiência do tratamento com gás ozônio no controle de alternaria.
Os dados fornecidos por este estudo auxiliarão produtores de sementes de pimentão no controle de fungos, de modo a aumentar a uniformidade das lavouras e sanar problemas referentes a qualidade sanitária das sementes de pimentão.
Uma dissertação
Um artigo científico

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMANDA MARTINS SILVA
GIZELE INGRID GADOTTI1
KARINE VON AHN PINTO
LUAN MARTIN AREJANO
MAURIZIO SILVEIRA QUADRO2
RAFAEL MIRITZ BARTZ
THALIA STRELOV DOS SANTOS

Página gerada em 19/04/2024 16:38:24 (consulta levou 0.139858s)