Nome do Projeto
Leucoplasia e eritroplasia intraoral em adultos jovens: Um estudo multicêntrico
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
29/08/2022 - 28/08/2023
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Resumo
As desordens orais potencialmente malignas (DOPMs) podem ser definidas como uma alteração na mucosa oral associada com aumento de risco de desenvolvimento de câncer. Atualmente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece as seguintes DOPMs: leucoplasia oral (LO), eritroplasia oral (EO), leucoplasia verrucosa proliferativa, fibrose submucosa oral, disceratose congênita, ceratose do tabaco sem fumaça, lesões palatinas em fumantes reversos, líquen plano oral, lesões liquenoides orais, lúpus eritematoso oral, doença do enxerto-versus-hospedeiro e queilite actínica. O presente estudo tem como objetivo avaliar a frequência, as características clínicas, demográficas e histopatológicas da LO e EO em adultos jovens, com base em um estudo retrospectivo em três Centros de referência em Patologia Oral: Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Serão selecionados os pacientes de até 45 anos, com diagnóstico clínico de LO ou EO, atendidos no período de 2012 a 2022 - e que possuam diagnóstico histológico referente ao diagnóstico clínico. Para cada caso selecionado, quando disponíveis, serão coletados: idade do paciente (em anos), sexo (masculino ou feminino), hábitos (tabagismo e etilismo), histórico familiar de câncer (grau de parentesco e localização anatômica primária), localização anatômica (ventre de língua, dorso de língua, borda lateral de língua, assoalho bucal, mucosa jugal, gengiva, palato duro e palato mole), aparência (homogênea ou não-homogênea), tamanho (centímetros), tempo de evolução (meses), diagnóstico histopatológico (Acantose e/ou Hiperceratose, Displasia Epitelial Leve, Displasia Epitelial Moderada, Displasia Epitelial Severa, Carcinoma in situ e Carcinoma Espinocelular) e acompanhamento (meses). Os dados serão padronizados e categorizados em uma planilha Excel® (Microsoft Windows, Redmond, Washington, EUA) a qual será disponibilizada para os Centros envolvidos. Os dados serão analisados por meio do software Statistical Package for the Social Science, versão 25.0 (SPSS, IBM® Armonk, New York, EUA).

Objetivo Geral

Avaliar a frequência das leucoplasias e eritroplasias orais que apresentem diagnóstico histopatológico - em pacientes com até 45 anos de idade.

Justificativa

LO e EO representam, respectivamente, as DOPMs mais comumente encontradas na prática clínica e as que apresentam maior risco de transformação maligna. A literatura é escassa sobre estudos que avaliam as características clínicas, demográficas e histológicas da LO e EO em adultos jovens (até 45 anos) - e até o presente momento, não existem estudos clínicos sobre o tema publicado em língua inglesa. A determinação da incidência bem como a caracterização de LOs e EOs nesta faixa etária é importante para que o clínico, estomatologista e patologista possam tomar decisões baseadas em evidências.

Metodologia

1 Aspectos Éticos
O projeto será submetido à aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas.

2 Delineamento
Estudo retrospectivo, transversal, em modelo humano.

3 Caracterização da Amostra
A amostra de conveniência será obtida a partir de três Centros de referência em patologia oral do Brasil: Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Serão selecionados os pacientes de até 45 anos, com diagnóstico clínico de LO ou EO, atendidos no período de 2012 a 2022 - e que possuam diagnóstico histológico referente ao diagnóstico clínico.
O risco de transformação maligna da DOPM em pacientes individuais é atualmente avaliado essencialmente com base na presença e gravidade da displasia epitelial, que constitui o padrão comumente usado para prever a progressão do câncer oral (Ramos-García et al., 2022). Em alguns pacientes portadores de DOPM, é possível que o CEC seja diagnosticado em uma primeira avaliação histológica. Pacientes que apresentem sinais e sintomas sugestivos da presença de CEC serão excluídos da amostra.
Serão considerados tabagistas os pacientes que fumaram mais de 100 cigarros na vida e que, fumaram pelo menos uma vez nos últimos trinta dias (Callaghan et al., 2021). Em relação ao consumo de álcool, serão considerados etilistas aqueles pacientes que beberem cerca de 5 ou mais bebidas (aproximadamente 60 gramas de etanol), pelo menos uma vez por mês (OMS, 2018).
Uma planilha Excel® (Microsoft Windows, Redmond, Washington, EUA) será desenvolvida (Anexo 1). Para cada caso selecionado, quando disponíveis, serão coletados: idade do paciente (em anos), sexo (masculino ou feminino), hábitos (tabagismo e etilismo), histórico familiar de câncer (grau de parentesco e localização anatômica primária), localização anatômica (ventre de língua, dorso de língua, borda lateral de língua, assoalho bucal, mucosa jugal, gengiva, palato duro e palato mole), aparência (homogênea ou não-homogênea), tamanho (centímetros), tempo de evolução (meses), diagnóstico histopatológico (Acantose e/ou Hiperceratose, Displasia Epitelial Leve, Displasia Epitelial Moderada, Displasia Epitelial Severa, Carcinoma in situ e Carcinoma Espinocelular) e acompanhamento (meses).

4 Análise Estatística
Os dados serão analisados por meio do software Statistical Package for the Social Science, versão 25.0 (SPSS, IBM ® Armonk, New York, EUA). Estatística descritiva será empregada para a avaliação da frequência.

Indicadores, Metas e Resultados

Com o presente estudo, espera-se ampliar o entendimento sobre o DOPMs (LO e EO) em adultos jovens, por meio da análise das características clínicas, demográficas e histopatológicas. Como resultados, espera-se encontrar relação de pacientes tabagistas e etilistas com graus mais severos de DEO além de realizar uma elaboração de um perfil clínico, demográfico e histopatológico daqueles pacientes que não expostos aos fatores de risco classicamente associados à malignização.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINI CARDOSO SOARES
ANA CAROLINA UCHOA VASCONCELOS1
ANA PAULA NEUTZLING GOMES1
CAMILA BARCELLOS CALDERIPE

Página gerada em 27/02/2024 11:37:57 (consulta levou 0.122493s)