Nome do Projeto
TransMachado: políticas de intertextualidade e relações "palimpsestuosas" nas adaptações, transposições e apropriações da obra machadiana
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
30/01/2023 - 31/12/2026
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Linguística, Letras e Artes
Resumo
A posição canônica da obra de Machado de Assis está assegurada por inúmeras práticas ou agentes da instituição literária, dentre as quais podemos destacar o ensino (a obrigatoriedade da leitura de seus romances ou contos no ensino médio, nos cursos de Letras, nos concursos vestibulares) e, sobretudo, a atividade da crítica, que constante e incansavelmente investiga os textos machadianos, seja retomando conhecidos pressupostos teóricos, seja propondo novas abordagens de interpretação. Além da força das instituições de ensino e da crítica literária, a permanência da obra de Machado de Assis pode ser atestada ainda pela vasta atividade de releituras ou recriações de seus textos, bem como de imagens e da própria vida do escritor. Essas releituras compreendem adaptações para o cinema e séries, para o mangá e quadrinhos, para textos literários com vocabulário e estruturas simplificadas, destinadas ao público infantil ou jovem, ou até mesmo recriações para outro gênero narrativo, como é o caso de Dom Casmurro e os discos voadores (2010), de Lúcio Manfredi, que, na linha da literatura pop do mashup, narra a história de Bento e Capitu na perspectiva da ficção científica. É importante mencionar que essas propostas de releituras incluem ainda as infinitas relações intertextuais com as obras machadianas, cujos enredos e temas alimentam a criatividade de escritores modernos e contemporâneos. Contudo, não é apenas a obra de Machado de Assis que é retomada: sua imagem e sua vida são objetos de criações artísticas (e não só), literárias ou de outras manifestações. Um exemplo de apropriação da imagem do escritor pode ser encontrado na manipulação de uma fotografia do autor, na qual seus traços da etnia negra de são ressaltados ou, melhor, reconstituídos. Essa apropriação, intitulada "Machado de Assis Real", foi proposta por uma campanha da Faculdade Zumbi dos Palmares, com o evidente gesto político de questionar o famoso embranquecimento ao qual a imagem do escritor foi submetido, tornando-se, para todos os efeitos, branco, ou nem tão negro assim, no imaginário cultural brasileiro. Por fim, a própria biografia de Machado de Assis é submetida aos mais variados projetos literários, dentre os quais destacamos apenas o romance-ensaio de Silviano Santiago, Machado (2016). Todas essas adaptações, transposições e apropriações indicam a forte presença de Machado de Assis na literatura e cultura brasileira contemporânea, como uma espécie de "problema" incontornável. Diante dessas inumeráveis manifestações literárias e culturais, caberia perguntar quais as políticas de intertextualidade (Hutcheon) estão envolvidas nos gestos de retomada da obra, da imagem e da vida de Machado de Assis na contemporaneidade. Esses gestos podem assumir diversos significados, desde ingênuas homenagens ao maior escritor brasileiro de todos os tempos, atualizações que subvertem o sentido "original" ou simplesmente apropriações que atendem à lógica do mercado, transformando a obra machadiana em mercadoria de consumo, esvaziada, por hipótese, de qualquer proposta de releitura mais consistente. É sobre esse "problema" de Machado de Assis que o presente projeto propõe-se discutir.

Objetivo Geral

Estudar as adaptações, transposições e apropriações da obra, da imagem e da vida de Machado de Assis na contemporaneidade;
Investigar os impasses estéticos e políticos subjacentes e decorrentes das adaptações, releituras e recriações da obra, da imagem e da vida de Machado de Assis;
Refletir sobre a posição canônica de Machado de Assis na literatura e cultura brasileira, tendo em vista sua presença na contemporaneidade.

Justificativa

A pesquisa justifica-se pelo esforço de investigação de um corpus contemporâneo, composto por adaptações, transposições e apropriações da obra machadiana que ainda não possui extensa e sistemática fortuna crítica, bem como pela ênfase nos impasses estéticos e políticos em torno das releituras e recriações de uma obra canônica a partir da perspectiva da contemporaneidade.

Metodologia

A partir do quadro conceitual fornecido por Linda Hutcheon, Kamilla Elliott, Robert Stam, Claus Cluver, Henry Jenkins, sobre a adaptação, a intermedialidade e a transposição (transmidia storytellig), a pesquisa procederá, inicialmente, à revisão da literatura e ao debate do referencial teórico e crítico, como procedimentos básicos da pesquisa bibliográfica, para, posteriormente, analisar o corpus de investigação, composto predominantemente por adaptação da obra machadiana realizadas no século 21.

Indicadores, Metas e Resultados

A pesquisa, através de suas ações e atividades, pretende fomentar a integração entre graduação e pós-graduação; constituir massa crítica acerca do tema proposto, produzindo artigos acadêmicos e promovendo a divulgação científica; participar de eventos da área de literatura

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANGELICA MACKEDANZ MARON
AULUS MANDAGARA MARTINS10
BRUNA DA SILVA LOUZADA
KAILANY BOLZONI DAMIANI
MARIANE PEREIRA ROCHA
MARLISE BUCHWEITZ KLUG

Página gerada em 29/02/2024 18:55:33 (consulta levou 0.124120s)