Nome do Projeto
PRO_ACORDA : PROmoção de Ações de COmpartilhamento de experiências de empreendedorismo e inovação na área de Representação (fabricação digital e desenho paramétrico) para o Projeto em Design e Arquitetura
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
02/04/2018 - 25/01/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Multidisciplinar
Eixo Temático (Principal - Afim)
Tecnologia e Produção / Tecnologia e Produção
Linha de Extensão
Empreendedorismo
Resumo
O Projeto PRO_ACORDA se propõe a estabelecer um espaço para a PROmoção de Ações e de COmpartilhamento de experiências de empreendedorismo e inovação na área de Representação (fabricação digital e desenho paramétrico) para o Projeto em Design e Arquitetura. Deriva dos resultados do Projeto de Pesquisa ACORDA (Análise e COnstrução de Referenciais Didáticos para Arquitetura: uma abordagem para o Desenho paramétrico e para a prototipagem rápida), o qual tem investido em construir uma infraestrutura conceitual e procedimental para a inserção das tecnologias de desenho paramétrico e fabricação digital junto ao contexto formativo, da área de geometria e representação, da FAURB/UFPel. A formação de bolsistas de iniciação científica e tecnológica associados a este projeto possibilitou a configuração de especialistas nas tecnologias referidas, vislumbrando oportunidades empreendedoras pelo caráter inovador de métodos projetuais configurados a partir do uso do desenho paramétrico. Frente a isto, este projeto quer estender os objetivos do Projeto ACORDA para o âmbito da extensão universitária, configurando um espaço para que os profissionais de arquitetura e design do contexto imediato (Pelotas e Região) possam reconhecer e avaliar a pertinência em usufruir das tecnologias em questão em seus processos projetuais. Desta maneira se quer compartilhar os conhecimentos produzidos no âmbito do Projeto ACORDA e compreender a pertinência de investir em reestruturações curriculares destas áreas de formação que incluam tais conhecimentos. Para isto são configuradas ações formativas, informativas e colaborativas, entre a academia e profissionais de escritórios de arquitetura e design, para constituir uma dinâmica de interação que promova a atualização, avaliação e possível validação do uso das técnicas de desenho paramétrico e de fabricação digital.

Objetivo Geral

Investir na geração de cultura de uso das tecnologias de desenho paramétrico e fabricação digital em práticas projetuais de arquitetura e design.

Justificativa

O projeto se propõe a promover momentos significativos tanto para academia quanto para o ambiente profissional. Para a academia, permite vivenciar momentos de produção, com propósitos inovadores, imersos em um contexto profissional, como um escritório de arquitetura ou um studio de design. Para o profissional, permite contrapor as práticas já estabelecidas de projeto com as de desenho paramétrico e fabricação digital, ainda com caráter inovador, observando a pertinência em realizar esforços para uma atualização das referidas práticas. O Projeto quer oportunizar a identificação de problemas apropriados ao uso de tais tecnologias, atribuindo um significado efetivo. Por exemplo, para a dinâmica de um escritório de arquitetura, busca transpor um problema que no momento da ação está sendo resolvido com as técnicas tradicionais de projeto e promover um processo aberto, dialogado, em que o projetista do lugar vivencie a lógica da transposição para o desenho paramétrico. Isto pode permitir compreender que os resultados, a partir deste método de projeto, se referem a uma família de soluções e que todo o raciocínio (programação visual) pode ser replicado a outros problemas similares, de maneira automatizada, sem que as soluções percam seu caráter inovador como pressupõe o processo projetual de arquitetura. Cada projeto segue tendo a sua forma e especificidade. Este conceito está traduzido pelo termo customização em massa, paradigma que ultrapassa o da produção em massa, especialmente quando associado aos processos de fabricação digital. Investir na difusão destas práticas em casos isolados faz-se necessário, tendo em vista a especialização avançada dos conceitos e procedimentos envolvidos. Estas ações, integradas às formativas e informativas, incrementam o processo de geração de cultura para o uso de tais tecnologias. Tem-se a expectativa de que a otimização do processo projetual, em tempo e qualidade, amplie a abrangência das práticas de arquitetura e design no conjunto da sociedade. Entender a possibilidade de associar à forma os condicionantes e determinantes de projeto, de diversas ordens desde desempenhos estéticos, materiais, estruturais, de conforto térmico e lumínico, de maneira algorítmica pode atribuir qualidade a estas práticas. Entretanto, faz-se necessário compreender as estruturas de saber a serem veiculadas em tais contextos profissionais. A ação permite gerar dados para observar o interesse por parte destes contextos profissionais, em já compreendendo os conceitos e procedimentos envolvidos, investir na apropriação destas técnicas e com isto se dispor a delimitar novas dinâmicas junto ao processo projetual, ou o interesse em usufruir das mesmas por meio de consultorias ou prestação de serviço. Poucos contextos formativos de arquitetura já incluem em seus conteúdos programáticos o desenho paramétrico e a fabricação digital (Vasconselos e Sperling, 2016). Tradicionalmente a formação em arquitetura e design não inclui a linguagem informática, dificultando o uso das ferramentas digitais com autonomia para gerar programações que possam responder aos problemas específicos de um projeto em particular. Atualmente, Identificam-se diferentes tipos de casos em que os projetistas de arquitetura e design já se usufruem das possibilidades da linguagem de programação visual, que embora não exija o domínio de linguagem de programação textual exige o reconhecimento de certas lógicas advindas do raciocínio matemático (linguagem algébrica), da física (linguagem dos vetores) e da química (comportamento dos materiais). Todas estas disciplinas, em seus conceitos fundamentais, hoje não compõem o currículo de arquitetura sendo que, cada vez mais, a postura contemporânea de projeto quer incorporar sistemas conectados ao meio ambiente e, por isto, de funcionamento dinâmico. Por exemplo, que considerem sistemas sensíveis à sazonalidade, desta maneira, controlados por parâmetros de diversas naturezas. Um dos tipos de dinâmica de uso do desenho paramétrico e fabricação digital, em contextos de produção de arquitetura, se estabelece por meio de consultorias. Os projetistas formulam o problema que exige uma solução paramétrica e contratam especialistas nas tecnologias em questão. Enquanto outros tipos partem para a apropriação efetiva destas técnicas de maneira autônoma. Estes querem manter a autoria do projeto exclusiva de seus escritórios, tendo em vista a discutida questão do significado do uso desenho paramétrico, por envolver um método efetivo de projeto e por representar o projeto de um sistema para a produção de vários projetos. Entretanto, por este método exigir uma estrutura de saber diferenciada, abordando outras teorias, tecnologias e técnicas, que não é veiculada junto aos conteúdos programáticos atuais de disciplinas curriculares, entende-se que a academia, por via de um investimento da pós-graduação (especialização e mestrado da área de representação gráfica e digital) e por meio da extensão universitária, pode contribuir para provocar esta discussão e experimentação. Entende-se que pela extensão, consegue-se atender (ou trazer para o contexto local) a uma demanda emergente e inovadora junto às práticas profissionais. E, com isto, provocar discussões sobre a validade e necessidade de reestruturações curriculares para abarcar tais saberes. A Teoria da Transposição Didática (Chevallard, 1999) facilita compreender os fenômenos de reestruturação de saberes junto ao processo de trânsito entre diferentes contextos: científico, profissional e educativo. É natural e prudente os contextos educativos exigirem um processo de validação de saberes que por sua natureza pode ser lento e gradual. Cabe aos demais contextos, científicos e profissionais contribuírem para fornecer dados para esta validação e legitimação. Entretanto, é fundamental que haja a sensibilidade e predisposição para perceber, identificar tais saberes emergentes. O campo da extensão universitária é propício para a configuração deste espaço de ação e observação. Estender o diálogo que se tem estabelecido em fóruns científicos ao contexto profissional pode sim apontar caminhos para formatar ações que reconfigurem as práticas de projeto, fortalecendo por sua vez o próprio fazer da extensão universitária. O Projeto de Pesquisa ACORDA está disponibilizando uma infraestrutura conceitual e procedimental para a inserção curricular do método projetual de desenho paramétrico e do uso de técnicas de fabricação digital. Disciplinas de geometria e representação, de primeiro e segundo semestres da FAURB/UFPel estão introduzindo ambas abordagens. Desta maneira, constrói-se uma infraestrutura mínima para a prática de projeto que queira avançar na experimentação junto às disciplinas de Projeto de Arquitetura e Urbanismo da referida faculdade. Oferecer cursos de atualização profissional que oportunize outros projetistas que não tiveram contemplados em seus currículos este tipo de formação está em consonância com o papel da extensão universitária.

Metodologia

Para atingir o objetivo proposto o projeto se estrutura a partir de três tipos de ações:
1. Promoção de ações formativas
Em formato de cursos (mínimo 8 horas) e de eventos abordando o conceito e procedimentos de desenho paramétrico e fabricação digital, incluindo especialmente as tecnologias envolvidas com exercícios práticos. O público alvo refere-se aos estudantes, docentes e profissionais de arquitetura e design.
2. Promoção de ações informativas
Em formato de eventos relatando os casos de uso do conceito e procedimentos de desenho paramétrico e fabricação digital das ações do tipo 3 (ações in loco).
3. Promoção de ações in loco
Estas ações serão configuradas a partir da tentativa de imersão de especialista em desenho paramétrico e fabricação digital em ambientes profissionais de projeto de arquitetura e design. Por meio de parcerias, a ação busca identificar problemas cotidianos de trabalho que possam ser incrementados em seu potencial criativo ou de automatização, otimização e racionalização de processos produtivos. Inclui o esforço de demonstrar casos que ilustrem as vantagens de uso dos conceitos e procedimentos em questão aplicados aos problemas identificados. Na medida do possível, o processo de seleção dos casos, para além das oportunidades, tentará diversificar os tipos de aplicações, desde o design de elementos de fachadas, de mobiliário, de interiores, de paisagismo, abarcando assim as diferentes escalas de projeto, do detalhe ao urbano.
Todas as ações são promovidas envolvendo uma equipe, constituída de ex-bolsistas de iniciação científica e de extensão, os quais investiram em uma formação especializada nas tecnologias em questão e estão dispostos a adquirir uma capacitação para o empreendedorismo e a inovação a partir da aplicação destes conhecimentos junto ao contexto profissional de arquitetura e design.
Ao término de cada ação será aplicado um instrumento de avaliação (questionário) para compreender sua eficácia.

Indicadores, Metas e Resultados

A produção do Projeto poderá ser medida em termos quantitativos, pelos números de ações, número de alunos nos cursos e nos eventos, pelos números de ações promovidas pelo próprio grupo de extensão ou pela demanda da sociedade (por solicitações). Em termos qualitativos por meio da sistematização dos dados dos questionários de avaliação, os quais devem contemplar questões que permitam observar sua eficácia frente aos objetivos.

O Projeto tem como metas:
Ampliar o reconhecimento do uso do desenho paramétrico e fabricação digital como método projetual no contexto dos escritórios de Arquitetura e Design na cidade de Pelotas e região.
Capacitar profissionais de arquitetura e design para identificar problemas em que o desenho paramétrico e a fabricação digital possam otimizar e qualificar o processo projetual.


Resultados esperados
Estruturação, formatação e disponibilização de processos formativos nas modalidades presencial e a distância.
Identificação do repertório de problemas cotidianos da prática projetual junto ao contexto estudado apropriado para o uso das tecnologias em questão.
Qualificação da equipe envolvida para a docência e consultoria em desenho paramétrico e fabricação digital aplicados ao processo projetual de arquitetura e design.
Intensificação da interação do contexto profissional com o contexto acadêmico.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADRIANE BORDA ALMEIDA DA SILVA9
ALEXANDRE BERNEIRA DA SILVA
BRUNA SANTOS PEREIRA
FELIPE DO COUTO CAETANO
IVANA PATRICIA IAHNKE STEIM1
JANICE DE FREITAS PIRES3
LETICIA PEGORARO GARCEZ
MANOELA CALDERAN DE CARVALHO
PEDRO JANELLI DA SILVA RUAS
PETRA NORNBERG GOETZKE
RAMILE DA SILVA LEANDRO
ROGERIO BURCH FERREIRA FILHO
VALENTINA TOALDO BRUM
ZAIRA CLARISA QUINONES JULCA

Página gerada em 04/12/2020 09:05:16 (consulta levou 0.111508s)