Nome do Projeto
Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
30/01/2023 - 30/01/2027
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Eixo Temático (Principal - Afim)
Meio ambiente / Educação
Linha de Extensão
Educação Ambiental
Resumo
O Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica (NEAPO-UFPel) do Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal de Pelotas foi criado em 2018 visando a criação do Projeto "Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica", o qual tinha como objetivo desenvolver, consolidar e ampliar ações educativas, de pesquisa e extensão voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar, onde as ações entre educadores, pesquisadores e produtores promovessem a autonomia e a sustentabilidade das famílias cadastradas junto à Associação Regional dos Produtores Agroecologistas da Região Sul. O projeto estava sob a coordenação da Prof. Ana Claudia Rodrigues de Lima até março de 2022. A partir de 2023, propõe-se a manutenção dos Estudos em agroecologia e produção orgânica com atividades de extensão em sistemas de produção familiares localizados no interior de Pelotas e São Lourenço do Sul, avaliando a qualidade dos solos sob manejo agroecológico, através da Tecnologia BioAs desenvolvida pela Embrapa. Além disso, ações de extensão em escolas do município de Pelotas serão executadas através de palestras e oficinas sobre os principais organismos do solo e sua importância na manutenção da qualidade ambiental da paisagem, bem como mostrar o uso da técnica de compostagem de resíduos orgânicos urbanos, a qual visa a produção de material orgânico estável que possa ser usado na produção hortícola da própria escola e/ou nas residencias dos alunos.

Objetivo Geral

No âmbito agrícola, desenvolver ações de extensão com seis (6) sistemas de produção familiares de base ecológica, com avaliações da qualidade biológica dos solos através do uso da tecnologia BioAS.

No âmbito educacional, promover a Educação Ambiental em duas (2) escolas públicas através de palestras e oficinas sobre os principais grupos de organismos do solo e suas ações para manter a qualidade ambiental da paisagem, bem como sobre a técnica da compostagem de resíduos sólidos urbanos, a qual poderá ser utilizada para a produção de hortaliças na própria escola e/ou nas residências dos alunos.

Justificativa

Com o uso dos bioindicadores como parte das métricas para avaliações de qualidade de solo, agricultores que investem em boas práticas de manejo poderão comprovar que, além dos alimentos que produzem, também prestam um importante serviço ambiental preservando ou melhorando a qualidade do solo (MENDES et al., 2018). Portanto, a avaliação da qualidade do solo via tecnologia BioAS mostra o nível de qualidade biológica dos solos, auxiliando os agricultores na escolha das melhores técnicas de manejo de solo, as quais devem garantir boa produtividade das culturas com preservação ambiental.

Com relação ao aspecto de educação ambiental, tem-se o desafio de integrar a interdisciplinaridade no contexto das escolas, realizando a transposição didática dos conhecimentos adquiridos no meio acadêmico universitário para o contexto dos saberes escolares de nível médio.

Metodologia

O projeto terá duração de 4 anos, dos quais serão realizadas atividades de alternância entre o grupo participante, formação de material técnico humano e material didático.

1) Ações de extensão:
Serão realizadas visitas a agricultores familiares produtores de hortaliças agroecológicas do município de Morro Redondo e São Lourenço do Sul. Durante as visitas, serão coletadas amostras de solo de suas áreas produtivas, as quais serão encaminhadas para a Embrapa Dourados, que realizará a análise de BioAS. Cada agricultor, receberá um laudo da BioAS, que mostrará um indice de qualidade baseado em 3 funções: F1 medição da ciclagem de nutrientes e a formação e decomposição da matéria orgânica do solo; F2 medição do tamanho do “reservatório” de nutrientes do solo; e o F3 avaliação da qualidade do conteúdo do “reservatório” de nutrientes do solo, envolvendo tanto aspectos relacionados à acidez do solo quanto à capacidade do solo em fornecer vários dos principais macronutrientes. Para facilitar o entendimento do agricultor, esses índicies são representadas em um padrão cromático “semafórico”, onde verde escuro ou verde claro significam valores adequados (alto e muito alto), amarelo, valores intermediários e laranja ou vermelho, valores inadequados (baixo ou muito baixo) da qualidade do solo. De acordo com Mendes et al. (2021), os índices fornecidos pela análise de BioAs podem fornecer indicações relevantes sobre a qualidade do uso e manejo do solo de determinada área. Os índices apontados no laudo indicam a estabilidade dos agroecossistemas. Padrões estáveis, normalmente, ocorrem quando o uso e o manejo do solo são praticados durante um longo prazo em determinada área (geralmente acima de 5 anos). Nessas condições, tanto a matéria orgânica do solo quanto a atividade biológica do solo atingem um certo nível de equilíbrio. Ao contrário dos padrões estáveis, os padrões de transição geralmente ocorrem em áreas em que houve mudanças significativas no uso e no manejo do solo em período relativamente recente (normalmente até 3 anos). Em tais situações, pode ocorrer um desequilíbrio temporário entre os níveis de matéria orgânica do solo e de atividade biológica, os quais, a depender de cada situação, poderá levar a saúde/qualidade do solo a níveis mais baixos ou mais elevados do que aquele atualmente apresentado.

2) Ações de formação em educação ambiental:
Palestras, oficinas e distribuição de material informativo sobre:
a) Os principais organismos do solo e suas ações na transformação de resíduos vegetais e animais em material orgânico estável (húmus), o qual promove melhorias significativas na saúde do solo;

b) O uso da técnica de compostagem de resíduos orgânicos urbanos. Será elaborado um material didático em conjunto com os alunos e professores das escolas, sobre os principais resíduos sólidos urbanos que podem ser usados para a compostagem na própria escola e residências dos alunos.

Indicadores, Metas e Resultados

As ações de extensão nas áreas agrícolas dará um panorama geral sobre a qualidade biológica dos solos sob produção de hortaliças de base ecológica e identificará a necessidade de melhorias nas ações de manejo do solo adotados pelos agricultores;

As ações de educação ambiental promoverão uma maior divulgação da ciência por meio da participação em cursos de formação para alunos e professores de escolas da região de abrangência do estudo, estimulando a consciência ambiental dos alunos no uso dos recursos naturais com menor impacto sobre o meio ambiente, diminuindo a geração de resíduos sólidos urbanos através do descarte correto de resíduos recicláveis, bem como com a adoção da prática de compostagem de resíduos orgânicos nos domicílios.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAMILA DA COSTA SILVEIRA
EMERSON MEIRELES DE FARIAS
EZEQUIEL CESAR CARVALHO MIOLA
FLAVIA FONTANA FERNANDES
ISTEFANI WENSKE HAUDT
JAKELINE ROSA DE OLIVEIRA
JAQUELINE PEREIRA MACHADO DE OLIVEIRA
Julhana Pereira Figueiredo
LIVIA OLIVEIRA ISLABAO
LIZETE STUMPF1
MARIA BERTASO DE GARCIA FERNANDEZ
MAURÍCIO SILVA DE OLIVEIRA
NATALIA DE OLIVEIRA LOPES
NATHALIA LOPES DE OLIVEIRA
PABLO MIGUEL2
PAULO LUIS DA LUZ ANTUNES1
ROSIMERI DAMASCENO TRECHA1
RYAN NOREMBERG SCHUBERT
Raysa de Souza Lemos
SOLANGE MACHADO TONIETTO6

Página gerada em 26/02/2024 14:43:51 (consulta levou 0.156710s)