Nome do Projeto
EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE SECADORES COM DIFERENTES COMBUSTÍVEIS
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
27/02/2023 - 27/02/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Resumo
Em geral, as sementes passam por secagem natural na própria planta, no período entre a maturação fisiológica e o momento da colheita, que pode durar vários dias, dependendo da espécie, cultivar, condições ambientais prevalecentes e disponibilidade de máquinas de colheita e secagem, e de equipamentos. Para a propagação de sementes há a necessidade de sua produção e processamento. Para manter sua qualidade fisiológica as sementes são colhidas em próximo a maturidade fisiológica, com isso com o máximo de qualidade fisiológica que se resumo a alta germinação e vigor. No entanto, as sementes possuem alta umidade de colheita. Assim há a necessidade de se realizar a secagem com temperaturas adequadas para as sementes para garantia de qualidade do seu armazenamento. Há vários sistemas de secagem e tipos de secadores, além de combustíveis para o aquecimento do ar de secagem. O uso de diferentes formas de combustíveis para o uso em secadores se faz pertinente, além do estudo da eficiência energética dos mesmos. Assim a Ultragaz e UFPel se unem para um levantamento de secagem de sementes. O trabalho terá várias etapas e em várias espécies e tipos de secadores. Será levantado qualidade fisiológica de sementes, pressões estáticas do secador, temperatura da massa de sementes e do ar, umidade relativa do ar do local, volume do combustível utilizado. Com o objetivo principal de comparar eficiências e custos no processo de secagem. O trabalho será conduzido no Laboratório de Agrotecnologia da Universidade Federal de Pelotas, no período de fevereiro 2023 a novembro 2025.

Objetivo Geral

Avaliar a eficiência energética e custo de secagem de sementes com biomassa e Gás Liquefeito de Petróleo.

Justificativa

Testar a hipótese de que a secagem com Gás Liquefeito de Petróleo tem maior eficiência energética, maior custo de secagem, mas com melhor manutenção da qualidade fisiológica das sementes.

Metodologia

O trabalho será conduzido no Laboratório de Agrotecnologia da Universidade Federal de Pelotas, no período de fevereiro 2023 a novembro 2025.

Etapa 1 – Secagem de sementes de arroz

Nesta etapa serão analisados a secagem de sementes de arroz na cidade de Arambaré no Rio Grande do Sul, durante o mês de fevereiro de 2023.
Serão analisados a velocidade do ar de entrada, velocidade do ar de saída, vazão do ar e pressão estática e dinâmica (através de anemômetros de fio quente) Modelo ITAN 740, verificação de modelo, diâmetro e voluta dos ventiladores, potência do ventilador, tipo de combustível e seu consumo e sua eficiência energética (fornalha, motor elétrico, ventilador). As temperaturas do ambiente externo como a umidade relativa (UR), temperatura de bulbo seco e úmido serão registrados através de um termo-higrômetro Modelo POL-31A Marca Politerm. Medidas dos secadores. Se os ventiladores foram fabricados pela Boom deverá ser feito a curva desses ventiladores. Sendo retiradas imagens do secador e dos pontos de coleta de dados a serem analisados.
Também serão analisados, teor de água inicial e final através do determinador de umidade Dickey John Multi Grain de caneca, temperatura da massa de sementes e do ar durante a secagem (através de termômetros) e retirado amostras de sementes para ser analisado quanto a sua qualidade fisiológica, antes e depois da secagem, como:
A germinação, conforme as Regras para Análise de Sementes - RAS (2009) para cada espécie. Com a utilização de 400 sementes por repetição estatística, totalizando quatro repetições de 100 sementes de repetição do teste. As sementes serão semeadas em duas folhas de papel umedecido com água destilada. Estas serão colocadas em germinador. As avaliações serão realizadas conforme as RAS, sendo os resultados expressos em porcentagem de plântulas normais (BRASIL, 2009).
O vigor, conforme as referências bibliográficas mais citadas para cada espécie.
A primeira contagem de germinação – será conduzida juntamente com o teste de germinação. Esta contagem será realizada de acordo com as RAS (BRASIL, 2009). Os resultados serão expressos em porcentagens de plântulas normais.
O índice de velocidade de germinação (IVG) – será conduzido juntamente com o teste de germinação. Serão computadas as plântulas normais diariamente. Tal procedimento será realizado até se obter a estabilização. Ao final do teste, será calculado o IVG, conforme fórmula proposta por Maguire (1962).
A emergência de plântulas em areia – será conduzida com 200 sementes, divididas em quatro repetições de 50 sementes, semeadas em bandejas contendo areia na profundidade de 1,5 cm. A contagem das plântulas emergidas será realizada aos 21 dias após a semeadura.
O comprimento de plântulas – será realizado juntamente com o teste de emergência em areia. Através dele será determinado o comprimento de parte aérea e de raiz conforme.
A massa seca total – será realizada com as plântulas remanescentes do teste de comprimento de plântula, sendo submetidas, posteriormente, a uma desidratação em estufa a 70 ºC, até atingir massa constante, seguida de pesagem em balança analítica, com precisão de 0,0001 g.
A emergência de plântulas em campo – será conduzida com 200 sementes, divididas em quatro repetições de 50 sementes, semeadas em canteiros com profundidade de 1,5 cm. A contagem das plântulas emergidas será realizada aos 21 dias após a semeadura.
A condutividade elétrica - será conduzida com 50 sementes por subunidades, para cada uma das repetições. Elas serão pesadas e em seguida imersas em 50 mL de água deionizada e mantidas, por um período de 24 horas, em incubadora tipo BOD à temperatura de 20 ºC. Após esse período, será realizada a leitura da condutividade elétrica das soluções, com o auxílio de um condutivímetro digital. Os resultados serão expressos em µSm-1g-1 de sementes, conforme metodologia adaptada de Vieira e Krzyzanowski (1999).
O envelhecimento acelerado - será utilizado uma camada única de 300 sementes, distribuída uniformemente sobre uma tela acoplada ao gerbox, contendo 40 mL de solução não saturada de cloreto de sódio (11 gramas de NaCl para 100 mL de água destilada). Os gerbox serão tampados e mantidos em câmara BOD, a 41 ºC por 24h. E após será conduzido o teste de germinação já descrito em ensaio anterior.

Cálculo de Eficiência e Custo de Secagem
Serão conforme a metodologia de Magalhães et al (2015) já descrito nesse trabalho.

Etapa 2 – Secagem de sementes de soja
Ainda não foi desenhado local nem secador específico.
Esta no aguardo do andamento da primeira etapa e contato com produtores.

Indicadores, Metas e Resultados

Elaboração e entrega de um relatório contendo os resultados obtidos em cada uma das análises.
Elaboração de artigos científicos para a publicidade dos resultados encontrados.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDRIGO FARIAS XAVIER
FRANCISCO AMARAL VILLELA1
GIZELE INGRID GADOTTI1
HUGO SILVA DE ALMEIDA VENANCIO LOPES
JOÃO LUIZ GONÇALVES LOPES
KARINE VON AHN PINTO

Página gerada em 27/05/2024 06:54:51 (consulta levou 0.157380s)