Nome do Projeto
Arborização Urbana em Pelotas: diagnóstico
Ênfase
Pesquisa
Data inicial - Data final
22/05/2023 - 21/05/2027
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Multidisciplinar
Resumo
As áreas arborizadas são importantes para a qualidade ambiental das cidades, pois promovem equilíbrio entre o espaço modificado pela urbanização e o meio ambiente e também podem ser consideradas como indicadoras da qualidade ambiental urbana. As árvores, especialmente dentro do espaço urbano, são fundamentais, pois auxiliam na redução do material particulado no ar, reduzem ruídos, aumentam a biodiversidade e fornecem abrigo e alimento para fauna, especialmente quando se utiliza de espécies nativas. Estas podem ainda auxiliar na infiltração de água no solo, quando implantadas em espaços adequados. Entretanto, poucos municípios possuem um plano de manejo de arborização além de que, para que esse seja construído, a primeira etapa necessária é a elaboração de um bom diagnóstico da situação atual da arborização. Diante deste contexto, este projeto terá ênfase na pesquisa com ações relacionadas ao diagnóstico da arborização, com levantamentos de avenidas de microrregiões de Pelotas com classificação quanto à adequação e levantamento de espécies disponíveis para comercialização.

Objetivo Geral

- Levantamento florístico de espécies da arborização;
- Classificação das espécies da arborização quanto à origem;
- Levantamento das espécies e origem de mudas comercializadas na cidade.

Justificativa

O planejamento urbano de uma cidade envolve a adequação dos ambientes vegetados, tanto do ponto de vista estético, quanto do ponto de vista ambiental e de compatibilização com o ambiente construído. De acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2015 a maior parte da população brasileira, 84,72%, vive em áreas urbanas. Essa distância com as áreas verdes provoca um anseio pelo regresso ao contato com o verde, mesmo que de forma mais artificializada, como em parques e praças e ambientes arborizados ou demais espaços verdes das cidades.
Nestes espaços verdes, o planejamento é essencial para que todas as funcionalidades destes sistemas sejam aproveitados e também para que conflitos com o espaço construído sejam evitados ou minimizados. A escolha adequada das espécies arbóreas a serem utilizadas é resultado de um jogo complexo, sendo necessários estudos que subsidiem as decisões de planejamento, projeto, plantio e manutenção da rede de vegetação de porte arbóreo em cidades, principalmente em biomas onde esses estudos sejam raros.
Na cidade de Pelotas, não há Plano de Manejo de Arborização, portanto, é urgente que o diagnóstico da situação atual seja realizado, a fim de que seja possível estabelecer estratégias para o planejamento da arborização e, consequentemente, se apropriar das vantagens da arborização urbana.

Metodologia

- Levantamento florístico de espécies arbóreas dividido por microrregiões da cidade: será realizada o levantamento por microrregiões da cidade baseando-se no mapeamento geo-pelotas. A cada levantamento será identificada as espécies, separadas por famílias botânicas e sua origem. Para tanto, serão consultadas referências oficiais, como o Programa REFLORA/CNPq (https://floradobrasil.jbrj.gov.br/) e Flora Digital da UFSC (https://floradigital.ufsc.br/).
- Criação de ficha de avaliação de conflitos com o ambiente construído: No levantamento serão avaliados os conflitos com a arborização e o ambiente construídos, tais como: pavimentação, rede elétrica, construções residenciais/comerciais, trânsito de pedestres, dentre outros. Também pretende-se realizar uma avaliação prévia de risco (sanidade do indivíduo, necessidade de poda, etc).
- Levantamento de espécies em viveiros e floriculturas da cidade: serão levantados todos os estabelecimentos comerciais cadastrados como vendedores de mudas de árvores (viveiros e floriculturas) para realizar a descrição das espécies comercializadas bem como sua origem.

Indicadores, Metas e Resultados

Como metas da primeira ação: 1) teremos o diagnóstico das espécies na arborização de Pelotas; 2) elaboração de uma ficha que poderá ser utilizada para avaliações posteriores em todas as regiões da cidade.
Como meta da segunda ação: listagem das espécies comercializadas e sua origem.
Como meta para todas as ações, será elaborado um trabalho para apresentação nos eventos da UFPEL, como o Congresso de Iniciação Científica ou outros eventos científicos relacionados à temática.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ADALICE ANDRADE KOSBY
ANDREA SOUZA CASTRO1
DIULIANA LEANDRO1
FABIANE LEROY DOS SANTOS
LUCIARA BILHALVA CORREA1
MARCOS PAULO MACHADO
Marília Lazarotto2
NATALI DORNELLES PACHECO
PALOMA CARDOSO PEDROSO
VAGNER LEMOS BORGES

Página gerada em 22/04/2024 22:04:56 (consulta levou 0.160908s)