Nome do Projeto
Projeto Desenvolvimento Equideocultura Nacional Através de Boas Práticas
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
01/12/2023 - 30/12/2025
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Agrárias
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Meio ambiente
Linha de Extensão
Saúde Animal
Resumo
O setor da Equideocultura no Brasil, denominado como complexo do agronegócio do cavalo, é composto por um plantel em torno de 6 milhões de animais correspondendo ao quarto maior rebanho do mundo. A atividade da criação de cavalos e sua utilização é extremamente diversa. Os equídeos podem ser utilizados para o serviço no campo, para o lazer, para o turismo e o esporte assim como auxiliar em terapias através da equitação lúdica, equoterapia e atividade assistida por animais/cavalos. Este projeto pretende apoiar a qualificação e desenvolvimento da equideocultura brasileira através da difusão de informações, capacitação e demonstração de boas práticas que visem a melhoria do desempenho do agronegócio do cavalo, contribuindo com o bem-estar, sanidade. Auxiliando o desenvolvimento da equideocultura brasileira, contribuindo para a melhoria das práticas na criação, manutenção e treinamento dos equídeos.

Objetivo Geral

Apoiar a qualificação e desenvolvimento da equideocultura brasileira através da difusão de informações, capacitação e demonstração de boas práticas que visem a melhoria do desempenho do agronegócio do cavalo, contribuindo com o bem-estar, sanidade.

Qualificar e auxiliar no desenvolvimento da equideocultura brasileira, contribuindo para a melhoria das práticas na criação, manutenção e treinamento dos equídeos.

Auxiliar no diagnóstico da aplicação de boas práticas, controle de medicação e antidoping nas principais entidades de raça no Brasil.

Esse projeto vai contribuir com o incremento na qualidade de vida dos equídeos, propiciando a melhoria dos indicadores na criação, treinamento, competição e utilização dos equídeos no Brasil.

A utilização de técnicas de boas práticas, permitirá o aumento na oportunidades de trabalho para as pessoas, incremento na renda, melhor qualidade de vida para os membros de suas famílias e fixação do homem no meio rural.

Justificativa

O setor da Equideocultura no Brasil, denominado como complexo do agronegócio do cavalo, é composto por um plantel em torno de 6 milhões de animais correspondendo ao quarto maior rebanho do mundo. Dentre os equídeos registrados no Brasil, os cavalos da raça Quarto de milha alcançam o número de 650.000, o Crioulo 460.000, o Mangalarga 373.000, o Campolina 43.000, o Mangalarga Paulista 35.000 e o Pêga 35.000 animais. As outras raças compõem o plantel nacional distribuídas com registro ao redor de 30 mil equídeos. A participação da Equideocultura anualmente no PIB brasileiro chega ao valor de R$ 30 bilhões, com a geração de 6 milhões de empregos diretos segundo dados em atualização da ESALQ/USP (2022).

A atividade da criação de cavalos e sua utilização é extremamente diversa. Os equídeos podem ser utilizados para o serviço no campo, para o lazer, para o turismo e o esporte assim como auxiliar em terapias através da equitação lúdica, equoterapia e atividade assistida por animais/cavalos. Os sistemas de criação, manejo e treinamento são distintos e com variados graus de tecnificação já que tanto a área de atuação como o nível de investimento é consideravelmente variado. Em diversas áreas podemos encontrar a falta de conhecimento por conceitos empíricos muito arraigados a tradições regionais nas diferentes regiões do Brasil.

As boas práticas relacionadas à criação, manejo e treinamento permitem a qualificação do setor e inserção de mais pessoas no mercado de trabalho permitindo uma melhor manutenção familiar, uma maior taxa de fixação da família no campo trazendo benefícios significativos tanto sociais quanto econômicos. Esse avanço também contribui para a renda e desenvolvimento local acarretando à preservação dos ambientes e da cultura regional.

O setor da equideocultura propicia a geração de novos postos de trabalho porque é uma das atividades da agropecuária que necessita da presença física do trabalhador junto aos animais. Apesar de existir uma variação de setor para setor, podemos assumir que é utilizado um trabalhador para cada 10 equídeos para o manejo diário e com isso acontece a geração empregos e renda contribuindo para uma melhoria na qualidade de vida e fixação do homem no meio rural. Esta atividade contribui também para agregar renda às propriedades, exercendo impacto sobre as condições de vida das famílias que a praticam, seja como meio de sustento principal ou como fonte complementar de renda.

No Brasil a equideocultura tem tradição e resultados importantes, porém ainda carece de tecnologia, principalmente quando relacionamos o grande plantel nacional. A tecnologia e a informação não estão disseminadas de forma democrática entre os criadores e entre as raças de equídeos. As características de cada raça, a atividade que desempenha, assim com a tradição e a realidade regional devem ser respeitadas, entretanto não podem ser uma limitação para o desenvolvimento e tecnificação da equideocultura. Desta forma é fundamental a implementação de boas práticas de manejo na criação e treinamento e o controle da medicação no esporte equestre.

O projeto pretende auxiliar no diagnóstico da aplicação de boas práticas, controle de medicação e antidoping nas principais entidades de raça no Brasil. E apoiar a qualificação e desenvolvimento da equideocultura brasileira através da difusão de informações, capacitação e demonstração de boas práticas que visem a melhoria do desempenho do agronegócio do cavalo, contribuindo com o bem-estar, sanidade. Desta forma propiciando a melhoria dos indicadores na criação, treinamento, competição e utilização dos equídeos no Brasil.

Para o efetivo desenvolvimento da cadeia produtiva da equideocultura no Brasil, assim como qualificação dos métodos de boas práticas, planejamento e estratégias de ação no setor, será necessário o aprimoramento técnico dos criadores, proprietários e treinamento de estudantes e dirigentes assim como o incentivo para a inserção de novos produtores na atividade. Este aprimoramento deve ser efetuado através do diagnóstico de metas e difusão de tecnologia, como capacitações na forma de cursos, dias de campo, palestras e definição/instalação de Unidades de Demonstração, bem como do aumento do número de profissionais capacitados para realizar assistência técnica aos criadores e proprietários de equídeos.

O Brasil tem um grande potencial na equideocultura, sendo uma das potências mundiais em número de animais, porém necessita qualificar e harmonizar as práticas no setor através da inclusão de conceitos modernos e atualização dos métodos de criação, manejo, treinamento, infraestrutura e controle de medicação no esporte.

Este projeto junto ao Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) qualificará o desenvolvimento da equideocultura brasileira, contribuindo para a melhoria das práticas na criação, manutenção e treinamento dos equídeos. Esse movimento vai permitir uma possibilidade de incremento na qualidade de vida dos equídeos, no aumento de oportunidades de trabalho, aumento de renda, melhor qualidade de vida para os seus membros e fixação do homem no meio rural.

Metodologia

1-Diagnóstico. Realizar um levantamento das Boa Práticas utilizadas por criadores, proprietários e técnicos nas principais raças de equideos no Brasil.

2-Diagnóstico. Realizar o levantamento das Boa Práticas relacionadas ao controle de medicação e antidoping nas atividades esportivas de equídeos no Brasil.

3-Preparar material para utilizar nas capacitações, a partir do diagnóstico realizado

Indicadores, Metas e Resultados

META 1-Diagnóstico. Realizar um levantamento das Boa Práticas utilizadas por criadores, proprietários e técnicos nas principais raças de equideos no Brasil.
-
Efetuar um (1) levantamento de informações existentes nas raças Quarto de Milha, Crioula, Mangalarga, Brasileiro de Hipismo, Puro Sangue Inglês e Pêga.

-Realizar uma (1) análise das informações, utilizando como base o levamento o Manual de Boas Práticas de Manejo em Equideocultura (MAPA 2017)

-Elaborar um (1)relatório sobre os métodos utilizados na Equideocultura nas principais raças criadas no Brasil.

META 2- Diagnóstico. Realizar o levantamento das Boa Práticas relacionadas ao controle de medicação e antidoping nas atividades esportivas de equídeos no Brasil.

– Efetuar um (1) levantamento de informações existentes em quatro (4) hipódromos no Brasil, dois (2) clubes hipicos e em cinco (5) entidades de raça que realizem controle de medicação e antidoping e

– Realizar uma (1) análise das informações

– Elaborar um (1) relatório sobre os indices de doping e métodos de controle e antidopagem utilizados nas principais raças de Equídeos no Brasil.

META 3 - Preparar material para utilizar nas Capacitações, a partir do diagnóstico realizado

-Revisar e redigir material, a partir do diagnóstico realizado utilizando o Manual de boas práticas em Equideocultura do MAPA (2017), incluindo controel de medicação e antidoping.

-Desenvolver conteúdo técnico utilizando o manual técnico de Boas Práticas na Equideocultura (MAPA 2017) e literatura especializada

-Realizar a editoração, diagramação para elaboração de material tecnico para utilizar nas capacitações e deixar disponível ao setor da Equideoultura, através da publicação em meios digitais

-Disponibilizar material para divulgação de itens fundamentais do Manejo de Equídeos via online, forma de entrevistas rápidas, vídeos, “posts”, “cards” nos sitios do MAPA e das Associações de Raça, vinculadas a Câmara Setorial de Equideocultura.


META 4 -Realizar quatro cursos de capacitação técnica para produtores, técnicos, estudantes em Boas Práticas em Equideocultura

-Elaborar um (1) conteúdo programático contemplando boas práticas em Equideocultura, incluindo controle de medicação.

-Elaborar, imprimir cem (100) apostilas para suporte ao curso e disponibilizar para divulgação online.

-Elaborar um (1) relatório de realização da capacitação com comprovantes de participação (lista de presença, registros fotográficos etc)

Espera-se com estas atividades ter o diagnóstico da situação das boas práticas na rotina da equideocultura nacional, seus pontos criticos e um apanhado dos principais problemas com uso de medicação e doping no Brasil.

A partir dos dados recolhidos espera-se realizar capacitação nas principais entidades de criação de equídeos no Brasil; e deixar material para capacitação

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
BRUNA DA ROSA CURCIO1
CARLOS EDUARDO WAYNE NOGUEIRA5
ESTHER MELLO DIAS DA COSTA
GIOVANA MANCILLA PIVATO
HENRIQUE DOS REIS NORONHA
ISADORA PAZ OLIVEIRA DOS SANTOS
MARCOS EDUARDO NETO
MICAEL FELICIANO MACHADO LOPES
Mayra Frederico
OTAVIO DE LIMA
OTÁVIO PEREIRA DE LIMA
RAFAELA PINTO DE SOUZA
TALITA VITORIA OLIVEIRA FABOSSA
THAIS FEIJO GOMES

Página gerada em 16/04/2024 13:30:03 (consulta levou 0.169442s)