Nome do Projeto
Dica de Saúde
Ênfase
Extensão
Data inicial - Data final
20/05/2017 - 20/05/2021
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências da Saúde
Eixo Temático (Principal - Afim)
Saúde / Comunicação
Linha de Extensão
Saúde humana
Resumo
Um processo de amadurecimento dos farmacêuticos como profissional de saúde veio com o surgimento da farmácia clinica, onde o farmacêutico tem o paciente, e não só o medicamento, como foco principal de atenção profissional, atendendo ao conceito de Assistência Farmacêutica. O objetivo majoritário desta atuação direcionada é a promoção do uso racional de medicamentos (URM), tendo a educação em saúde como uma das ferramentas de trabalho. Neste contexto, os programas periódicos de rádio, e mesmo outras ferramentas como redes sociais, podem ser úteis aos profissionais da área da farmácia, servindo como disseminadores de informações sobre temas relacionados à saúde como um todo, podendo auxiliar no uso racional de medicamentos e consequentemente na promoção de saúde da população. Assim, este projeto de trabalho busca a introdução dos serviços, através da educação em saúde, pela veiculação, em um meio de comunicação, de um programa de rádio, e nas redes sociais, com orientações sobre saúde, acima de tudo na utilização correta e manuseio de medicamentos, garantindo o seu uso racional e seguro. Os resultados serão avaliados, através de resposta da radio por meio de seus ouvintes, assim como dos meios eletrônicos usados. O principal instrumento de ação será a veiculação de programas educacionais periódicos sobre saúde, na forma de “drops” com duração específica além de informativos padronizados veiculados nas redes sociais.

Objetivo Geral

Introdução da assistência farmacêutica, através da educação em saúde, em um meio de comunicação, pela veiculação de um espaço de radio com orientações em saúde com foco na utilização correta e manuseio de medicamentos, auxiliando o seu uso racional por meio de:
•Veiculação de espaço sobre uso de medicamentos na Rádio Federal FM 107.9 MHz, permitindo que os ouvintes recebam informações pertinentes ao uso correto e seguro dos medicamentos, assim como formas de armazenamento, prazos de validade, etc...;
•Observar o conhecimento dos ouvintes sobre o espaço informativo;
•Verificar o interesse do ouvinte pelas informações veiculadas;
•Tornar o farmacêutico mais atuante em defesa do uso racional de medicamentos;
•Aproximar o farmacêutico da população em geral, estabelecendo um compromisso social transparente que reflita suas responsabilidades na provisão de um atendimento direcionado ao bem-estar dos pacientes;
•Incentivar a população a buscar a ajuda do profissional farmacêutico quando da aquisição de medicamentos em farmácias e drogarias;
•Apresentar o Curso de Farmácia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) à sociedade, ressaltando a capacitação dos profissionais que por ele serão formados.
•Consolidar, de maneira indubitável, a importância e a necessidade da função do farmacêutico completamente integrado a sociedade.

Justificativa

Segundo a Política Nacional de Medicamentos, a Assistência Farmacêutica está descrita como todas as atividades que envolvem o medicamento em todas suas etapas constitutivas. Isso pode ser descrito como um ciclo que vai desde a sua seleção, programação, aquisição, armazenamento, controle da qualidade, distribuição, utilização, prescrição, dispensação, obtenção, difusão de informações sobre os medicamentos e a educação permanente dos profissionais de saúde, do "paciente e da comunidade", para assim assegurar o uso racional dos medicamentos (URM) (BRASIL, 2001). A Politica Nacional de Assistência Farmacêutica trata a assistência como parte integrante da Política Nacional da Saúde, a qual envolve um conjunto de ações voltadas a promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto a nível individual como coletivo, tendo o medicamento como insumo essencial, desde a pesquisa para seu desenvolvimento até sua utilização buscando resultados concretos para a melhoria da qualidade de vida da população. (BRASIL, 2004).
Nos últimos tempos é possível observar uma valorização das ações de aquisição, armazenamento e distribuição do medicamento, que afasta a equipe de saúde, em especial o profissional farmacêutico, das questões outras que integram a Assistência Farmacêutica, desenvolvendo uma visão fragmentada dos serviços quanto à questão dos medicamentos, permitindo muitas vezes a pura mercantilização da terapêutica (OPAS, 2003).
O farmacêutico constitui-se hoje como um profissional de saúde bastante indicado para contribuir nos cuidados primários de saúde, por um lado pelos vastos conhecimentos que adquire em sua formação e por outro por ser um profissional da saúde de fácil acesso, presentes em todas as unidades de saúde, como por exemplo as farmácias e drogarias. Esta situação ainda é uma realidade em expansão e não ainda bem estabelecida, visto que em muitos estabelecimentos ainda é possível observar a ausência do serviço farmacêutico adequado, que zele pelo uso URM, em parceria com os demais serviços e profissionais do sistema de saúde, constituindo um problema importante de saúde pública (VIEIRA, 2007). Por outro lado, como a população vivenciou muitos anos uma ausência total desses serviços, a retomada deste hábito dar-se-á gradualmente. Dessa forma, há uma grande necessidade de transferência de informações aos pacientes, de forma que estes recebam os medicamentos com a indicação apropriada, nas doses, via de administração e duração apropriadas; que as contraindicações e a probabilidade de ocorrência de reações adversas sejam mínimas; que a dispensação seja correta e que haja aderência ao tratamento (SOBRAVIME, 2001). Dentro desse contexto a assistência farmacêutica procura colocar o profissional farmacêutico como "educador em saúde" que garanta o URM, com redução dos riscos de morbimortalidade terapêutica e que seu trabalho propicie meios para que os custos relacionados à farmacoterapia sejam os menores possíveis para a sociedade (VIEIRA, 2007).
A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) reconheceu a necessidade novos enfoques e de novas estratégias para integrar a educação e a participação comunitária nas atividades da assistência primária em saúde. Estas recomendações basearam-se em estudo que mostrou que métodos como, comunicação de massa, recursos audiovisuais, fotonovelas, aulas didáticas, palestras em centros de saúde, escolas, igrejas e outros centros comunitários, ações ligadas ao teatro, canções, feiras, dias da saúde e dinâmica de grupo, geravam importante impacto na saúde das comunidades (RICE & CANDEAS, 1989). Dentre as ferramentas de intervenção de educação em saúde podemos citar os meios de comunicação, com importante papel das mídias neste processo, especialmente da televisão e do radio (PERUZZO & CICILIA, 1998). A eficiência destes meios levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) criar o programa "Nas Ondas da Radio" no qual consta que a mídia tem um alto poder de influenciar a opinião pública e auxiliar o processo de educação da sociedade. O rádio é parte integrante do cotidiano de grande maioria da população brasileira. A grande popularidade deste veículo de comunicação é atribuída, sobretudo, ao caráter universal de sua linguagem – essencialmente coloquial, simples e direta –, além de estabelecer uma empatia com o ouvinte ao atender as suas demandas por entretenimento, informação e companhia (ANVISA, 2008).
São muitas as formas de educar a população e orientar a comunidade nos cuidados básicos para promoção da saúde e prevenção de doenças. Os meios de comunicação, principalmente a imprensa falada, destacam-se na perspectiva de educação à comunidade, pelo seu grande poder de penetração em regiões remotas. Dentre estes, o rádio assume papel de destaque na disseminação de informações, pois é o que mais ouvintes têm, pela facilidade de transmissão e necessidade de equipamentos simples como o famoso “radinho de pilhas”, tão presente na cultura do nosso país. Utilizar este meio de comunicação para divulgar saúde é pois o que já fazem outros países desenvolvidos, com enorme sucesso (MEDEIROS, 2003).
Ao referir-se ao rádio como grande meio de comunicação de massa que é, este trabalho propõe um programa na emissora Federal FM, vinculada a UFPel, com veiculação de inserções do tipo “drops” durante o dia. Será um trabalho de parceria com o saber popular, que se fortalecerá neste processo, por meio das contribuições dos ouvintes, podendo servir como instrumento de conscientização para a comunidade, com programas educativos veiculados e coordenados por farmacêuticos e estudantes do Curso de Farmácia da UFPel, aproximando assim os profissionais da população na busca de uma melhora na qualidade de saúde. Além das inserções através da rádio Federal FM o projeto possui páginas nas redes sociais e veicula documentos com informações acessíveis, rápidas e ao alcance de todos. Além disso o projeto possui uma parceria com a Coordenação de Comunicação Social da UFPel na veiculação de informativos de saúde pública na página oficial da UFPel no Facebook.
A expectativa é que esta iniciativa servirá como ferramenta para evidenciar a importância do papel da assistência farmacêutica, onde os farmacêuticos passam a atuar como “educadores coletivos”, através do cuidado e preservação do funcionamento do corpo e ampliação da consciência sanitária

Metodologia

Este estudo é do tipo observacional, transversal. A população é composta por toda região de abrangência da Rádio Federal FM, o que segundo informações técnicas possui um raio de abrangência entre 30-40 km. A amostra é composta pela população ouvinte da Rádio Federal FM. A pesquisa será realizada com auxílio da rádio federal FM e deve abranger, sobretudo, os municípios de Pelotas/RS e Capão do Leão/RS. As variáveis a serem pesquisadas serão: Perfil do usuário ouvinte (sexo, idade, cidade); interesse dos usuários da rádio pela natureza da informação; conhecimento sobre o programa; interesse pelo programa. O instrumento de pesquisa será a veiculação de Programas educacionais em saúde pública com foco na promoção do uso racional de medicamentos, intitulado “Dica do Farmacêutico” com duração de 30 a 60 segundos cada, gravados na Rádio Federal FM 107.9 MHz e veiculados diariamente. As dicas sobre uso de medicamentos serão feitas com base na literatura especializada (livros, farmacopeias, compêndios farmacêuticos e internet), transmitidas por meio de linguagem simples, estilo coloquial, descontraído, objetiva e direta. Os dados serão coletados a partir da aplicação de questionários devidamente estruturados divididos em três partes, a primeira traçando o perfil e interesse dos usuários da rádio, a segunda observando o conhecimento sobre o Programa e a terceira observando o interesse pelo programa.
A aplicação dos questionários ocorrerá num período de 60 dias organizada pelos participantes discentes supervisionados através dos meios socioeletrônicos, com auxílio do veículo de comunicação. Há igualmente a previsão de pesquisa através da abordagem pessoal em eventos de saúde promovidos pelo Curso de Farmácia ou Prefeitura Municipal. Os resultados serão apresentados por meio de gráficos e tabelas característicos para as variáveis categóricas apresentadas.

Indicadores, Metas e Resultados

A partir de uma proposta de integração entre academia e setor jurídico, esse projeto tem como meta a promoção do uso racional dos medicamentos e dos recursos que destinados a gestão da assistência farmacêutica no intuito de auxiliar o paciente a alcançar o tratamento de saúde do qual ele necessita, seja de forma administrativa ou, em último caso, por meio da judicialização. A redução no volume de solicitações judiciais de medicamentos e o equacionamento de modo satisfatório daqueles já encaminhados são desfechos que também podem ser vislumbrados com o presente projeto. Alinhado igualmente com uma proposta de formação em serviço, busca conscientizar os prescritores e demais atores envolvidos na gestão da assistência farmacêutica quanto aos riscos do uso indevido de medicamentos. Atenta a uma formação crítico humanista e alinhada com as políticas de saúde e problemas emergentes no país, o projeto possibilita a inserção do acadêmico de Farmácia no campo da judicialização da saúde, a abertura para novos campos de estágio e futuras parcerias. Os resultados encontrados neste projeto darão apoio para a implantação de um programa permanente, com vistas à continuidade das ações propostas nesse documento. Por fim, é meta desse projeto comprometer a comunidade universitária com os interesses e necessidades da sociedade, de modo corroborado aos princípios do SUS para o alcance de melhorias sobre os resultados em saúde.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANDREIA CORREIA RODRIGUES
CAROLINA SICCO DINIZ
CLAITON LEONETI LENCINA3
DIEGO BRIAO SIMOES
FERNANDO LOPEZ ALVEZ
ISIS FELDENS MULLER
LIDIANE DUTRA CHAVES
LUIS HENRIQUE OLIVEIRA DE MOURA
MARIA HELENA ROMANO SANTIN
MARINA INES ROMANO SANTIN
MAURICIO AMANCIO FILHO
MORGANA SILVERA BRAGA
PAULO MAXIMILIANO CORREA2
VANESSA SILVA RODRIGUES
VINICIUS KAISER QUEIROZ

Página gerada em 28/06/2022 15:29:14 (consulta levou 0.088508s)