Nome da Disciplina
INTELIGÊNCIA E COGNIÇÃO EM PLANTAS:COMO PLANTAS INTERAGEM C/ SEU AMBIENTE
CÓDIGO
09010013
Carga Horária
45 horas
Atividade Complementar
Não
Periodicidade
Semestral
Modalidade
SEMIPRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA EAD
1
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
3
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
2
CRÉDITOS
3
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

Nessa disciplina apresentaremos os fundamentos filosóficos e científicos que suportam uma nova compreensão sobre a vida das plantas. A partir de conceitos baseados nas Ciências Cognitivas e Filosofia da Mente será apresentado o arcabouço teórico e filosófico que, juntamente com evidências científicas empíricas, permitem a construção de uma nova percepção científica sobre a vida das plantas, com implicações em todas as escalas que circundam esses fantásticos seres vivos.

Objetivos

Objetivo Geral:

Pretende-se com essa disciplina não apenas promover um novo conhecimento científico sobre as plantas, mas também contribuir para o surgimento de uma nova relação dos seres humanos com os organismos que garantem a sobrevivência de todos os seres viventes no planeta.

 

Objetivos Específicos:

- caracterizar os organismos vegetais dentro de uma perspectiva sistêmica;
- apresentar aos estudantes os princípios epistemológicos do paradigma sistêmico;
- propiciar aos alunos um ambiente de discussão multidisciplinar, integrando conhecimentos da biologia, ciências cognitivas e áreas afins;
- apresentar e consolidar conhecimentos básicos sobre os processos de interação das plantas com seu ambiente físico;
- discutir a necessidade de assumir uma postura científica crítica que justifique a modelagem conceitual de plantas como sistemas cognitivos inteligentes;
- apresentar aos estudantes as bases experimentais e estimular a criatividade para proposição de experimentos voltados ao teste de hipóteses dentro do modelo cognitivo de plantas.

Conteúdo Programático

A cosmovisão sistêmica: um arcabouço filosófico para uma nova compreensão sobre as plantas;
O conceito de vida (e de planta) na perspectiva sistêmica;
A estética e a beleza das formas da Natureza;
O ambiente externo da planta;
Os sentidos das plantas: visão, olfato, audição, tato;
Aspectos gerais da interação planta-ambiente;
Relação com a produção vegetal (alimentos e comunidades florestais);
Conceito e definição de estresse;
Definição de conceitos operacionais (homeostase, plasticidade, resistência, tolerância, “evitação”, estabilidade, aclimatação, adaptação);
Como a planta responde ao ambiente?: percepção, sinalização, resposta;
Um fenômeno multi-escalar;
Inteligência, cognição, hábito, consciência: definições básicas;
Tomada de decisão;
Plantas como sistemas cognitivos inteligentes;
Sinalização elétrica em plantas: vestígios de consciência?;
Memória e aprendizagem em plantas;
Comunicação entre plantas;
Impactos na agricultura e ecologia;
Impactos na sociedade e nos indivíduos (humanos).

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • CAPRA, F. A Teia da Vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Editora Cultrix, São Paulo, 1997. 249p.
  • CHAMOVITZ, D. What a plant knows: a field guide to the senses. Scientific American/Farrar, Strauss and Giroux. New York. 2012. 177p.
  • LARCHER, W. Ecofisiologia Vegetal. Editora Rima. São Carlos. 2004, 531p.

Bibliografia Complementar:

  • FALIK, O.; de KROON, H.; NOVOPLANSKY, A. 2003. Self/non-self discrimination in roots. Journal of Ecology. 91: 525-531.
  • BALUSKA F., MANCUSO S., VOLKMANN, D. Communication in Plants: neuronal aspects of plant life. Springer, Berlin Heidelberg. 2006. 449p.
  • BALUSKA F., MANCUSO S. Plant neurobiology as paradigm shift not only in plant sciences. Plant Signaling and Behavior, 2: 205-7, 2007.
  • GAGLIANO M. 2015. In a green frame of mind: perspectives on the behavioural ecology and cognitive nature of plants. AoB PLANTS 7: plu075; doi: 10. 1093/aobpla/plu075
  • GARZÓN, F. C. The quest for cognition in plant neurobiology. Plant Signaling & Behavior, [S.I.], v. 2, p. 208-211, 2007.
  • FROMM, J., LAUTNER, S., Electrical signals and their physiological significance in plants. Plant, Cell and Environ. 30: 249-257, 2007.
  • LÜTTGE, U. Modularity and emergence: biology´s challenge in understanding life. Plant Biology, 14: 865-871, 2012.
  • MARDER, M. Plant intentionality and the phenomonological framework of plant intelligence. Plant Signaling & Behavior 7 (11): 1-8, 2012.
  • NOVOPLANSKY, A. Picking battles wisely: plant behavior under competition. Plant, Cell and Environment. 32: 726-741, 2009.
  • SOUZA, G. M. et al. É ético comer plantas: rumo a um modelo de cognição em plantas. Revista Simbio-Logias, 6: 77-88, 2013.
  • SOUZA, G. M.; LÜTTGE, U. Stability as a phenomenon emergente from Plasticity – Complexity – Diversity in Eco-Physiology. Progress in Botany. 76: 211-239, 2015.
  • THELLIER M.; LÜTTGE, U. Plant Memory: a tentative model. Plant Biology, German Botanical Society and The Royal Botanical Society of the Netherlands, 1-12, 2012.
  • TREWAVAS, A. J. Aspects of plant intelligence. Annals of Botany 92: 1-20, 2003.
  • TREWAVAS, A. Green plants as inteligente organisms.
  • TRENDS in Plant Science, 10(9): 413-419, 2005.
  • TREWAVAS, A.; BALUSKA, F. The ubiquity of consciousness. EMBO reports. 12: 1221-1225, 2011.

Disciplinas Equivalentes

Disciplina Curso
INTELIGÊNCIA E COGNIÇÃO EM PLANTAS:COMO PLANTAS INTERAGEM C/ SEU AMBIENTE Ciências Biológicas (Bacharelado)
INTELIGÊNCIA E COGNIÇÃO EM PLANTAS:COMO PLANTAS INTERAGEM C/ SEU AMBIENTE Ciências Biológicas (Licenciatura)

Página gerada em 17/11/2019 20:44:07 (consulta levou 0.149789s)