Nome da Atividade
HISTÓRIA DA ÁFRICA
CÓDIGO
10770023
Carga Horária
60 horas
Tipo de Atividade
DISCIPLINA
Periodicidade
Semestral
Modalidade
PRESENCIAL
Unidade responsável
CARGA HORÁRIA TEÓRICA
4
FREQUÊNCIA APROVAÇÃO
75%
CARGA HORÁRIA OBRIGATÓRIA
4
CRÉDITOS
4
NOTA MÉDIA APROVAÇÃO
7

Ementa

A disciplina procura apresentar uma perspectiva ampla da trajetória dos povos do continente africano, estudando o espaço geográfico, as diferentes etnias ali presentes, a influência da religião muçulmana no norte do continente, a formação de impérios na África Negra, a chegada dos europeus, a escravização dos negros africanos, os efeitos da abolição, a partilha do continente africano pelas potências europeias e o processo de descolonização posterior à 2ª Guerra Mundial.

Objetivos

Objetivo Geral:

Compreender as características geográficas do continente africano e os traços culturais característicos dos distintos grupos étnicos que ocupam o seu território.
Discutir a formação dos impérios na África Negra (século X-XV).
Problematizar acerca das influências exercidas pelo islamismo no continente africano.
Estudar as relações entre as nações europeias e os povos africanos, analisando o impacto da escravização dos negros, os efeitos da extinção do tráfico de escravos, a partilha do continente pelas grandes potências e o processo de descolonização a partir de meados do século XX.

Conteúdo Programático

Bibliografia

Bibliografia Básica:

  • - BRUNSCHWIG, Henri. A partilha da África. São Paulo: Perspectiva, 2004. Disponível em: http://www.edufrn.ufrn.br/bitstream/123456789/703/1/A%20PARTILHA%20DA%20AFRICA.%20BRUNSCHWING%2C%20Henri.%202004..pdf . Acesso em: 08 Set. 2021. - MACEDO, José Rivair. Desvendando a história da África. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008 (Série Diversidades. Linha Editorial Etnicidade, Identidade e Territorialidade). Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/yf4cf/pdf/macedo-9788538603832.pdf. Acesso em: 26 Jul. 2021. - UNESCO. História Geral da África. São Paulo / Brasília: Cortez / UNESCO, 2011 (8 volumes). Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/ResultadoPesquisaObraForm.do?skip=0&co_categoria=132&pagina=1&select_action=Submit&co_midia=2&co_idioma&colunaOrdenar=DS_TITULO&ordem=null. Acesso em: 15 Set. 2021.

Bibliografia Complementar:

  • - ALAGOA, E. J. Do Delta do Níger aos Camarões: os fon e os ioruba. In.: História Geral da África, vol. V, organizado por Bethwell Allan Ogot, p. 519-540. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000322.pdf 4 - HAMPATÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In.: História Geral da África I. Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO, 2010, p. 167-212. Disponível em: - OLIVA, Anderson Ribeiro. Desafricanizar o Egito, embranquecer Cleópatra: silêncios epistêmicos nas leituras eurocêntricas sobre o Egito em manuais escolares de História no PNLD 2018. Romanitas - Revista de estudos Grecolatinos, v. 10, p. 26-63, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/romanitas/article/view/18970. - OLIVA, Anderson Ribeiro. Lições sobre a África Diálogos entre as representações dos africanos no imaginário Ocidental e o ensino da história da África no Mundo Atlântico (1990-2005). 2007. Tese (Doutorado em História), Universidade de Brasília, Brasília, 2007. 415p. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/1132. - PEREIRA, Matheus Serva. Batuques negros, ouvidos brancos: colonialismo e homogeneização de práticas socioculturais do sul de Moçambique (1890-1940). Revista Brasileira de História (ONLINE), v. 39, p. 155-177, 2019.Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/HRbRxstZg8Q5HN8q9jtYkLw/abstract/?lang=pt. http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190249POR.pdf.

Página gerada em 21/06/2024 12:06:36 (consulta levou 0.051753s)