Nome do Projeto
Ateliê (auto)formativo: os sentidos de estar na Universidade
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
24/10/2017 - 01/12/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Humanas - Educação
Resumo
Este projeto se inscreve com a intenção de construir um espaço de reflexão, empreendida por estudantes de cursos de graduação da Universidade, em diálogo consigo e com os demais participantes, a fim de (re)construir e (re)significar os sentidos do Ensino Superior. Com este projeto, vislumbramos as possibilidades formativas do sujeito que se coloca em exercício reflexivo de pensar a sua trajetória enquanto estudante de graduação de um Universidade Pública, na produção dos sentidos de sua caminhada. Este projeto faz parte de um projeto de pesquisa intitulado - Dos significados à autorregulação: perspectivas de estudantes com trajetórias acadêmicas de insucesso, que é realizado junto a PRAE.

Objetivo Geral

Construir um espaço de (auto)formação, com base nos pressupostos da abordagem (auto)biográfica, sobre os sentidos da trajetória na Universidade, vivências e aprendizagens.

Justificativa

Ao refletirmos sobre os espaços formais de escolarização, tanto em nível básico quanto superior, é possível reconhecê-los enquanto espaços de apropriação dos conhecimentos científicos, socialmente produzidos e reconhecidos. A escola e, por conseguinte, a Universidade, é espaço de apreensão deste conhecimento como meio de formação do indivíduo.
Nesta esteira, reconhecemos a importância de incrementar este processo formativo a partir da construção de espaços reflexivos promotores de sentidos à si e a caminhada a qual se está a trilhar. Na reflexão desta caminhada, buscamos pensar os sentidos que ocupa a escolarização de terceiro grau na vida destes estudantes e, neste movimento, vamos ao encontro das histórias de aprendizagem destes estudantes de graduação, partícipes do projeto, na forma como vivenciam o seu processo de formação na Universidade.
Nosso projeto está inserido na abordagem (auto)biográfica, enquanto campo teórico de desenvolvimento de pesquisas em Educação que vem se solidificando desde as últimas décadas. Consideramo-a como um meio de investigação e, especialmente, configura-se, como meio formativo-pedagógico. Esta abordagem pensa espaço onde os indivíduos partem da experiência de si, questionam e (re)constroem os sentidos de suas vivências e aprendizagens.
Para além de um espaço de autoformação e autoconhecimento este projeto é um espaço de encontro com o outro. Na caracterização do projeto, este outro é múltiplo, visto a abertura aos diferentes cursos de graduação da Universidade. Assim, estudantes de diferentes áreas terão a possibilidade de participar de um espaço de encontro, socialização e formação coletiva. Assume-se segundo Brandão (2003), uma tomada de consciência de que quando eu convoco aquilo que procuro compreender, a sair do “lado da coisa e da estrutura formal”, para o “lado da relação e acontecimento vivenciado”, a minha interpretação passa a ser uma compreensão fundada na aventura assumida da intersubjetividade.

Metodologia

Os encontros acontecerão com base na metodologia denominada “Ateliês Biográficos de Projeto”, da pesquisadora franco-alemão Delory-Momberger (2008). Com base nas produções teórico-metodológicas da autora, será construído o Ateliê (auto)formativo: os sentidos de estar na Universidade.
Os encontros são construídos através da produção de narrativas, não como um discurso que contem o relato de acontecimentos vividos, mas como espaço de produção reflexiva sobre estes acontecimentos, na medida em que se constituem experiências formadoras. Neste sentido, estamos a consideras as narrativas de formação (DELORY-MOMBERGER, 2012a, p. 86). Considerando que o ato de narrar a própria vida inaugura um processo autoformativo do sujeito que narra, a narrativa de formação é aquela que relata o devir e o desenvolvimento de um ser através daquilo que ele aprende com suas experiências.
Para o desenvolvimento do ateliê, prevemos 4 etapas. A primeira destinada a explanação da proposta e assunção de responsabilidade, doação e comprometimento do grupo em relação à construção dos ateliês. Nesta mesma etapa, prevemos a construção da primeira narrativa oral, onde o grupo procurará construir os sentidos de escolha profissional e da reflexão da história que levou cada um ao Ensino Superior. A segunda etapa será destinada a construção coletiva da narrativa de vivência no Ensino Superior, onde, no diálogo com o outro, procuraremos construir sentidos coletivos sobre alegrias, desafios e os múltiplos sentimentos que acompanham a trajetória universitária experienciada por cada um. A terceira etapa será destinada a construção de um projeto de si, a partir das reflexões construídas nas etapas anteriores. Neste momento, os estudantes serão convidados a construírem seus projetos futuros, ou seja, as formas como desenham os futuros passos de suas caminhadas na universidade. A quarta e última etapa é dedicada a construção de um balanço avaliativo sobre o processo formativo vivenciado.

Resultados Esperados

Espera-se que os acadêmicos dos diferentes cursos de graduação, participantes do projeto, constituam um grupo colaborativo e construam sentidos sobre si e sobre as suas trajetórias.

Indicadores, Metas e Resultados

Contribuir para a superação das dificuldades que os estudantes encontram no enfrentamento de suas responsabilidades.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
AMELIA RODRIGUES NONTICURI424/10/201701/12/2017
CAROLINA DE MACEDO MARTINS424/10/201714/11/2017
CRISTIANO DA SILVA PALMA424/10/201714/11/2017
GRACE ELEONORA MARTINS BRAZ424/10/201714/11/2017
JULIA GUIMARÃES NEVES824/10/201701/12/2017
LOURDES MARIA BRAGAGNOLO FRISON424/10/201701/12/2017

Página gerada em 29/11/2020 00:00:41 (consulta levou 0.049535s)