Nome do Projeto
Monitoria Fanerogâmica
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
05/05/2015 - 16/12/2016
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Biológicas - Botânica
Resumo
O Instituto de Biologia da Universidade Federal de Pelotas, foi criado em 1969 e sua estrutura é constituída por cinco departamentos: Botânica (DB), Fisiologia e Farmacologia (DFF), Microbiologia e Parasitologia (DEMP), Morfologia (DM), e Ecologia, Zoologia e Genética (DEZG). Atualmente, estão lotados no Departamento de Botânica 14 docentes (destes, três são Professores Titulares) que atendem sete cursos de graduação: Ciências Biológicas Licenciatura, Ciências Biológicas Bacharelado, Agronomia, Farmácia, Zootecnia, Museologia e Engenharia Agrícola. Em 2014/1 o Departamento de Botânica ofertou treze disciplinas totalizando 512 alunos matriculados e em 2014/2, quinze disciplinas foram ofertadas para 465 alunos matriculados. Além da graduação, os professores do DB têm atuação ativa, orientando e/ou ministrando disciplinas, nos Programas de Pós-Graduação em Fisiologia Vegetal (vinculado ao próprio DB), Fruticultura (FAEM), Ensino de Ciências e Matemática (FAE), Ciência e Tecnologia de Alimentos (FAEM), Biotecnologia (CDTEC) e Zootecnia (FAEM). Sob responsabilidade e administração do Departamento de Botânica encontram-se dois importantes órgãos complementares do Instituto de Biologia, o Herbário PEL, com uma coleção com mais de 26 mil exsicatas, especialmente da flora regional da zona Sul do Rio Grande do Sul; e o Horto Botânico Irmão Teodoro Luis (HBITL), uma Área de Preservação Permanente desde 1964, contando com cerca de 25 hectares de rica e inestimável mata nativa. Tanto o Herbário PEL quanto o HBITL são utilizados por professores, técnico-administrativos, por estudantes para a realização de investigações científicas, além de atender à comunidade externa à Universidade e escolas de Ensino Fundamental e Médio. Dentro do Departamento de Botânica existem quatro grandes áreas: Anatomia Vegetal, Fisiologia Vegetal, Criptógamas e Fanerógamas. Na área de Fanerógamas, objeto deste projeto é abordado à morfologia externa e a taxonomia deste grupo de plantas. Atualmente, são quatro os docentes vinculados a esta área, e que atuam em nove disciplinas de cursos de graduação: Morfologia e Sistemática de Fanerógamas (0010032); Morfologia de Fanerógamas (0010029); Morfologia de Fanerógamas (0010039); Botânica (0010131); Morfologia e Sistemática Vegetal (0010023); Sistemática de Fanerógamas (0010030); Sistemática de Fanerógamas (0010058); Biologia Floral e Dispersão em Fanerógamas (0010063) e Botânica Aplicada à Zootecnia (1430004). Tendo em vista a ampla atuação do Departamento de Botânica, em especial da área de Fanerógamas, apresentamos o presente Projeto de Ensino como uma atividade eletiva aos discentes dos cursos de Ciências Biológicas Licenciatura e do Bacharelado e também da Agronomia que se mostrarem interessados em atuar como Bolsistas de Monitoria ou Monitores Voluntários.

Objetivo Geral

Promover a cooperação mútua entre discente e docente, possibilitando ao aluno a experiência da vida acadêmica, através da participação nas funções da organização e desenvolvimento das disciplinas dos cursos na área de Fanerógamas.

Justificativa

A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem, dentro das necessidades de formação acadêmica que contribui para a formação integrada do aluno nas atividades de ensino, pesquisa e extensão dos cursos de graduação, sendo destinada somente aos alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. Esta modalidade é percebida como uma ferramenta para a melhoria do ensino de graduação, visando o fortalecimento e a articulação entre teoria e prática e a integração curricular em seus diferentes aspectos. Além disso, a monitoria tem a finalidade de promover a cooperação mútua entre discente e docente, possibilitando ao aluno a experiência da vida acadêmica, através da participação nas funções da organização e desenvolvimento das disciplinas dos cursos. Objetiva ainda, promover o despertar do aluno para a docência.
A monitoria como procedimento pedagógico, tem demonstrado sua utilidade, à medida que atende às dimensões “política, técnica, e humana da prática pedagógica” (Candau, p.12-22).
A natureza das aulas da área de Morfologia e Sistemática de Fanerógamas é teórico-prática e a presença de um aluno monitor é fundamental tendo em vista o número de alunos atendidos. Nas aulas trabalha-se com material botânico fresco onde a coleta é uma importante atividade desempenhada pelo monitor. Além de prestar auxílio em sala de aula, o monitor supre as necessidades extraclasses dos alunos, auxiliando-os em dúvidas referentes ao conteúdo teórico da disciplina e na confecção do herbário didático, que é uma das avaliações das disciplinas.
Tanto o monitor bolsista quanto a monitor voluntário podem auxiliar ainda, nas atividades didáticas relacionadas ao Horto Botânico, auxiliando nas expedições de campo realizadas com os alunos.

Metodologia

As atividades que serão desempenhadas durante a execução do presente projeto de Ensino são relacionadas exclusivamente às disciplinas da área de Fanerógamas. Sendo assim, a metodologia restringe-se às atividades competentes à um aluno monitor, que serão realizadas dentro e fora de sala de aula, como: Auxiliar os professores na coleta e preparo de material botânico fresco que irá ser utilizado nas aulas práticas; Auxiliar os professores e alunos durante as aulas práticas; Atender os alunos em atividades extraclasse; Auxiliar os alunos na elaboração dos herbários bem como prestar auxílio aos docentes no que tange a correção dos herbários didáticos.
As disciplinas podem estender-se para fora da sala de aula, e neste sentido, os monitores podem auxiliar em atividades realizadas no Horto Botânico Irmão Theodoro Luis e arredores do Campus Capão do Leão, tais como as saídas de campo.

Resultados Esperados

A importância da monitoria nas disciplinas do ensino superior extrapola o caráter de obtenção de um título. Sua importância vai mais além, seja no aspecto pessoal de ganho intelectual do Monitor, seja na contribuição dada aos alunos monitorados e, principalmente, na relação de troca de conhecimentos, durante o programa, entre professor orientador e aluno monitor. O aluno monitor experimenta em seu trabalho docente, de forma amadora, as primeiras alegrias e dissabores da profissão de professor universitário durante o programa de monitoria. O fato de estar em contato direto com alunos na condição, também de acadêmico, propicia situações inusitadas, que vão desde a alegria de contribuir pedagogicamente com o aprendizado de alguns até a momentânea desilusão, em situações em que a conduta de alguns alunos mostra-se inconveniente e desestimuladora. Os ensinamentos adquiridos junto ao professor orientador e aos alunos monitorados integram-se à carga intelectual e social do aluno monitor, revelando-lhe novos horizontes e perspectivas acadêmicas. Acreditamos que o laboratório vivido na monitoria serve para despertar vocações ou para prevenir erros futuros. O privilégio oferecido aos aprovados nos programas de monitoria torna-se de fundamental importância para a descoberta da vocação docente, evitando, assim, que no futuro, possa tornar-se um profissional descontente com a carreira escolhida. Para o monitor é um estímulo que exige comprometimento e responsabilidade. As experiências vividas na monitoria acadêmica são marcas que ficarão impressas no intelecto de quem tenha o privilégio de vivenciar essa realidade (Lins et al., 2009)

Indicadores, Metas e Resultados

O monitor é compartilhado entre várias disciplinas da área de Fanerógamas.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
CAROLINE SCHERER205/05/201516/12/2016
ELEN NUNES GARCIA205/05/201516/12/2016
GIOVANNA BOFF PADILHA2005/05/201516/12/2016
ISIS PAGLIA VITAL CHAVES2005/05/201616/12/2016
LEILA DE FATIMA NOGUEIRA MACIAS205/05/201516/12/2016
RAQUEL LUDTKE305/05/201516/12/2016
RENATA TREVIZAN TELLES DE SOUZA2005/05/201516/12/2016

Página gerada em 23/08/2019 12:43:00 (consulta levou 0.050654s)