Nome do Projeto
Cefalometria Radiográfica como Ferramenta Acessível para o Diagnóstico Ortodôntico na Atenção à Saúde da Criança.
Ênfase
ENSINO
Data inicial - Data final
13/04/2015 - 18/12/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Odontologia - Ortodontia
Resumo
O presente trabalho desenvolve-se em conformidade com os princípios de diagnóstico vigentes nos conteúdos do curso de graduação em Odontologia e pós-graduação (Mestrado e Doutorado em Odontopediatria) nos quais o coordenador da proposta atua.
Os antecedentes dessa proposta estão em trabalhos de pesquisa que desenvolveram as ferramentas de análise cefalométrica convencional, que proporcionam ao profissional que atua na saúde da criança em odontologia identificar e qualificar más oclusões de origem esquelética e não esquelética com a finalidade de proposição mais precisa de manobras terapêuticas. Os conteúdos e metodologias partem daqueles ministrados nos laboratórios de Ortodontia Preventiva e Intercpetora e Pré-clínia das áreas de Ortodontia e Odontopediatria na Faculdade de Odontologia da UFPel. Os laboratórios são majoritariamente de ensino, no entanto, neles desenvolvem-se trabalhos de pesquisa e extensão.
 A sistematização da documentação fotográfica e radiográfica dos pacientes infantis atendidos na clínica infantil no curso, no entanto, carecem de tratamento mais apurado para o diagnóstico e proposição de tratamento durante as atividades curriculares pertinentes ao curso de Odontologia.

Objetivo Geral

Relacionar a análise e o diagnóstico com uso de recursos em cefalometria radiográfica em práticas de construção do plano de tratamento em ortodontia interceptora, enfatizando técnicas acessíveis ao profissional não especialista, bem como ressaltando seu uso transdisciplinar na formação dos estudantes dos cursos de Odontologia.

Justificativa

Justifica-se o trabalho sob dois aspectos importantes: 1. A formação do estudante em diagnóstico, sistematização e processamento analítico mais avançado de radiografias cefalométricas tem sido a demanda frequente em instituições de que atendem a saúde oral de crianças, sendo esse o caso da Faculdade de Odontlogia. Entretanto, a exígua carga horária reservada para formação na área de Ortodontia no currículo de graduação na Faculdade de Odontologia da UFPel, assim como na ampla maioria das escolas de Odontologia públicas e privadas do país, não permite formação mais significativa na área de diagnóstico com uso de telerradiografias, respresentando uma grande lacuna para o graduando na área. O avanço e o aperfeiçoamento na avaliação ortodôntica com auxílio de exames cefalométricos de pacientes em crescimento e desenvolvimento extrapolou a barreira da especialização. De tal modo, a necessidade de preparo para esta atividade vem se impondo aos profissionais da odontologia, especialmente nas últimas duas décadas. Há várias razões que explicam esse aumento na demanda por conhecimento e formação em cefalometria. A mais imediata é a mudança do perfil do egresso em relação as novas dinâmicas no mercado de trabalho e o extenso aumento da competitividade profissional. Progressivamente, a atividade profissional, antes bem circunscrita em clínicas especializadas ou não especializadas, foi sendo substituída pelas práticas clínicas em associações entre profissionais de diversas especialidade ou por atividades clínicas exercidas por um profissional que possui múltiplas especialidades. Entre as áreas mais procuradas por recém formados estão a Ortodontia e a Odontopediatria. De tal modo, hoje, o que há nas instituições de ensino dedicadas ao ensino da Odontologia, ainda com currículos predominantemente tradicionais, não atende a toda uma nova demanda de habilidades e competências necessárias ao egresso frente a nova realidade de trabalho. O conhecimento e o domínio de ferramentas antes exclusivamente ao alcance do especialista deixou de ser usual, representando uma demanda oportuna e atual.
Por outro lado, também o é porque a exigência de mudança no exercício profissional determina uma mudança no modo de executar o planejamento e a por consequência maior exigência na formação acadêmica. 2. As atividades clínicas regularmente associadas ao exercício profissional em Odontologia não especializada, mas que inclui atendimento à crianças, ou na especialidade de Odontopediatria, podem avançar grandemente em termos de qualidade com o uso de recursos adicionais advindo da capacitação em técnicas de diagnóstico com o uso de cefalometria radiográfica. Toda formação do acadêmico pode encontrar reflexos significativos e aumento do potencial de ação quando as técnicas de análise cefalométrica estão acessiveis como ferramenta auxiliar no diagnóstico de más oclusões. Essa condição transcende qualquer imposição relacionada a competitividade profissional o cenário econômico. Históricamente, essa metodologia de avaliação facial é responsável por uma grande parte dos avanços no entendimento dos fenômenos relacionados ao crescimento facial, bem como, na compreensão da relação entre a dentição em desenvolvimento e a morfologia da face.

Metodologia

Realização de seminários e painéis de debate, bem como ciclos de educação continuada com alternância de módulos de aulas expositivas seguidas de exercícios práticos em negatoscópio com seguimento do seguinte roteiro:
1. Resgate de conceitos e definições elementares e sua relação com a história das técnicas cefalométricas aplicadas de forma multiciplinar.
2. Desenvolvimento e aprendizado em cefalometria.
3.Delimitação dos padrões adequados para documentação ortodôntica relacionada ao diagnóstico fundamentado no uso de telerradiografias em Ortodontia, Cirurgia Ortognática e Odontopediatria.
4. Conceitos de discrepâncias dentária e esqueléticas e sua nomenclatura.
5.Correlação entre análise de modelos e cefalometrica numa aplicação multiciplinar.
6. Representações Esquemáticas das Relações Dentofaciais.
7.Técnicas radiográficas cefalométricas de interesse para o clínico e odontopediatra.
8. Pontos craniométricos.
9. Cefalograma de wylie.
10. Cefalograma de steiner.
11. Posição ideal dos incisivos.
12. Sobreposições cefalométricas.
13. Tendência de crescimento facial.
14. Interpretação esquemática das más oclusões.
15. Cefalometria computadorizada.
16. Tomografia computadorizada e cefalometria 3D.
17. Cefalometria com ferramenta de pesquisa.

Resultados Esperados

1. Formação interdisciplinar dos estudantes envolvidos. 2. Experiência em um projeto no qual a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão é dada na prática dos procedimentos e na demanda de tratamento que o paciente exige. 3. Compreensão da interdependência entre elementos de diagnóstico e capacitação do operador 4. Sistematização da documentação de pacientes na clínica infantil. 5. Trabalho de cooperação entre profissionais de diferentes áreas. 6. Impacto nos serviços prestados ao público que frequenta a clínica infantil da Faculdade de Odontologia da UFPel. 7. Geração de conjunto de padrões técnicos e análises de escolha consolidando um modelo básico de referencia acadêmica na Faculdade de Odontologia-UFPel.

Indicadores, Metas e Resultados

Os estudantes monitores atuarão em duplas com os estudantes cursantes para acessoramento individual, com horários pré-definidos. Cada dupla deve fazer constar em ficha específica de acompanhamento o resultado do seu trabalho semanal. A cada 15 dias as fichas serão revisadas pelo coordenador e professores colaboradores. As orientações com os professores colaboradoras serão semanais e cada monitor será avaliado individualmente e em grupo com ênfase no desenvolvimento do estudante cursante. A cada 30 dias os monitores irão apresentar relatórios orais com auxílio de material audivisual construido por eles próprios a evolução dos acadêmicos cursantes.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANA CAROLINA GLUSZEVICZ213/04/201518/12/2015
ANDREZA VIEIRA DA SILVA213/04/201518/12/2015
CATIARA TERRA DA COSTA213/04/201518/12/2015
DARLAN RADTKE BERGMANN213/04/201518/12/2015
DOUVER MICHELON213/04/201518/12/2015
DÁLVIO ALENCAR GALLAS LIPPERT213/04/201518/12/2015
ELAINE DE FATIMA ZANCHIN BALDISSERA213/04/201518/12/2015
FERNANDA PRIEBE DOS SANTOS213/04/201518/12/2015
FRANCISCA FERREIRA MICHELON213/04/201518/12/2015
GABRIELLA DA ROSA DUTRA213/04/201518/12/2015
LIGIA EDUARDA KOLLING LERMEN213/04/201518/12/2015
MELISSA FERES DAMIAN213/04/201518/12/2015
THIAGO FREITAS LOPES213/04/201518/12/2015
THIAGO JOSÉ DOMINGUES DE ANDRADE213/04/201518/12/2015

Página gerada em 14/11/2019 12:09:38 (consulta levou 0.049483s)