Nome do Projeto
Produção e avaliação de quimeras de antígenos de Mycoplasma hyopneumoniae visando o desenvolvimento de vacinas recombinantes contra a Pneumonia Micoplásmica Suína
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
09/03/2009 - 10/03/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Resumo
A suinocultura brasileira tem superado ano a ano seus índices técnicos, atingindo taxas de desfrute continuamente melhores. Com o 3º maior plantel mundial e a 5º maior produção de carne suína, a suinocultura brasileira encontra bases bastante consistentes para continuar crescendo. Porém, alguns problemas sanitários se contrapõem a esta tendência, proporcionando um crescimento aquém do esperado. Dentre eles, a Pneumonia Micoplásmica Suína (PMS), causada pela bactéria Mycoplasma hyopneumoniae, está entre as doenças infecciosas de maior impacto na suinocultura. Os prejuízos são decorrentes de quedas na produtividade que podem chegar a 20% sobre a conversão alimentar e até 30% sobre o ganho de peso. Na região Sul do Brasil, que representa cerca de 80% do abate nacional, constatou-se que 55% dos suínos de abate apresentavam lesões sugestivas de PMS e 100% dos rebanhos examinados estavam afetados. A vacinação parece ser a forma mais efetiva de controlar a PMS. As vacinas comerciais disponíveis são constituídas de células totais inativadas (bacterinas) e por isso apresentam um elevado custo de produção, reflexo das dificuldades no cultivo de M. hyopneumoniae. Estas vacinas conferem proteção parcial aos suínos, caracterizada pela redução das lesões, porém não reduzem a colonização nem o estabelecimento de suínos portadores, uma vez que não estimulam o sistema imune de mucosa, cujo principal mecanismo de proteção é mediado pela IgA secretora - IgAs. A produção de vacinas recombinantes experimentais contra a PMS vem se destacando no cenário científico, uma vez que o cultivo de M. hyopneumoniae não é necessário. Algumas destas vacinas experimentais apresentaram resultados promissores, entretanto também conferiram proteção parcial aos suínos, visto que eram constituídas por apenas um antígeno ou aplicadas por via parenteral. A infecção por M. hyopneumoniae ocorre na mucosa respiratória, portanto, uma adequada estimulação do sistema imune associado à mucosa é estratégica. Uma nova classe de adjuvantes vem ganhando destaque na produção de vacinas recombinantes de subunidade. Esta classe é representada pela subunidade B da enterotoxina termolábil de Vibrio cholerae e Escherichia coli (CTB e LTB, respectivamente). Estas subunidades atóxicas são potentes adjuvantes de mucosa, estimulando uma forte resposta sistêmica e secretória (IgAs) de anticorpos contra antígenos co-administrados ou fusionados. Assim, este projeto visa a construção e avaliação de quimeras recombinantes constituídas pelos antígenos R1 (P97), P42 e NrdF de M. hyopneumoniae, os quais conferiram proteção parcial aos suínos quando avaliados individualmente, fusionados à LTB, um dos mais potentes adjuvantes da imunidade de mucosa.

Objetivo Geral

- Elaborar vacinas de subunidade compostas por quimeras recombinantes constituídas pelos antígenos R1 (P97), P42 e NrdF de M. hyopneumoniae fusionados à subunidade B da enterotoxina termolábil de E. coli (LTB).
- Avaliar a resposta imune em camundongos.
- Avaliar vias de administração (nasal, oral e parenteral).

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
2
2
40
IVAN BIANCHI209/03/200910/03/2014
ODIR ANTONIO DELLAGOSTIN209/03/200910/03/2014

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 0,00
CNPqR$ 0,00

Página gerada em 17/12/2018 03:10:46 (consulta levou 0.064385s)