Nome do Projeto
AVALIAÇÃO DO SISTEMA PURINÉRGICO EM ANIMAIS EXPOSTOS AO ESTRESSE CRÔNICO VARIADO ALTERAÇÕES BIOQUÍMICAS E COMPORTAMENTAIS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/03/2012 - 02/03/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Biológicas - Bioquímica
Resumo
O estresse crônico induz alterações comportamentais, neuroquímicas e endócrinas diferentes daquelas causadas pelo estresse agudo revelando diferentes possibilidades de adaptações. Os modelos de estresse crônico têm sido relacionados como indutores de alterações no humor, no comportamento alimentar, na nocicepção, na memória, entre outros. Dependendo do tipo de modelo utilizado, as alterações podem ser diferenciadas. Em modelos de estresse crônico que utilizam apenas um tipo de agente estressor com duração e período de aplicação fixos, podemos observar uma possível habituação do organismo ao estresse. Em modelos de estresse variado (mais de um tipo de agente estressor com durações diferenciadas e períodos de aplicação variáveis) não foi observado tal efeito. O modelo de estresse variado tem como característica a imprevisibilidade, ou seja, o animal tem dificuldade em adaptar-se aos agentes estressores. Este modelo está relacionado com o desenvolvimento de desordens afetivas como por exemplo: ansiedade ou depressão. A característica do agente estressor, além de outros fatores que incluem gênero do indivíduo determinarão o tipo de ativação neuroendócrina em resposta ao estresse. Nos dois modelos de estresse crônico ocorre uma diminuição no limiar de dor (hiperalgesia) efeito diferente de uma situação de estresse agudo onde ocorre analgesia. Dados da literatura têm demonstrado o envolvimento do sistema purinérgico com os mecanismos de nocicepção em animais estressados. Adenosina 5’ trifosfato (ATP), adenosina 5’ difosfato (ADP), adenosina 5’ monofosfato (AMP) e adenosina são nucleotídeos e nucleosídeo da adenina, respectivamente. Após serem liberados do terminal neuronal ou serem hidrolisados por enzimas específicas (ectonucleotidases) atuam através da ligação em receptores localizados na membrana celular. Estes nucleotídeos são capazes de atuar tanto como pró-nociceptivos como antinociceptivos em nível de sistema nervoso periférico e central. Adenosina parece exercer ação inibitória sobre a transmissão sináptica nociceptiva em medula espinhal e cérebro de rato. O efeito antinociceptivo ocorre via ativação dos receptores A1 e resulta primariamente de hiperpolarização pós-sináptica por aumento da condutância de potássio e secundariamente por inibição pré-sináptica da liberação da substância P e de outros neurotransmissores excitatórios por meio da inibição da entrada de cálcio nesses terminais. Por outro lado, o ATP está envolvido em mecanismos centrais e periféricos da nocicepção. O ATP é um neurotransmissor liberado dos Neurônios Aferentes Primários (NAP) na medula espinhal para atuar no mecanismo central da dor. Além da existência em tecidos periféricos, o receptor P2X é encontrado nos neurônios sensoriais de pequeno diâmetro do gânglio da raiz dorsal e nos terminais pré-sinápticos de NAP no corno dorsal da medula espinhal. Os testes electrofisiológicos mostraram que o ATP aplicado perifericamente causou um aumento marcado na descarga dos neurônios sensoriais e a ativação do receptor P2X pelo ATP provocou a liberação espontânea de glutamato. A ação nociceptiva do ATP ocorre principalmente através da ligação aos receptores P2X3 e P2X2/3, os quais estão amplamente expressos nos NAP. As concentrações dos nucleotídeos no compartimento extracelular e, consequentemente, a ativação dos receptores purinérgicos, são controladas por ectoenzimas que catalisam a sua interconversão. Essas enzimas denominadas de ecto-nucleotidases incluem: as ecto-nucleosideo-trifosfo-difosfoidrolases (E-NTPDases), as ecto-nucleotideo pirofosfatase/fosfodiesterase (E-NPPs), as ecto-fosfatases alcalinas e a ecto-5’-nucleotidase/CD73 (ecto-5’-NT/CD73) as quais têm sido detalhadamente estudadas nos últimos anos. Essas ecto-enzimas, através de reações sucessivas, constituem uma cascata enzimática altamente eficiente, hábil em controlar a concentração e o tempo em que essas moléculas sinalizadoras permanecem no espaço extracelular. O objetivo do presente projeto é avaliar as atividades E-NTPDásicas e de ecto-5’-nucleotidase em sinaptossomas de córtex cerebral de ratos submetidos ao estresse crônico variável. Além disso, avaliaremos respostas nociceptiva, inflamatória, antioxidante e comportamental desses animais 24 h após a última sessão de estresse.

Objetivo Geral

Objetivo Geral: Avaliar as atividades E-NTPDásicas e de ecto-5’-nucleotidase em sinaptossomas de córtex cerebral de ratos submetidos ao estresse crônico variável. Além disso, avaliaremos respostas nociceptiva, inflamatória, antioxidante e comportamental desses animais 24 h após a última sessão de estresse.

Objetivos Específicos:

a) Verificar se a exposição ao estresse crônico influencia a atividade das E-NTPDásicas e de ecto-5’-nucleotidase em sinaptossomas de córtex cerebral
b) Determinar os níveis de enzimas antioxidantes e estresse oxidativo (medido através da determinação da concentração de malondialdeído, catalase, superóxido dismutase e glutationa peroxidase) do SNC no córtex,
c) Avaliar a resposta nociceptiva em animais submetidos ao estresse crônico variável.
d) Avaliar o comportamento dos animais na tarefa de Campo Aberto.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
1
1
1
1
4
4
4
4
8
8
8
8
8
20
IZABEL CRISTINA CUSTODIO DE SOUZA401/03/201202/03/2014
PÂMELA CRISTINA DE LIMA AVELAR1201/08/201331/07/2014

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 0,00

Página gerada em 10/12/2018 20:44:16 (consulta levou 0.084991s)