Nome do Projeto
Aspectos socioculturais da obesidade na adolescência
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/03/2012 - 02/03/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Resumo
Alguns autores encontraram que a obesidade pode ocorrer como resposta ao estresse, depressão e a ansiedade. Crianças e adolescentes com problemas emocionais podem reagir com desejo de superação imediata de dificuldades e buscar gratificações através do consumo de determinados alimentos. Mas este comportamento-resposta se mantém ao longo da vida e por quê? As conseqüências psicológicas, como autoconceito negativo, isolamento social, impacto negativo na qualidade de vida e na escolarização já foram relatadas para crianças e adolescentes. Da infância à adolescência ocorrem importantes modificações corporais. Do ponto de vista nutricional, o período da adolescência (10-19 anos) é considerado uma fase fundamental em relação a desfechos futuros, pois é quando alguns hábitos de vida são fixados e podem levar ao desenvolvimento de doenças na fase adulta. Adolescente obeso provavelmente tornar-se-á um adulto obeso. Além disso, é nessa fase que se consolida a auto-imagem corporal tão importante para o bem-estar psicológico, ambos aspectos relacionados as expectativas históricas e culturais dos atributos de gênero. Adolescentes obesos sofrem mais discriminações do que aqueles não obesos e têm menos oportunidades de inserção no trabalho e de integração social. Ser gordo é uma condição desvalorizada em muitas sociedades, associada à preguiça e a falta capacidade emocional para superar adversidades, concepção que aumenta o estigma desde a infância. Essa complexa inter-relação de fatores leva a outra importante questão, não explorada nos estudos nacionais sobre o tema – que influência tem os pares sociais no comportamento do obeso? O estudo de Christakis e Fowler amplia o entendimento da obesidade ao avaliá-la a partir da rede social e entendê-la como um conceito que pode ser transmitido de pessoa a pessoa, gerando ou mantendo o preconceito social. Ter amigos obesos pode mudar não só a tolerância para com o ganho de peso, a concepção estética sobre o indivíduo obeso, assim como facilitar a adoção de comportamentos alimentares específicos e menos saudáveis. Entender a obesidade como resultante de um comportamento ou escolha voluntária impõe a buscar a compreensão de como os jovens obesos explicam seu peso e seus hábitos em contexto sociocultural contrário ou favorável ao excesso de peso. Portanto, distinguir ou apontar fatores que possam influenciar a obesidade em nível individual, familiar e social é um desafio presente e fundamental para este estudo.

Objetivo Geral

Objetivo Geral


Descrever e compreender mecanismos socioeconômicos, culturais e psicológicos relacionados à obesidade entre jovens pertencentes ao estudo de coorte de nascimento de 1993, em Pelotas (RS).



Objetivos específicos


1.Investigar o papel da rede social e familiar na formação de hábitos de vida obesogênicos;

2.Explorar a autopercepção corporal e o autoconceito dos jovens e compreender como eles identificam e apreendem a obesidade na sua rede social;


3.Em relação à aparência corporal, identificar a ocorrência de características negativas e estigmatizantes (como bullying, isolamento social) que influencia no comportamento alimentar;

4.Efetuar medidas antropométricas (peso e altura) dos familiares (pais e irmãos) dos jovens.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
06
06
06
ANA MARIA BAPTISTA MENEZES601/03/201202/03/2014
MARIA CECILIA FORMOSO ASSUNCAO601/03/201202/03/2014
PEDRO RODRIGUES CURI HALLAL601/03/201202/03/2014

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 0,00

Página gerada em 09/12/2018 17:39:02 (consulta levou 0.070157s)