Nome do Projeto
COMPORTAMENTO ESTRATÉGICO, AMBIDESTRIA, INCERTEZA AMBIENTAL E DESEMPENHO NO PROCESSO DE FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DAS EMPRESAS VINÍCOLAS PORTUGUESAS
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
17/09/2012 - 19/03/2014
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas - Administração
Resumo
Atualmente, as decisões tomadas pelos gestores são constantemente colocadas à prova, o que é um reflexo da escassez de recursos, da concorrência acirrada e das inconstâncias ambientais. Sendo assim, a compreensão do comportamento do gestor, sua leitura dos aspectos ambientais e, por consequência, seus desdobramentos sobre as atividades da empresa tornam-se fundamentais para que o processo de formulação de estratégia seja o mais eficaz e efetivo possível. No entender de Feitosa e Cândido (2007), a formulação adequada das estratégias apoia o líder e distribui os recursos da organização numa postura única e viável com base nas competências e deficiências internas, na antecipação de alterações ambientais e nas mudanças contingenciadoras dos concorrentes. Para lidar com a incerteza e a disposição de recursos gerados pelo ambiente, as organizações devem adotar determinados comportamentos estratégicos a fim de atingir objetivos propostos e, ainda, desempenhos superiores (GARDELIN, 2010). Dessa forma, uma variedade de circunstâncias geram dúvidas no momento das tomadas de decisões, dentre elas a principal talvez seja: investir em novos produtos/serviços ou melhorar os já existentes? De acordo com March (1991), este questionamento torna-se não só irrelevante como também danoso ao desempenho organizacional. No entender do autor, é vital explorar (inovar) e explotar (refinar) produtos e serviços de maneira equilibrada para que exista a sobrevivência do sistema organizacional. O balanceamento entre as ações de exploração e explotação gera uma característica ambidestra na organização. Essa particularidade surge no momento em que a empresa consegue a manutenção do ritmo de desenvolvimento e pesquisa de novos produtos e serviços ao mesmo tempo em que aperfeiçoa continuamente os já existentes. March (1991) afima que uma empresa pode colocar em risco a maximização do desempenho, ao se concentrar unicamente em atividades de exploração ou de explotação. Ainda, para o correto entendimento de situações vivenciadas pelas organizações em decorrência de incertezas ambientais, à moderna gestão é exigida uma interpretação detalhada das variáveis específicas que circundam a empresa, o que poderá levar a organização a criar mecanismos de proteção ou transposição de barreiras ambientais, resultando em um desempenho superior. Miller (1992) sustenta que as variáveis ambientais não compreendem somente aquelas externas à organização, e afirma que o gestor deve levar em consideração, também, o ambiente interno nas tomadas de decisões. Segundo o autor, um desequilíbrio duradouro na organização, com relação à estrutura ou processo, pode vir a resultar na busca incessante de ajustes internos, onde a incerteza manifesta-se como desafio ao corpo gerencial quando das tomadas de decisões, que devem espelhar os melhores intérpretes da nova tecnologia emergente e dos novos mercados competitivos. Assim, o presente estudo procura entender essas relações almejando responder o seguinte questionamento de pesquisa: Qual a relação entre comportamento estratégico, ambidestria e desempenho organizacional, moderados pela incerteza ambiental?

Objetivo Geral

Objetivo geral

 Relacionar comportamento estratégico, ambidestria e desempenho, moderados pela incerteza ambiental, em empresas Vinícolas Portuguesas.

Objetivos específicos

 Associar comportamento estratégico e ambidestria;
 Relacionar comportamento estratégico e desempenho organizacional;
 Correlacionar ambidestria e desempenho organizacional;
 Examinar o efeito mediador da ambidestria sobre a relação comportamento estratégico e desempenho organizacional;
 Averiguar o efeito mediador da incerteza ambiental sobre a relação entre o comportamento estratégico e a ambidestria organizacional;
 Constatar o efeito mediador da incerteza ambiental sobre a relação entre o comportamento estratégico e o desempenho organizacional;
 Verificar o efeito mediador da incerteza ambiental sobre a relação entre a ambidestria e o desempenho organizacional.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
12

Página gerada em 19/12/2018 11:57:02 (consulta levou 0.076084s)