Nome do Projeto
ESTUDO DE HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE BRASILEIROS DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E ESPACIALIZAÇÃO
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
06/01/2014 - 31/12/2015
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências da Saúde - Saúde Coletiva
Resumo
Os hospitais de pequeno porte são estratégicos para o sistema, e uma proposta específica para esse segmento deve reunir um grande potencial de: - agregação de resolutividade à assistência prestada pelas unidades da atenção básica da rede existente; - garantia de continuidade da assistência prestada entre os diferentes níveis de complexidade; - garantia à Estratégia de Saúde da Família (ESF) de acesso a leitos de internação nas clínicas básicas e a procedimentos de baixa complexidade; - contribuição à organização do sistema de referência e contra-referência para os serviços hospitalares, nos diferentes níveis de complexidade; - estímulo à ampliação de cobertura da ESF, por meio da implantação de novas equipes; - estímulo à fixação dos profissionais de saúde na rede municipal; - estímulo ao exercício do controle social sobre o processo de produção dos serviços de saúde; - adequação do fluxo da demanda por internações, considerando-se o perfil assistencial dessas unidades; - estímulo a modalidades de assistência alternativas à internação hospitalar; e - indução do processo de descentralização (LÓPEZ, 2004) Do ponto de vista do financiamento, há um claro esgotamento do modelo e das possibilidades de sobrevivência do hospital tradicional em Municípios de pequeno porte. Entretanto, suas características estruturais e físicas demonstram grande potencial de aplicação para novas tecnologias, que tratem a rede básica e o hospital de maneira complementar e respondam, com eficiência e eficácia, às demandas locais de saúde. Pleiteada sob esse prisma, a formação de uma rede solidária de abrangência regional aparece como uma alternativa a ser considerada, especialmente nos atendimentos de urgências, emergências e partos (CORRÊA, 2009). Dessa forma, os HPP têm um grande potencial de aplicação de novas tecnologias que tratem a rede básica e o hospital de maneira complementar e respondam, com eficiência e eficácia, às demandas locais de saúde, especialmente nos atendimentos de urgências, emergências e partos (UGÁ e LÓPEZ, 2007). A presente proposta almeja produzir evidências capazes de subsidiar o debate sobre quais podem ser os novos papéis dos HPPs frente às demandas e desafios que se colocam para a sua inserção mais efetiva no âmbito do SUS e das redes de atenção à saúde.

Objetivo Geral

OBJETIVOS GERAIS DA PROPOSTA

Realizar diagnóstico situacional dos 3.524 estabelecimentos hospitalares com até 50 leitos existentes no Brasil, registrados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, a fim de subsidiar pressupostos e diretrizes para elaboração de Política de Gestão para este segmento hospitalar. Para tanto serão avaliados os serviços dos hospitais de pequeno porte (até 50 leitos) do SUS, a espacialização da oferta de serviços, as condições e relações de trabalho, a infraestrutura de operação, os padrões de financiamento, bem como outras dimensões que se mostrem relevantes para a caracterização deste objeto.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Podem ser definidos os seguintes objetivos específicos para a presente proposta:
 Apresentar diagnóstico situacional do conjunto de HPPs que prestam serviço ao SUS, nas dimensões de: infraestrutura, assistência, recursos humanos, financiamento, qualidade e segurança do paciente e papel na Rede de Atenção à Saúde Loco/Regional e produtividade;
 Analisar a espacialização na oferta de serviços atrelados aos HPP’s, bem como a sua inserção nas redes de atenção à saúde;
 Tecer proposições quanto às possibilidades de redefinição, em carácter individualizados, para cada HPP atuante no Brasil;
 Levantar informações capazes de alimentar parâmetros internacionais de comparação de desempenho entre os HPPs brasileiros e aqueles de outros países;
 Apresentar subsídios para a definição pressupostos e diretrizes para a elaboração da Política de Gestão para este segmento hospitalar.

Instituições envolvidas - UFPEL, UnB, UFMA, UFSC, UFG e UFMG (FACE)


Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ANACLAUDIA GASTAL FASSA205/01/201431/12/2015
ANDRESSA DA VEIGA KRÜGER1201/08/201431/07/2015
BRUNO PEREIRA NUNES205/01/201431/12/2015
DEISI CARDOSO SOARES205/01/201431/12/2015
DENISE SILVA DA SILVEIRA205/01/201431/12/2015
ELAINE THUME205/01/201431/12/2015
ELAINE TOMASI205/01/201431/12/2015
FERNANDO CARLOS VINHOLES SIQUEIRA205/01/201431/12/2015
LOURIELE SOARES WACHS205/01/201431/12/2015
MARIANGELA UHLMANN SOARES205/01/201431/12/2015
SIDNEIA TESSMER CASARIN205/01/201431/12/2015

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
Ministério da SaudeR$ 5.000.000,00

Página gerada em 16/07/2019 11:33:15 (consulta levou 0.075317s)