Nome do Projeto
CARACTERIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL DO METABOLISMO ANTIOXIDANTE EM PLANTAS DE ARROZ SOB ESTRESSE POR FRIO E SALINIDADE
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
01/07/2016 - 01/08/2018
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Agrárias - Agronomia - Fisiologia de Plantas Cultivadas
Resumo
O subprojeto apresentado nesta proposta objetiva caracterizar estrutural e funcionalmente, em nível bioquímico e molecular, o metabolismo de defesa antioxidante em plantas de arroz submetidas ao estresse por frio e sal. Além disso, objetiva também contribuir para a consolidação da linha de pesquisa em Fisiologia do Estresse, de modo a potencializar a capacidade de pesquisa e desenvolvimento (P&D) do Programa de Pós-Graduação em Fisiologia Vegetal, com a consequente promoção da produção científica qualificada e transformação desse conhecimento em produção tecnológica, essa constituída de produtos e processos inovadores. Acredita-se que o desenvolvimento desse projeto em colaboração com a EMBRAPA, sob a responsabilidade do pesquisador Dr. Ariano de Magalhães Junior, será altamente produtivo para alavancar essa área do conhecimento e oportunizar a integração de pessoas qualificadas na equipe do Programa de Pós-graduação em Fisiologia Vegetal, permitindo a criação de um núcleo de excelência que, além da pesquisa científica qualificada e internacionalização da mesma, contribua com a comunidade científica e sociedade em geral, através da formação de recursos humanos.

Objetivo Geral

Objetivo geral
Caracterizar estrutural e funcionalmente, a nível bioquímico e molecular o metabolismo de defesa antioxidante em plantas de arroz submetidas ao estresse por frio e salinidade no período de germinação e de plântula.

Objetivos específicos
- Avaliar, comparativamente, no período de germinação, duas cultivares de arroz com tolerância diferencial ao estresse por frio e salinidade: viabilidade, germinação, vigor e resposta morfológica a ambos os estresses;
- Avaliar, comparativamente, no estádio de plântula, duas cultivares de arroz com tolerância diferencial ao estresse por frio e salinidade, considerando:
a) O padrão de expressão dos genes que codificam as diferentes isoformas de SOD, CAT, APX e GR;
b) O nível de proteína formado de SOD, CAT, APX e GR, após a exposição das plântulas aos respectivos estresses, buscando identificar possíveis alterações a nível pós-transcricional;
c) A ação do frio e do excesso de sal na produção dos metabólitos: ascorbato, dehidroascorbato, peróxido de hidrogênio, glutationa e prolina, bem como na peroxidação lipídica;
d) A influência da baixa temperatura e da salinidade na atividade enzimática das isoformas de SOD, CAT, APX e GR, e verificar se a quantidade de transcritos encontrada está diretamente relacionada com a atividade de cada isoforma;
e) O efeito do frio e do sal na atividade específica das enzimas do mecanismo de defesa antioxidante enzimático: SOD, CAT, APX, GR, DHAR e MDHAR;
f) A região promotora dos genes com comportamento contrastante em resposta ao frio e à salinidade, dentro de cada família gênica, a fim de identificar possíveis cis-elementos e transposons que possam influenciar na resposta transcrional ou pós-transcricional destes genes;

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALEXANDRE PEREIRA LEIVAS1201/03/201731/07/2017
ALINE RICHTER1201/08/201330/04/2014
ANDERSOM MILECH EINHARDT1201/08/201331/07/2014
GABRIELA DOS SANTOS RODRIGUES1201/08/201628/02/2017
GABRIELA DOS SANTOS RODRIGUES1201/08/201431/07/2016
IVANELI SCHREINERT DOS SANTOS1201/12/201431/07/2015
MARCELO ALVES PERES1201/05/201431/07/2014
PRISCILA ARIANE AULER1201/08/201430/11/2014
SIDNEI DEUNER501/07/201601/08/2018

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 130.000,00
FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul)R$ 0,00

Página gerada em 13/11/2019 08:03:50 (consulta levou 0.072397s)