Nome do Projeto
A Produção de Sinais Emergenciais nos Espaços de Ensino/Aprendizagem das Instituições de Ensino Superior do Rio Grande do Sul
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
05/10/2015 - 10/10/2016
Unidade de Origem
Coordenador Atual
Área CNPq
Ciências Humanas - Educação
Resumo
O projeto de pesquisa surge a partir de vivências de professores, tradutores/intérpretes de Libras e alunos surdos da Universidade Federal de Pelotas, nos diferentes espaços de ensino/aprendizagem em que a Língua Brasileira de Sinais é produzida/expressa, sejam eles, nas salas de aula, espaços de encontros, palestras, reuniões. Assim como, em discussões com profissionais da área de Libras e alunos de outras Instituições de Ensino Superior do Rio Grande do Sul, os quais relataram a ampla variedade de sinais emergenciais utilizados nos diferentes contextos acadêmicos frequentados pela comunidade surda. Isso ocorre porque na prática de sala de aula, tanto nos processos de ensino/aprendizagem quanto nos de tradução/interpretação de conteúdos acadêmicos, os profissionais encontram certa dificuldade em explicar conteúdos, termos e palavras que ainda não possuem um sinal convencionado na Libras. Estes profissionais então, em parceria com os alunos surdos criam sinais emergenciais, ou sinais que serão usados por eles durante a aula. Caso não criem sinais para utilizar no meio acadêmico, terão de usar a datilologia, ou alfabeto manual e/ou classificadores. Se o profissional optar por usar o alfabeto manual, poderá desencadear dois problemas nesse processo de ensino/aprendizagem: o primeiro é o aluno surdo não conhecer o termo ou palavra soletrada e esta não fazer sentido para ele; a segunda, é o profissional ter de explicar o significado do termo soletrado, desviando o assunto do conteúdo trabalho em aula, e até mesmo, para os tradutores/intérpretes de Libras, perdendo a concentração e consequentemente o conteúdo que o professor está ensinando. Na tentativa de ajudar os profissionais envolvidos com a educação de surdos, assim como os próprios surdos, é que surge este projeto de pesquisa. Este torna-se uma oportunidade de produção e difusão de sinais que poderão ser utilizados nas IES como forma de tornar cada vez mais acessível os conteúdos programáticos das disciplinas em que os surdos vêm encontrando dificuldade por não haver sinais convencionados. O material produzido proporcionará uma ampliação do vocabulário de Libras, principalmente dos termos ainda inexistentes em Libras, desenvolvendo os aspectos linguísticos e comunicativos da língua de sinais e consequentemente uma melhor interpretação de textos em Língua Portuguesa.

Objetivo Geral

azer um levantamento nos meios de comunicação impressos e digitais dos materiais didáticos produzidos pelas IES com os sinais emergenciais, atualmente no Rio Grande do Sul;
- Analisar os sinais, separando os que melhor se qualificam linguisticamente ao conceito que trazem;
- Produzir através de filmagem, um glossário dos sinais para os termos técnicos e específicos de cada curso que ainda não tenham sinal convencionado;
- Disseminar o glossário de sinais nas diversas IES do Rio Grande do Sul a fim de que os usuários da Libras avaliem os sinais ali apresentados;
- Utilizar o material didático produzido na prática de ensino/aprendizagem dos conteúdos ministrados nos respectivos cursos das IES.
- Promover um Seminário de discussão sobre a Língua Brasileira de Sinais e seus componentes linguísticos e divulgar os materiais produzidos ao longo do trabalho de pesquisa com os novos sinais convencionados das áreas afins.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE DE CASTRO E KASTER1205/10/201510/10/2016
BRUNA FAGUNDES ANTUNES ALBERTON1205/10/201510/10/2016
DANIEL DUARTE SILVEIRA1205/10/201510/10/2016
JAQUELINE GARCIA MACHADO1205/10/201510/10/2016

Fontes Financiadoras

Sigla / NomeValorAdministrador
CAPESR$ 10.000,00
CNPqR$ 10.000,00

Página gerada em 18/11/2019 12:20:32 (consulta levou 0.094048s)