Nome do Projeto
CONFIGURAÇÕES DE GOVERNANÇA COM ÊNFASE NAS REDES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA
Ênfase
PESQUISA
Data inicial - Data final
04/01/2016 - 31/12/2017
Unidade de Origem
Área CNPq
Ciências Sociais Aplicadas - Administração
Resumo
A economia solidária ganhou relevância no Brasil a partir de 1990, após iniciativas econômicas elaboradas no país, reconhecendo-as por sua natureza associativa e suas práticas de cooperação e autogestão (GAIGER, 2013). Atualmente há 19.728 empreendimentos de economia solidária no Brasil, sendo que 3.292 são localizados na região sul do país (SIES, 2015). Particularmente o estado do Rio Grande do Sul é o estado do Sul que possui maior número de empreendimentos de economia solidária, totalizando 1.697 (SINAES, 2013). Por serem organizações de caráter coletivo e gestão democrática, a formação de redes horizontais é um dos tipos organizacionais mais comuns. Estas se dão principalmente na forma de associações e grupos informais. A governança de redes tem recebido crescente atenção de pesquisadores e gestores, a partir da compreensão de que desenhar um modelo eficiente de governança pode ser um desafio maior do que a própria constituição da rede (HENTTONEN; LAHIKAINEN; JAUHIAINEN, 2014). A ênfase no estudo da governança de redes vai ao encontro dos argumentos de autores como Provan e Kenis (2008) e Hibbert, Huxham e Smith-Ring (2008), que sugerem a necessidade de uma compreensão mais aprofundada da organização da cooperação (MÖLLER et al., 2005). Compreender como e por que as redes são governadas de uma forma ou de outra é importante para a compreensão de seu funcionamento bem como para a promoção do seu desenvolvimento (MUELLER, 2012; WILLEM; GEMMEL, 2013). Segundo Cristofoli, Markovic e Meneguzzo (2014) ainda há lacunas relevantes na compreensão dos modos de governança, que podem assumir formas variadas, além daquelas propostas por Provan e Kenis (2008). Nesse sentido, torna-se importante identificar diferentes configurações da governança em redes interorganizacionais, contribuindo com a teoria e a prática da governança de redes.

Objetivo Geral

Objetivo geral
Propor um modelo de governança para redes de economia solidária.

Objetivos específicos
a) Descrever os modos de governança presentes nas redes de economia solidária;
b) Descrever as estruturas e instrumentos de governança utilizados em redes de economia solidária;
c) Comparar os casos de redes estudadas e identificar similaridades e diferenças entre elas;
d) Identificar as configurações de modos, estruturas e instrumentos de governança no universo de redes identificadas pelo Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária;
e) Caracterizar as configurações de governança existentes nas redes de Economia Solidária.

Equipe do Projeto

NomeCH SemanalData inicialData final
ALINE GONZALEZ KOCHHANN2004/01/201631/07/2016
ALISSON EDUARDO MAEHLER404/01/201631/12/2017
CAUE DUARTE ESCOUTO1201/08/201631/07/2017
EVELIZE MACHADO HOLZ804/01/201631/12/2017
FELIPE FEHLBERG HERRMANN404/01/201631/12/2017
TAUANA KLUMB DA SILVA804/01/201631/12/2017

Página gerada em 21/07/2019 12:56:12 (consulta levou 0.084174s)